sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Realidade Virtual Sobre Trilhos - Canadá

As tecnologias digitais estão revolucionando muitas indústrias. A Bombardier também está aproveitando a realidade virtual para lançar seus veículos no mercado mais rapidamente e acelerar o desenvolvimento de produtos. Não importa se é uma planta industrial, um avião ou um trem, quando todos os componentes trabalham juntos alinhados que o sistema inteiro pode funcionar corretamente. Quanto mais cedo forem detectados erros, melhor - um fato que também se aplica a protótipos. Hoje, a produção de modelos de antecipação caros, podem ser particularmente melhorada usando testes virtuais. "Desta forma, as etapas de desenvolvimento e instalação podem ser aceleradas, otimizadas ou eliminadas completamente", explica Helmut Dietz, chefe de fabricação digital da Bombardier Transportation. Fonte: Bombardier Canadá



sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

A Alstom vai adquirir a Nomad Digital, líder mundial de soluções de conectividade para a indústria ferroviária

A Alstom assinou um acordo de compra para a aquisição da Nomad Holdings, comercialmente conhecida como Nomad Digital da Amadeus Capital Partners, SEB Venture Capital e Deutsche Telekom Strategic Investments junto com outros investidores. Nomad Digital emprega cerca de 230 pessoas, e está sediada em Newcastle, com 13 escritórios em todo o mundo, principalmente no Reino Unido, Holanda, Alemanha, Portugal, Canadá, Austrália e Estados Unidos. O seu volume de negócios é superior a 30 milhões de libras esterlinas.


A Nomad Digital, fundada em 2002 no Reino Unido, é líder mundial em soluções de conectividade de passageiros e frotas para a indústria ferroviária. As soluções da Nomad Digital incluem WiFi de passageiros, Sistemas de Informação de Passageiros inovadores e portais de passageiros a bordo, entretenimento e plataformas de mídia. Além disso, Nomad Digital também fornece soluções de manutenção de tele, incluindo Monitoramento de Condição Online Remoto, Manutenção Centrada em Confiabilidade, Assistência a Driver e produtos de Trem de Força. As soluções e equipes da Nomad Digital aproveitam totalmente a integração e convergência de ambas as tecnologias ferroviárias e de informação e comunicações (TIC) e competências.

Este mercado das TIC para o setor ferroviário prevê um crescimento de dois dígitos nos próximos anos, graças à elevada integração digital dos comboios que são exigidos pelos operadores e passageiros. A evolução contínua da tecnologia e da demanda de passageiros oferece a oportunidade de um negócio recorrente para upgrades, operação e serviços de manutenção contínua, bem como novos serviços puxados por conectividade, um domínio-chave da digitalização de transporte em andamento. A Nomad Digital já estabeleceu fortes relações com as empresas operadoras de trem, que hoje representam a parte mais significativa de seus negócios. Nomad Digital evoluiu rapidamente de um pioneiro para um líder em seu segmento, e serve hoje mais de 80 companhias de exploração ferroviária principais em mais de 40 países em todo o mundo. 

" Esta aquisição ilustra nossa estratégia de oferecer soluções sob medida que mais e mais para os nossos clientes. Estamos muito confiantes no sucesso desta nova actividade, dado que a Nomad Digital permite que os operadores melhorem significativamente a experiência dos passageiros. Estas novas habilidades e tecnologias nos permitirá acelerar a digitalização da nossa oferta ", declara Pascal Cléré, Vice-Presidente Sênior de Digital Mobility na Alstom. 

A Alstom já trabalhou com o Nomad Digital, por exemplo, para a instalação de WiFi nos seus comboios Coradia Continental na Alemanha e os novos comboios Pendolino para a SBB na Suíça. A Alstom permitirá que a Nomad Digital se beneficie da sua presença global, mantendo o seu actual ritmo de crescimento e cultura digital.

O fechamento da transação deve ocorrer no início de janeiro de 2017. A partir de então, a Alstom começará a integrar a Nomad Holdings em seu próprio grupo, assegurando ao mesmo tempo que a empresa atue como subsidiária integral, mantendo sua marca bem conhecida e identidade independente. Fonte: Alstom



domingo, 18 de dezembro de 2016

Primeira viagem do VLT Carioca no trecho entre Saara e Praça XV aconteceu hoje de manhã

A Prefeitura do Rio fez neste domingo, 18 de dezembro, viagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Etapa 2, entre as paradas Saara e Praça XV. O VLT em breve deixará o usuário próximo às barcas, além das conexões atuais com ônibus, metrô, aeroporto e terminal de cruzeiros. O procedimento adotado na primeira etapa será replicado em operação coordenada pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e pela Concessionária do VLT Carioca. O objetivo é garantir que a população aprenda a conviver de forma segura com os bondes no novo trecho antes da implantação do serviço com passageiros planejada para janeiro.


O cronograma prevê operação assistida em período noturno na semana anterior ao Natal. O VLT fará viagens no trecho durante o dia na última semana do ano. Por conta da tradicional e intensa movimentação no comércio da região desta época, a circulação diurna com passageiros só terá início em 2017. A operação comercial está prevista para a segunda quinzena de janeiro. No percurso, o passagei ro também terá acesso à parada Praça Tiradentes e à parada Colombo, na altura da Avenida Rio Branco, que faz a conexão com o eixo Rodoviária-Santos Dumont, na parada Sete de Setembro.

O percurso da Etapa 2 abriga um polo cultural, comercial e gastronômico que resgata a história do Rio. Parte dos 500 achados arqueológicos das obras foram encontrados neste trajeto, o calçamento pé-de-moleque da Rua da Constituição, datado do século XVIII, teve trecho de 15m², com 343 pedras, preservado entre os trilhos do bonde na altura do número 13 da mesma rua.

Primeiro trecho em operação há seis meses

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) completou seis meses de operação no trecho Rodoviária-Santos Dumont com 25.365 viagens e mais de 4 milhões de passageiros, sem registro de incidentes com público desde a inauguração em 5 de junho. A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e da Concessionária do VLT Carioca, implantou o serviço de forma gradual, iniciando com três horas, oito paradas e intervalos de 30 minutos até chegar ao cenário atual com funcionamento diário das 6h à meia-noite e 17 paradas.

