sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Rio vai colocar Centro e Zona Portuária nos trilhos


Ônibus, metrô e barcas podem até continuar lotados, mas uma coisa é certa: o transporte numa das áreas mais importantes do Rio vai entrar nos trilhos. A prefeitura acaba de concluir o estudo sobre o sistema de bondes modernos que deve ser implantado em boa parte do Centro e na Zona Portuária. O projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) prevê seis linhas, algumas com trechos sobrepostos, e passará por ruas de grande movimento, como a Avenida Rio Branco e a Rua Sete de Setembro. O prefeito Eduardo Paes não fala ainda em datas nem custos para o VLT entrar em funcionamento, mas a ideia é que ele esteja operando a pleno vapor em 2016.


Com a missão de melhorar a mobilidade urbana e reduzir o número de veículos em circulação — a ideia é aposentar gradativamente os ônibus nas áreas onde o VLT circulará — o sistema terá 28km de trilhos e 42 estações. Cada um dos 32 bondes modernos terá capacidade para cerca de 450 passageiros, a maioria em pé. A prefeitura ainda não calculou o valor da tarifa que será aplicada, mas já está certo que o VLT fará parte do Bilhete Único Carioca (BUC) e que o valor da passagem não será muito diferente da dos ônibus que ele pretende substituir.

— Um dos pontos importantes é que os VLTs vão estar integrados às estações das barcas, à Central do Brasil e à Rodoviária. Além disso, eles vão praticamente extinguir os ônibus no Centro, além de diminuir a poluição sonora e do ar — diz o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio, Jorge Arraes, acrescentando mais uma vantagem. — Além de ser legal e charmoso, o VLT vai ajudar os turistas. Ele passará pelo Museu do Amanhã, no Porto, e pelo Teatro Municipal, entre outras atrações da cidade.

A Linha 1, que será a maior, ligará a Avenida Presidente Antônio Carlos à Rodoviária Novo Rio, passando pela Praça Mauá. Com 35 paradas e 12 VLTs em operação, ela cruzará toda a extensão da Avenida Rio Branco. A expectativa é que o intervalo entre os bondes não ultrapasse cinco minutos.
Já a Linha 2, com 19 paradas, ligará a Praça Mauá à Central do Brasil, via Túnel da Saúde. Primeira obra da segunda fase do projeto Porto Maravilha, o túnel que será aberto tem 70 metros de extensão e cruzará o Morro da Saúde. Ele terá três pistas em cada sentido e, no meio, espaço para o VLT.

A terceira linha do novo transporte fará a ligação entre o Aeroporto Santos Dumont e a Central do Brasil, via Praça da República, com parada na estação das barcas. A ideia inicial era que outra linha, a 1, seguisse da Presidente Antônio Carlos até o aeroporto, mas o estudo mostrou que seria inviável a construção de um túnel por baixo da Avenida Beira-Mar. Optou-se, então, por estender a linha que passava pelas barcas até o aeroporto. A Linha 3 passará ainda pela Rua Sete de Setembro, única via que deverá sofrer uma mudança mais drástica: para a implantação dos veículos leves, os carros de passeio e táxis poderão ser banidos.

— Ainda estamos estudando o fechamento da Sete de Setembro aos carros. No resto da área onde teremos o projeto, os veículos vão conviver com o VLT. Carros de passeio e táxis andarão sobre os trilhos. Se o VLT parar, eles também precisarão frear — diz Luiz Carlos de Souza Lobo, diretor de Operações da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio.
A Linha 4 ligará a Central à Avenida Presidente Antônio Carlos via Avenida Marechal Floriano e, a partir da parada Candelária, se sobreporá à Linha 1.

— Com essas sobreposições, vamos conseguir diminuir o intervalo entre os veículos. Se, com uma linha, a espera seria de cinco minutos, com a sobreposição, ela pode cair a três minutos — diz Lobo, acrescentando que as estações devem ficar a cerca de 400 metros de distância umas das outras.

A ligação entre a Central e a Rodoviária será feita pela Linha 5, enquanto a sexta linha do VLT cobrirá o trecho Praça Mauá-Rodoviária, via Túnel da Providência. Quem for, por exemplo, visitar a Cidade do Samba terá duas estações de parada à disposição, uma em cada lado da construção.
De acordo com o projeto, os VLTs vão ter paradas próximas a outros meios de transporte. As estações do metrô Cinelândia, Carioca e Central ficarão perto dos pontos do sistema, que também se ligará à estação do trem-bala, se ele sair do papel, e ao teleférico que deve ser implantado no Morro da Providência.
18/12/2011 - O Globo
_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...