Os intervalos variam entre 8 e 20 minutos entre Rodoviária/Santos Dumont e Parada dos Navios/Santos Dumont. O serviço começou de forma gratuita e, a partir do dia 26 de julho, teve início a operação comercial. Hoje, o usuário tem o direito de permanecer uma hora no sistema a partir da primeira validação, desde que viaje sempre no mesmo sentido. A Guarda Municipal e a concessionária iniciaram fiscalização da validação dos bilhetes dentro das composições em 5 de setembro. O tempo de percurso também evoluiu. Atualmente, a viagem completa do trajeto é feita, em média, em 32 minutos, considerando os dois sentidos. É uma redução de 30% em relação a julho, quando o serviço começou a ser realizado em todo percurso. Para atender a demanda, o serviço que começou com dois trens hoje conta com nove composições em circulação diária. Ao todo, são 17 VLTs que se revezam nessa operação dos 23 que já se encontram no Rio - os seis demais estão em testes. Fonte: VLT Carioca/Porto Maravilha

Estrada de Ferro Carajás Transporta a Maior Extração de Minério do Mundo - Brasil

Ela tem 892 quilômetros de extensão, ligando a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo, em Carajás, no sudeste do Pará, ao Porto de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). Por seus trilhos, são transportados 120 milhões de toneladas de carga e 350 mil passageiros por ano. Circulam cerca de 35 composições simultaneamente, entre os quais um dos maiores trens de carga em operação regular do mundo, com 330 vagões e 3,3 quilômetros de extensão.


Inaugurada em 1985, a Estrada de Ferro Carajás não é só grande: ela também lidera o ranking das ferrovias mais eficientes do Brasil graças ao nosso constante investimento em tecnologia.

Os trilhos dos primeiros 15 km da Estrada de Ferro Carajás foram instalados em agosto de 1982. A ferrovia teve seus estudos de viabilidade, juntamente com os projetos de engenharia, iniciados quase uma década antes, em 1974. Mas a inauguração oficial só ocorreria 11 anos depois, no dia 28 de fevereiro de 1985.

Em março de 1986, chegaram os primeiros passageiros. No ano seguinte, foi a vez da soja. Os trens da ferrovia passaram a fazer o transporte de grãos e, no mesmo ano, os produtos derivados de petróleo entraram para a lista de materiais transportados pelas composições.
Hoje, os trens carregam granéis sólidos (soja e outros grãos), líquidos (combustíveis e fertilizantes, entre outros), além do minério de ferro.

A EFC está ainda interligada com outras duas ferrovias: a Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN) e a Ferrovia Norte-Sul. A primeira atravessa, principalmente, sete estados da região Nordeste e a segunda corta os estados de Goiás, Tocantins e Maranhão, facilitando a exportação de grãos produzidos no norte do estado do Tocantins pelo Porto de Ponta da Madeira, no Maranhão. Fonte: Vale


sábado, 17 de dezembro de 2016

A concessionária ViaQuatro do Metrô de São Paulo atingiu a marca de 1 bilhão de passageiros transportados

A concessionária ViaQuatro atingiu a marca de 1 bilhão de passageiros transportados. Na manhã desta sexta-feira, dia 15, uma passageira da Linha 4-Amarela foi surpreendida com uma homenagem. “Foi a forma que encontramos de agradecer a todos os passageiros”, afirmou o presidente da ViaQuatro, Harald Zwetkoff.


Pouco depois das 10h30, um telão instalado na área dos bloqueios da Estação Paulista contava o embarque dos passageiros nas sete estações da Linha 4-Amarela. 999.999.999... 1.000.000.000!

Nesse instante, a usuária Cristina Jesus da Silva, 35 anos, estava passando pelo bloqueio quando foi cumprimentada pelo presidente da ViaQuatro e recebeu a placa comemorativa como “passageira 1 bilhão”. A escolha da passageira de número 1 bilhão foi aleatória e simbólica.

Cristina é a cara de São Paulo. Nascida na Bahia, em uma família de 8 irmãos, já morou no Rio, de onde herdou o sotaque, mas fez sua vida nessa metrópole que a todos acolhe. Batalhadora, ela trabalha com serviços gerais em dois escritórios situados no eixo Paulista-Berrini. Como mora no Jardim Ester, região da Estação Butantã, usa a Linha 4-Amarela tanto para chegar no trabalho como para se deslocar entre as unidades da empresa durante o expediente.


“A Linha 4-Amarela me ajuda demais. É rápida e confortável, sem falar no ar-condicionado que eu gosto muito em dias quentes”, conta. Ao fim da jornada diária, embarca novamente para voltar para casa e iniciar o “segundo round” dedicando-se aos filhos Antony e Catarina, de 5 e 3 anos. “Sou pai e mãe, mas consigo dar conta de tudo”, orgulha-se. Fonte: ViaQuatro Foto Trem: CTPM


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

China oferece US $ 40 bilhões para a Rota Bioceânica

O corredor Ferroviário Bioceânico Central, que liga os portos de Santos, no Brasil ao Peru O embaixador chinês na Bolívia, Wu Yuanshan, informou que seu país vai fornecer empréstimos de até 40 bilhões de dólares para o Corredor Ferroviário Bioceânico Central, que liga os portos de Santos, no Brasil ao Peru pela Bolívia. 


O embaixador chinês disse que uma empresa está muito interessada em apoiar o trem bioceânico e espera que as novas reuniões bilaterais possa avançar e finalizar a iniciativa da infra-estrutura ferroviária. De acordo com Yuanshan, a China tem potencial econômico e tecnológico para colaborar com a Bolívia , que será um projeto-chave, uma obra do século, vai beneficiar mais países nesta região. Em finanças, o diplomata disse que o valor depende do nível da ferrovia, modernização e qualidade, então irá avaliar o lote. 

Durante a II Binacional Cabinet entre Bolívia e Peru, realizada em Sucre no início deste mês, Morales e o peruano Pedro Pablo Kuczynski assinaram um memorando de entendimento para estabelecer prazos e tarefas para concretizar a construção do trem transoceânico. Em março do próximo ano, ele espera que o governo boliviano e alemão assinem um memorando de entendimento para fortalecer a implementação da iniciativa. Neste corredor o Uruguai, Paraguai e Argentina também irá juntar-se através da hidrovia Paraguai-Paraná, que também se conecta ao Atlântico. De acordo com o perfil do projeto elaborado pelo Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento (Cosiplan), estudos para este projeto já começou, com financiamento do American Development Bank. A área de influência do projeto em todo o continente e as portas que ligam sobre os outros do Pacífico, no Atlântico. 


A área definida inclui os departamentos de Arequipa, Moquegua, Puno e Tacna, no Peru, Regiões XV, I (Parinacota e Tarapacá e Arica, respectivamente) e a província Loa de Antofagasta. Região do Chile; os departamentos de Beni , La Paz , Oruro, Potosí , Tarija , Cochabamba , Chuquisaca e Santa Cruz da Bolívia , a República do Paraguai e mais os estados brasileiros de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Fonte: Agências/24Horas News


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Medição e Sonda a Alta Tecnologia na Manutenção Ferroviária

Medição e sonda dos trilhos, uma frota de veículos de testes de via permanente da Holland, foi concebido para satisfazer os requisitos de geometria da linha, medição e perfil do trilho da classe 1, e as propriedades de tráfego de trens na América do Norte. Nossa geometria de via está em conformidade com FRA Classe 5, Transport Canadá, os requisitos específicos do cliente para fornecer a avaliação mais precisa das condições da linha. a medição de perfil ferroviário simultâneo proporciona condições de leitura dos desgastes, enquanto os dados gerados pelos nossos veículos, testam a divisão da carga nos trilhos e possíveis fragilidades. Fonte: Holland



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

VLT do Rio de Janeiro um Show de Tecnologia - Alstom

O Rio sobre trilhos, até 2017, os usuários deverão passar de 2 milhões nos dias úteis com a entrada em operação do VLT Carioca (300 mil) e da Linha 4 do Metrô — outros 300 mil usuários entre a Barra da Tijuca e a Zona Sul.


— Mesmo com o que foi gasto, no futuro outros investimentos terão que ser negociados com o estado. Hoje, temos limitações para aumentar a oferta de lugares. Parte dos dormentes ainda é de madeira. As vias também precisariam ser segregadas para permitir uma velocidade comercial maior. Hoje, em vários pontos, os trens têm que circular em velocidade mais baixa ao atravessar passagens de nível, muitas delas clandestinas — diz Gustavo Guerra, presidente da Odebrecht Mobilidade, controladora da SuperVia.

Por sua vez, no metrô, obras permitiram a conexão das linhas 1 e 2, abrindo caminho para uso mais racional da frota. Além disso, duas novas estações foram inauguradas (Cidade Nova e Uruguai). Até mesmo o caótico trânsito do Rio, que nos últimos anos piorou com a realização de várias obras simultâneas, favoreceu o transporte de massa. De 2013 para 2014, o número de usuários diários desse serviço saltou de 690 mil para 815 mil (18,11% a mais). Fonte: ANP Trilhos/VLT Carioca



sábado, 10 de dezembro de 2016

Linha 4 do Metrô do Rio ganha o "Oscar" dos túneis

A inovação tecnológica realizada pelos engenheiros da obra da linha 4 do metrô carioca venceu nesta semana o ITA Tunnelling Awards 2016, o maior prêmio da área túneis do mundo. Os vencedores são engenheiros da Odebrecht, líder do Consórcio responsável pela obra. O anúncio ocorreu em Singapura. A obra foi a única brasileira que disputou o prêmio em 2016. Foram apresentados dezenas de projetos e, na final, ficaram propostas de cinco países. 
 
 
 
O Prêmio é o reconhecimento mundial do trabalho dos engenheiros Júlio Pierri, Alexandre Mahfuz, Carlos Henrique Turolla, além dos consultores Marc Comulada e Ulrich Maidl, que fizeram várias pesquisas no laboratório da obra para adaptar o tatuzão híbrido para escavação em rocha e areia. E isso numa área densamente povoada como é a Zona Sul do Rio. O Prêmio mostra que a qualidade da engenharia brasileira alcança reconhecimento mundial.

O ITA Awards premiou a inovação tecnologia da obra com o inédito sistema de escavação utilizado. Para construir 5,2 quilômetros de túnel da Linha 4 do Metrô no subsolo de Ipanema e Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, a engenharia brasileira precisou desenvolver novos métodos que permitissem a execução das obras com menor impacto possível na superfície e sem desapropriar imóveis. Uma das inovações foi a utilização do Tatuzão híbrido, um sistema inédito que permite a escavação em solo arenoso e em áreas densamente povoadas.

Com a utilização do Tatuzão híbrido (Tunnel Boring Machine EPB - Earth Pressure Balanced) foi possível cruzar uma geologia complexa com eficiência e segurança. O terreno dos túneis incluía uma longa extensão de areia de praia cercada por dois trechos de rocha altamente abrasiva. A máquina foi fabricada sob medida para o solo carioca pela alemã Herrenknecht. Ela contou com um diferencial inédito que foi o sistema adicional específico para preparação do solo, como conta Julio Pierri, engenheiro da Construtora Norberto Odebrecht, responsável pela área de engenharia do projeto da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.

“Usamos pela primeira vez no mundo um EPB em solo arenoso em uma região com muitos prédios e com grande circulação de pessoas e veículos. Antes, o equipamento só havia sido utilizado outras duas vezes nesse tipo de solo, mas em trechos curtos e em áreas pouco ou nada povoadas. Para realizar nosso trabalho, criamos um sistema interno para injetar diversos tipos de material para preparar o solo durante a escavação. Um deles foi uma espuma com polímero especial, feita sob medida para o subsolo da Zona Sul do Rio. Isso ampliou a capacidade da máquina em operar na areia, dando maior segurança”, explicou.

No desenvolvimento dessa nova técnica de escavação, Julio Pierri trabalhou ao lado dos engenheiros Alexandre Mahfuz e Carlos Henrique Turolla, também da Construtora Norberto Odebrecht, com apoio da consultora MTC. “O desafio era imenso. Tínhamos que construir o túnel debaixo do leito das ruas, sem passar por baixo de nenhum prédio e com o menor risco possível. Alguns edifícios estavam a apenas 12 metros do túnel. Não tínhamos como usar o Tatuzão Slurry porque era muito arriscado pela possibilidade de provocar abalos severos no solo e pela maior complexidade da operação. O EPB também não tinha um sistema de condicionamento de solo adequado às necessidades do projeto. Por isso, a saída foi desenvolver um modelo de equipamento específico para aquela região, que chamamos de TBM EPB Híbrido”, complementa Mahfuz.

O EPB híbrido possibilitou trabalhar com controle da pressão na frente da máquina e minimizar a possibilidade de abalo na superfície ou nas edificações do entorno, além de proporcionar uma considerável redução no volume de materiais usados na preparação do solo e no consumo de energia. A aplicação desta tecnologia permitiu ainda reduzir o apoio à operação do equipamento, o que era extremamente necessário nesta região completamente urbanizada da cidade.

Novo trecho encurta distância entre os bairros da zona Sul e Barra da Tijuca

Considerada o maior legado em mobilidade que a cidade do Rio de Janeiro ganhou com os Jogos Olímpicos, a Linha 4 do Metrô foi a maior obra de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina. Construída em seis anos, dentro da média mundial para sua alta complexidade técnica, a nova linha metroviária cumpriu as normas internacionais mais rigorosas para a construção e operação de metrôs no mundo. O projeto utilizou tecnologias de ponta nacional e internacional para atravessar bairros densamente povoados, com menor impacto à superfície e aos moradores do entorno.

O projeto representa a execução, de uma só vez, de toda a malha de metrô subterrâneo construída na cidade nos últimos 30 anos. Com a nova linha, cariocas e visitantes passam a ter uma alternativa de transporte rápido, moderno, eficiente e sustentável. A Linha 4 deve transportar 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico em cada sentido do eixo Barra-Zona Sul. Fonte: Divulgação Foto: Henrique Freire


Bondes e Leves Sobre Trilhos

Um bonde (português brasileiro) ou elétrico (português europeu), tram, tramway, trâmuei ou tranvia (ou, ainda, trólebus quando se move sobre rodas com pneus) é um meio de transporte público tradicional em grandes cidades da Europa como Varsóvia, Basileia, Zurique, Lisboa e Porto, ou das Américas, como São Francisco, Rio de Janeiro e Toronto. Movimenta-se sobre carris (trilhos) que, em geral, encontram-se instalados nas partes mais antigas das cidades, uma vez que a sua implantação data, também em geral, da segunda metade do século XIX. Faz, geralmente, um percurso turístico, embora isto não seja obrigatório. 


Destinado sobretudo ao transporte de passageiros, atualmente constitui-se em um meio de transporte rápido, já que, geralmente, tem prioridade sobre os demais meios de transporte. Em Portugal, obedece às regras de trânsito como qualquer outro veículo motorizado.

Hoje em dia, por razões de economia de energia e de preservação do meio ambiente, vem sendo sucedido pelo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), cuja utilização se encontra em expansão em várias cidades do mundo. Os elétricos ou bondes têm grandes vantagens em relação aos ônibus, entre as quais a menor poluição, tanto sonora quanto atmosférica. Complementarmente, a subsistência dos antigos elétricos representa um enriquecimento cultural das próprias cidades, já que cada uma introduziu modificações características em suas respectivas redes. Muitas das grandes cidades da Suíça ainda usam os elétricos, bem como grandes cidades da Alemanha, Polónia e algumas da França, como por exemplo Estrasburgo. Fonte: Divulgação Foto: Silvério Borges



quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

ViaQuatro celebra 10 anos de assinatura da primeira PPP do Brasil em transporte público


A ViaQuatro comemora 10 anos da assinatura do contrato de concessão da Linha 4-Amarela de metrô de São Paulo, primeira PPP (Parceria Público-Privada) do Brasil. “Avançamos com eficiência e provamos ser um modelo de negócio sustentável. No momento em que o país precisa com urgência retomar os investimentos em infraestrutura, a experiência da ViaQuatro torna-se referência nacional”, afirma Harald Zwetkoff, presidente da concessionária. O executivo destaca que essa década de parceria da ViaQuatro com o Governo do Estado de São Paulo simbolizou aprendizado para ambos. Segundo Zwetkoff, a concessionária seguiu as normas operacionais e os requisitos contratuais, resultando em eficiência e produtividade comprovadas por índices e pesquisas independentes.


“Conseguimos pagar os novos trens e seus respectivos custos de financiamento, além de reaver os investimentos no sistema de sinalização. Os impostos estão em dia e ainda remuneramos nossos acionistas”, afirma o presidente. 

Duas novidades que serão percebidas pelos usuários marcam os 10 anos da assinatura do contrato da PPP. A partir desta terça-feira, dia 29, a ViaQuatro estreia sua nova identidade sonora, com a veiculação de um tema musical e avisos sonoros nas estações e trens. Um vídeo comemorativo também passa a ser exibido nos monitores de vídeo e no painel digital em 360 graus da Estação Luz.

Inovação

Desde o início da operação comercial, há 5 anos, a Linha 4-Amarela oferece inovações tecnológicas aos usuários. É a primeira linha de metrô da América Latina a adotar trens com o sistema driverless (sem condutor). Esse sistema totalmente automatizado elimina falhas humanas e é o mais confiável em todo o mundo. As sete estações da Linha 4 possuem portas de plataforma, divisórias de vidro que separam a plataforma dos trilhos, garantindo segurança e agilidade do embarque e desembarque dos passageiros.

“Quando se fala em inovação tecnológica é interessante notar como uma evolução puxa a outra. Com a eficiência da operação automatizada, pudemos a oferecer serviços de informação inéditos aos passageiros”, afirma Zwetkoff. Os monitores das plataformas da Linha 4-Amarela passaram a indicar quais carros do próximo trem possuem mais espaço para viajar e quanto tempo falta para a chegada da próxima composição. As ferramentas foram desenvolvidas pela ViaQuatro, e o indicador de lotação do próximo trem é inédito em metrôs no mundo.

Outro ineditismo é o simulador virtual, criado com exclusividade para a ViaQuatro, para treinamento permanente dos agentes de atendimento na operação manual dos trens. A prática era impossível durante a operação comercial, pois o sistema automático raramente apresenta falhas. O simulador de trem possibilita manter os colaboradores aptos à atuação imediata em diferentes situações. Além do ganho em segurança, há economia de energia elétrica e eliminação do desgaste da composição, que poderiam ocorrer no treinamento in loco.

O simulador de trem integra o Centro de Treinamento Saber+, localizado no Pátio da Vila Sônia. Composto por salas de aula, laboratórios de mecânica, elétrica e eletrônica e biblioteca, o espaço foi criado para compartilhar e disseminar conhecimentos adquiridos, e aperfeiçoar o serviço oferecido aos usuários da Linha 4-Amarela. Foram desenvolvidos dezenas de treinamentos técnicos e comportamentais, com conteúdo teórico e prático. “Sabemos da importância de formar técnicos e especialistas em transporte sobre trilhos e o Saber+ é o legado da ViaQuatro para o setor metroferroviário brasileiro”, diz o presidente.

Satisfação e motivação

Entre as conquistas recentes da ViaQuatro, está o recorde do índice de satisfação dos usuários. Pesquisa do Instituto Datafolha, realizada em abril último, mostrou que 93,9% dos passageiros consideram o serviço prestado pela ViaQuatro muito bom ou bom. “Trabalhar em um ambiente onde se estimula a inovação motiva nossos colaboradores a prestar um bom serviço e isso resulta na satisfação dos usuários”, diz Harald. 

Outros números comprovam a eficiência e confiabilidade do serviço. A operação comercial da linha fez cinco anos em outubro, totalizando mais de 955 milhões de passageiros transportados. A cada dia útil, 700 mil usuários utilizam a Linha 4-Amarela. Em média, 99,6% das viagens programadas foram realizadas, desde que a operação comercial plena foi iniciada. As portas dos trens e plataformas já se abriram e fecharam 180 milhões de vezes. Outro indicador de eficiência da operação da Linha 4-Amarela é representado pela disponibilidade dos trens, que corresponde a 99,78% nos últimos cinco anos.

Os 14 trens já realizaram mais de 1 milhão de viagens e percorreram 11 milhões de quilômetros. Neste ano, a ViaQuatro começou a receber 15 novos trens, conforme estava previsto na Fase II do contrato. O contrato de concessão de 30 anos prevê investimentos da ordem de US$ 2 bilhões. Até o momento, já foram investidos US$ 450 milhões.

Integração no DNA

A ViaQuatro exerce papel fundamental para a integração do transporte metroferroviário da capital. As estações campeãs de entradas de passageiros são Paulista, por onde, desde outubro de 2011, já passaram 214 milhões de usuários; Pinheiros, com 194 milhões; e Luz, com 185 milhões de pessoas transportadas. Quatro das sete estações da Linha 4-Amarela estão ligadas a outras seis linhas do Metrô e da CPTM e terminais de ônibus.

“Além do transporte intermodal, também estimulamos o transporte ativo praticado pelos ciclistas, com a modernização de nossos bicicletários, que receberam sistema de cadastro biométrico tornando o acesso totalmente automatizado e mais seguro”, afirma o presidente da concessionária.

ViaQuatro em números*

955.142.714 - É o total de passageiros transportados no período de operação comercial.

1.124.504 - É o número de viagens feitas durante os cinco anos de operação comercial, o que representa 99,6% das viagens programadas no período.

11.047.429 - É a distância em quilômetros percorrida pelos trens da ViaQuatro desde outubro de 2011.

179.273.376 - É o número de vezes que as portas dos trens e das plataformas da Linha 4-Amarela foram acionadas com aberturas e fechamentos.

213.889.233 - É o número de passageiros que passou pela Estação Paulista desde outubro de 2011.

193.862.344 - É o número de passageiros que passou pela Estação Pinheiros desde outubro de 2011.

185.086.345 - É o número de passageiros que passou pela Estação Luz desde outubro de 2011.

*Dados compreendem o período de outubro de 2011 a outubro de 2016. Fonte: ViaQuatro





segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Novas estações do metrô de Salvador têm cores inspiradas nas belezas da Bahia

Três estações da Linha 2 do Metrô começam a funcionar na segunda-feira (5), Novas estações do metrô de Salvador têm cores inspiradas nas belezas da Bahia. Segundo a CCR Metrô, as cores foram escolhidas a partir de pesquisa realizada no Estado, tendo como base as que predominam em Salvador: o céu azul e o verde azulado do mar, a variedade de tons entre vermelho e amarelo de suas frutas (mangaba, caju, manga, cajá, cacau) e nas comidas típicas (acarajé e vatapá), além do azeite de dendê. Fonte: R7




sábado, 3 de dezembro de 2016

A primeira linha de VLT sem catenária opera em Dubai

Você sabia? A primeira linha de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) 100% sem catenária opera em Dubai. O VLT da Alstom é o primeiro do mundo capaz de rodar a temperaturas de até 50ºC e suportar condições climáticas extremas, como umidade e atmosfera arenosa. Ele também é equipado com um sistema de fornecimento de energia no nível do solo (APS), igual do VLT do Rio de Janeiro, o que permite operar sem catenárias em toda a linha, que tem 10,6 km de comprimento e 11 estações. O VLT tem 44 metros de comprimento e pode acomodar 408 passageiros. Seu formato de diamante na frente do trem reflete a imagem da cidade. Fonte: Alstom



sábado, 26 de novembro de 2016

Estação Roma-Areeiro - Lisboa

Situada entre a Avenida de Roma e a Avenida Almirante Reis, a estação Roma-Areeiro disponibiliza um variadíssimo leque de destinos. Além de poder optar por se deslocar para duas zonas bem distintas e nobres da cidade de lisboa, pode também escolher por viajar até Sintra ou até mesmo atravessar o rio e ir até à margem Sul viajando com a Fertagus.


Esta estação apesar de não ter ligação direta ao Metro de Lisboa tem acessos muito próximos à estação de Metro de Roma e do Areeiro da linha verde. Inaugurada em 2003, com a abertura da estação de Roma-Areeiro a Fertagus pode assim, expandir seu serviço, estando cada vez mais perto dos seus clientes. Esta é uma estação explorada pela REFER, onde poderá encontrar uma área comercial e poderá ver algumas obras do escultor Fernando Conduta no interior e exterior da estação. Fonte: Fertagus Foto: Silvério Borges

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Trem de Manutenção Track Lifter

Estas máquinas são projetadas para ser mais produtiva e rentável em comparação com os serviços tradicionais. O TL pode levantar rastrear até 12 polegadas, a criação de uma nova camada de sublastro e estabelecer um lastro mais permeável e uma estrutura de via mais forte.

O Lifter é ideal para substituições parciais de lastro, programas de reabilitação de lastro e programas de substituição de lastro. O Lifter opera em velocidades mais altas do que as tradicionais e reduz os requisitos de compactadores. Fonte: Divulgação/Lifter


sábado, 12 de novembro de 2016

Gare do Oriente - Lisboa

Situada na zona leste de Lisboa, a Estação do Oriente foi projetada como gare intermodal de apoio à Expo 98 mas, também com o objetivo de se tornar a principal interface de transportes da cidade, integrando metrô, trem, terminal rodoviário e parqueamento. Para os passageiros de avião, existe a possibilidade de efetuar previamente o check-in.

O seu autor é o conceituado arquiteto e engenheiro espanhol Santiago Calatrava, bem conhecido pelo seu estilo único que combina materiais como o betão, o vidro e o aço, mantendo visíveis estruturas que outros arquitetos escondem. 

Na Gare do Oriente, Calatrava criou uma estrutura de grandes dimensões com um aspeto elegante e leve, que a alguns faz lembrar um bosque de árvores metálicas e a outros as colunas e os arcos de uma catedral gótica. Foto: Silvério Borges Fonte: Visit Portugal

sábado, 5 de novembro de 2016

VLT Alstom de Dubai

O diretor geral da Autoridade de Estradas e Transportes de Dubai (RTA, na sigla em ingês), Mattar Al Tayer, disse que um estudo mostrou que a densidade populacional na região onde o VLT foi implementado será, em alguns anos, bem maior que a média na cidade. Para evitar congestionamentos no futuro, foi preciso, segundo ele, construir uma rede de transportes integrada, o VLT de Dubai tem conexões com o metrô e o monotrilho.


Durante o primeiro ano de operação, o chamado Dubai Tram alcançou índices extremamente elevados de desempenho. O indicador de pontualidade dos trens chegou a 96,4%. Já a satisfação dos passageiros ficou em 98%. O Dubai Tram foi implementado para melhorar a mobilidade dentro da cidade, cobrindo áreas turísticas e de grande importância econômica.

Também contribuiu para a formação de um sistema de transporte de massa integrado e para a redução das emissões de carbono, proporcionando mais qualidade de vida”, escreveu Al Tayer. A segurança também tem sido prioridade em Dubai. Ainda na fase de testes e um mês após a inauguração, houve acidentes, com carros se chocando contra os trens. Alguns cruzamentos chegaram a ser fechados. Um regulamento estabeleceu ainda multas específicas para quem cometer infrações ou acidentes. O motorista que avançar o sinal e provocar acidentes com feridos, por exemplo, poderá ser cobrada uma multa de R$ 4.800 a R$ 14.400, além da perda de carteira de no mínimo 30 dias e, no máximo, seis meses. Jogar lixo nos trilhos rende uma multa de R$ 480. Já quem cruzar os trilhos em áreas proibidas, terá que desembolsar R$ 960. De acordo com Al Tayer, cerca de 230 policiais fazem o policiamento pelo VLT e 800 câmeras dentro e fora dos trens ajudam no monitoramento. Fonte: Globo.com



sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Tubular Track - Via Permanente construída sem britas (lastro) e sem dormentes

Nós fabricamos linha férrea, mas com uma diferença, com pré-fabricação do sistema de trilho é composta de dupla vigas de concreto armado, ligadas com as barras de calibre de aço, em que os trilhos são continuamente suportados. 

A linha modular tubular pode ser utilizado em todas as aplicações ferroviárias de superfície incluindo, linhas principais, estações de triagem, sistemas ferroviários ligeiros urbanos, passagens de nível, túneis, trilhas em plataformas de passageiros, instalações de carga a granel, ferrovias portuárias, ramais entre outros.


A Pista Tubular já foi instalada em centenas de quilômetros em minas de minerais, e foi instalada para altas cargas de carvão e carga em geral . O sistema também forneceu uma solução bem vinda para plataformas de passageiros Metrorail, onde foram alcançados patamares altamente confiáveis e com quase custo zero em manutenção. Tubular Track é a via permanente que faz sentido econômico. Fonte: Tubular Track


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Alstom apresenta trem movido a hidrogênio que deve começar a operar em 2017

A Alstom apresentou nessa semana o Coralia iLint, um trem de passageiros movido a células de hidrogênio. Com esse combustível, o trem consegue se locomover sem emitir gás carbônico e com baixos níveis de ruído, o que o torna ideal para o uso em áreas metropolitanas e entre cidades.



De acordo com a empresa, o trem será capaz de viagar de 600 a 800 quilômetros por tanque a uma velocidade de 140 quilômetros por hora, usando apenas hidrogênio como combustível. O seu processo de queima de energia gera apenas água líquida e vapor, o que faz dele uma tecnologia extremamete limpa. O vídeo abaixo, em inglês, fala mais sobre o trem.

O trem utiliza como combustível gás hidrogênio (H2), que fica armazenado em reservatórios no seu teto. Quando esse hidrogêio se combina com o gás oxigênio (O2) presente no ar, ocorre uma reação exotérmica (que libera energia) e que gera água líquida, que também é armazenada no teto do trem.


Células de hidrogênio não são a única fonte de energia, porém: o trem também possui baterias de íon-lítio que conseguem armazenar energia. A energia das células é usada durante a aceleração, e as baterias são carregadas com a energia que sobra das células e quando o trem freia. As baterias usam sua energia em momentos de aceleração mais leve, o que ajuda a economizar combustível.

Inicialmente, o trem tem capacidade para levar 300 passageiros, e possui 150 assentos. A expectativa da empresa é implementar o trem em uma linha na Alemanha e tê-lo funcionando até dezembro de 2017. A Alemanha possui mais de 4000 trens movidos a diesel, e a Alstom pretende substituir boa parte dessa frota. Além dos trens, a empresa também providenciará a infraestrutura de abastecimento e manutenção dos veículos.

Segundo o site Tracks, o primeiro trem movido a hidrogênio entrou em funcionamento na China em 2015. Apesar da tecnologia já estar disponivel, o Engadget estima que o custo de implementação desses trens pode ser um pouco maior que o esperado, já que eles exigem também a atualização das garagens e estações de abastecimento para poder trabalhar com gás hidrogênio. Fonte: Olhar Digital/Gustuvo Sumares



segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Freio de Via Eletromagnético com Acionamento Pneumático

Freio de via eletromagnético com acionamento pneumático, este freio auxiliar é mais utilizado em veículos leves sobre trilhos e bondes por todo mundo. É um freio que auxilia o condutor em uma frenagem mais eficaz em caso de parada imediata por algum obstáculo ou por medida de segurança do material rodante.


Ele é mais utilizado quando os VLT`s e Bondes trafegam nas ruas juntamente com o tráfego viário das cidades. O nosso VLT Carioca construído pela empresa Alstom é munido desse eficiente freio de urgência. Os saudosos trens que trafegavam na linha 2 do metrô a alguns anos atrás chamados Trens Articulados os TA`s, também possuem esse freio, que era chamado de freio de via no Metrô do Rio de Janeiro. Fonte: TransTrilhos.com Texto e Foto/VLT Bélgica: Silvério Borges




domingo, 30 de outubro de 2016

Metrô de Madrid 12 linhas com um total de 238 estações - Mapa das Estações

O metrô de Madrid abriu a sua primeira linha ferroviária metropolitana no dia 17 outubro de 1919, sob o reinado de Alfonso XIII. Ele tinha uma única linha de apenas 3,48 km de comprimento e 8 estações que ligam a Puerta del Sol à Cuatro Caminos em um tempo de 10 minutos. Hoje, de acordo com a Wikipedia, o Metrô de Madrid é o segundo maior metrô da Europa e o sétimo maior do mundo.


Embora no início do século XX Madrid tivesse uma população de cerca de 600.000 habitantes, o congestionamento já era um problema na capital espanhola e foi necessário substituir a rede de bondes para algum transporte subterrâneo. O metrô de Madrid foi o primeiro a entrar em funcionamento na Espanha. Em 1986, a Comunidade de Madrid e a Câmara Municipal de Madrid assumiram o Metrô. 

O metrô de Madrid tem 12 linhas com um total de 238 estações. Em 21 delas há correspondência com a rede de trens Renfe. Além disso, este sistema é complementado pela ligação que une Opera e Principe Pio e mais 3 linhas ferroviárias adicionais que somam 27,78 kms e outras 38 estações. No total, a rede tem mais de 324 km de viagem. O metrô de Madrid transporta mais de dois milhões de passageiros diariamente. 

Além da área metropolitana, a rede de metrô de Madrid abrange outros municípios, tais como: Alcobendas, San Sebastián de los Reyes, Coslada, San Fernando de Henares, Rivas-Vaciamadrid, Arganda del Rey, Alcorcón, Leganés, Getafe , Móstoles, Fuenlabrada, Pozuelo de Alarcón e Boadilla del Monte (os dois últimos estão ligados por linhas ferroviárias). O Metrô de Madrid tem tantas estações nos doze municípios em que atua que 80% dos moradores de Madrid tem uma estação a menos de 600 metros de suas casas ou destinos. A velocidade máxima de trens no metrô de Madrid é de 110 km / h. Além disso, estes têm um alto grau de automatização e sistemas de sinalização ferroviária modernos e de segurança. Fonte: Mapa Metro de Madrid






sábado, 22 de outubro de 2016

Metrô de New York - Bombardier

Estes carros fabricados pela Bombardier, ganharam a reputação de serem confortáveis, eficiente e altamente confiável, com um registro que excede consistentemente as expectativas dos clientes. Os carros R142, que são personalizadas com as especificações New York City Transit, representam alguns dos mais avançados sistemas em serviço para a propulsão AC e freio dinâmico, freios de atrito, portas, e de diagnóstico a bordo, de status e sistemas de comunicação. Os carros também apresentam avanços em conforto e segurança dos passageiros, tais como sinalização digital eletrônica, um sistema de anúncio público automático, um sistema de intercomunicação de passageiros de emergência ligada ao operador, e um sistema de controle do clima sofisticado. Fonte: Bombardier





quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Via Rail quer eletrificar suas principais linhas - Canadá

A Via Rail quer triplicar o número de trens de passageiros e eletrificar sua frota, especialmente em uma linha dedicada no corredor entre Quebec City, Montreal, Ottawa e Toronto. A empresa Crown depende de "mobilidade sustentável" e não quer ser um pato manco, disse seu CEO, Yves Desjardins-Siciliano, que tomou as rédeas há dois anos.


O custo do projeto é de US $ 5,2 bilhões. E, como o acionista Via Rail é o Governo do Canadá é Ottawa sua capital. Com base no serviço ao cliente Yves Desjardins-Siciliano não tomou a direção da Via Rail em 2014, "para entregar as chaves para a empresa", então em sério declínio.

"Não foi em qualquer lugar", disse ele em frente à Câmara de Comércio de Metropolitan Montreal. "O serviço não era prático, e cada vez menos úteis e relevantes. Ele estava gerando perdas. " Fonte: Martine Turenne/Le Journal Montreal Foto: Silvério Borges


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Alstom entrega o primeiro Citadis transfronteiriço entre Estrasburgo e Kehl

Alstom entregou o primeiro dos novos VLTs Citadis para Estrasburgo, menos de dois anos após a assinatura com a empresa de transporte Strasbourg CTS (Compagnie des Transports Strasbourgeois) para o fornecimento de 50 bondes. A primeira parte deste acordo diz respeito a um pedido de 12 bondes, um total no valor de 41 milhões de euros. O primeiro bonde vai agora começar o ensaio dinâmico na via, e, seguida 11 Citadis deverão ser entregues até maio de 2017.


Os bondes serão adicionados à frota existente de CTS como parte das extensões de linhas A e D. Na linha D eles vão correr todo o caminho para Kehl, na Alemanha. Entrada em serviço comercial está prevista para o próximo mês de Abril. Este será o primeiro bonde saindo da França para atravessar a fronteira.

" A Alstom tem orgulho de ajudar a articular-se Kehl a Estrasburgo, a criação de um único vínculo de amizade entre as duas cidades. Os bondes da gama Citadis, que foram adotados por 54 cidades em todo o mundo, combinar o uso de tecnologia comprovada e modularidade em termos de disposição de combinar a confiabilidade, conforto e personalização ", disse Jean-Baptiste Eymeoud, Presidente da Alstom na França.

Os VLTs Citadis em Estrasburgo serão os primeiros bondes aprovados pelos regulamentos BOStrab federais alemãs que cobrem a construção e operação de bondes na Alemanha. Os bondes tem 45 metros de comprimento e tem capacidade para 288 passageiros. Eles são equipados com iluminação LED e portas de vidro cheios para aumentar a sensação de conforto e segurança dos passageiros. Em linha com PRM (Pessoas com Mobilidade Reduzida) regulamentos, os trens são equipados com maçanetas de fácil acesso, estão mais amplos as áreas especialmente reservadas para cadeiras de rodas e passageiros com carrinhos de criança.

Os bondes são em grande parte fabricados na França: La Rochelle (para a concepção e montagem dos bondes), Ornans (para a concepção e fabrico de motores), Le Creusot (bogies para os módulos intermédios), Tarbes (cadeias de tracção), Villeurbanne (equipamentos eletrônicos) e Saint-Ouen (o design). O site Salzgitter, na Alemanha fornecerá os bogies localizados abaixo das cabines de motorista.

Até à data, mais de 2300 Citadis foram encomendados por 54 cidades em todo o mundo, a primeira das quais estão em funcionamento desde 2000. Fonte : Alstom

domingo, 16 de outubro de 2016

Metrô do Chile

Em 2015, o Metrô comemorou 40 anos de operação. Em quatro décadas, o metrô foi crescendo junto com Santiago e seus habitantes, e tornou-se parte de sua história. Hoje, tornou-se a espinha dorsal do transporte público da capital: em média, registrou mais de dois milhões de viagens por dia e as contas por mais de 60% dos embarques que ocorrem dentro da cidade.


Nome Comercial: METRO SA - PASSENGER TRANSPORT COMPANY METRO SA
Tipo de Empresa: SOCIEDADE ANÔNIMA
Endereço: AVDA. LIBERTADOR BERNARDO O'HIGGINS NO. 1414, SANTIAGO
RUT: 61219000-3
Registro de Valores Mobiliários Reg .: NO. 0421 DE 22 DE SETEMBRO DE 1992
Contas externas: KPMG LLP.
Documentos organizacionais

Lei nº 18.772, publicada no Diário Oficial datado de 28 de janeiro de 1989, as regras estabelecidas para transformar a Direcção-Geral da Metro no âmbito do Ministério das Obras Públicas, uma sociedade anónima. A Lei nº 18.772 foi alterado pelo artigo 55 da Lei nº 18.899 lei, publicada no Jornal Oficial de 30 de dezembro de 1989, e no artigo 3, letra a) da Lei nº 19.046 Law, publicado no Jornal Oficial da 20 de fevereiro de 1991.

Constituição da sociedade: escritura pública datada de 24 de janeiro de 1990, executado antes de notário de Santiago Sr. Raul Undurraga Laso.

Publicação do social no Diário Oficial de 25 de Janeiro de 1990. Retificação publicada no Diário Oficial datado de 26 de janeiro de 1990.

Registro: Em 25 de janeiro de 1990, o Empresa inscrita no Registo do Comércio de Bens Imóveis de Santiago, Fs.2681 No. 1.427. Fonte: Metrô Chile

PRINCIPAIS FORNECEDORES ano de 2015

1 ALSTOM CHILE SA $ 1595666078
2 THYSSENKRUPP ELEVADORES SA $ 1247308557
3 SUPRIMENTOS E SOLUÇÕES TÉCNICAS $ 893 974 251
4 FAIVELEY TRANSPORT CHILE LTDA. $ 840451957
5 MERSEN CHILE LTDA. $ 746 110 008
6 COMPAGNIE FRANÇAISE DE PROMOÇÃO INDUSTRIELLE (COFIE) $ 704574602
7 GEINSE ENGENHARIA SA $ 670947519
8 GRUPOS DIFERENCIAIS SA $ 629637162
9 CAF SA $ 605733725
10 ELEVADORES OTIS CHILE SA $ 358569988
11 HOERBIGER DE CHILE SA $ 296 955 058
12 PRECISÃO TÉCNICA E LTDA MECÂNICA. $ 235354130
13 SOC. COMER. E DIST. RUIZ Y CIA. LTDA. $ 233296843
14 VOSSLOH COGIFER $ 225 084 024


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Metrô de Madrid - Espanha

O Metrô de Madrid SA é uma empresa pública que está integrada no Regional Transport Consortium Madrid, uma organização criada em 1986 para reunir os esforços de instituições públicas e privadas relacionadas com o transporte público, a fim de coordenar os serviços, redes e tarifas, com o objetivo de oferecer ao usuário maior capacidade e melhor qualidade de transporte.

O Metrô de Madrid, com a tutelar administração da Comunidade de Madrid, que tem a principal função a operação das linhas da rede de metrô em operação, planejamento e melhoria da qualidade do serviço de transporte e instalações de manutenção da rede subterrânea. Fonte: Metrô de Madrid



segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro concorre ao ‘Oscar’ dos Túneis

Reportagem especial sobre a disputa da Linha 4 do Metrô do Rio como finalista do ITA Tunnelling Awards 2016, maior prêmio do setor de túneis do mundo, pelo inédito sistema de escavação utilizado na construção do empreendimento: o Tatuzão. O prêmio recebeu inscrições de 25 países e os vencedores serão anunciados em novembro, em Singapura. A obra é a única brasileira disputando o prêmio na categoria inovação.



Inédito sistema de escavação de túneis em solo arenoso e área densamente povoada é finalista do ITA Tunnelling Awards 2016.

A maior obra de mobilidade do Rio de Janeiro está concorrendo ao “Oscar” dos Túneis. O inédito sistema de escavação de túneis utilizado na Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro está entre os finalistas do ITA Tunnelling Awards 2016, maior prêmio do setor de túneis do mundo. O projeto brasileiro, inscrito por engenheiros da Construtora Norberto Odebrecht, está disputando na categoria de Inovação Técnica do Ano (Technical Innovation of the Year) junto com Singapura, Finlândia, Noruega e Grã-Bretanha. Este ano, o ITA Tunnelling Awards recebeu 98 inscrições de 25 países. Os 33 finalistas estão divididos em nove categorias. Os vencedores serão anunciados durante cerimônia em Singapura, no dia 11 de novembro.

Na sexta-feira (12/09), o projeto foi apresentado em um Congresso técnico em Buenos Aires, na Argentina.


Para construir 5,2 quilômetros de túnel da Linha 4 do Metrô no subsolo de Ipanema e Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro (um misto de areia e rocha), a engenharia brasileira precisou desenvolver novos métodos que permitissem a execução das obras com menor impacto à superfície e sem desapropriar imóveis. A principal inovação foi a criação de um sistema inédito de escavação em solo arenoso. A equipe de engenheiros desenvolveu um sistema adicional específico para condicionamento do solo e mostrou, com isso, que é possível utilizar um Tunnel Boring Machine EPB (Earth Pressure Balance) híbrido em solo de areia com eficiência e segurança, comparável ao estado da arte de uma tuneladora do tipo Slurry, normalmente utilizada em solos arenosos.

“Usamos pela primeira vez no mundo um EPB em solo arenoso em uma região densamente edificada e com grande circulação de pessoas e veículos. Antes, o equipamento só havia sido utilizado duas vezes nesse tipo de solo, mas em trechos curtos e em áreas pouco ou nada povoadas. Para realizar nosso trabalho, criamos um sistema interno para injetar diversos tipos de material para condicionamento do solo durante a escavação, como uma espuma com polímero customizado para o subsolo da Zona Sul do Rio. Isso ampliou a capacidade de operação da máquina EPB em areia, avançando pela primeira vez sua atuação na área da máquina Slurry”, explicou Julio Pierri, engenheiro da Construtora Norberto Odebrecht, coordenador da área de Engenharia do projeto da linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

No desenvolvimento dessa nova técnica de escavação, Julio Pierri trabalhou ao lado dos engenheiros Alexandre Mahfuz e Carlos Henrique Turolla, também da Construtora Norberto Odebrecht, com apoio da consultora MTC. “O desafio era imenso.

Tínhamos que construir o túnel debaixo do leito das ruas, sem passar por baixo de nenhum prédio e com o menor risco possível de recalque para os edifícios, que em alguns trechos estavam a apenas 12 metros do túnel. Não tínhamos como usar o Tatuzão Slurry, normalmente utilizado em solos arenosos, porque era muito arriscado pela possibilidade de provocar recalques severos e pela maior complexidade de operação. O EPB também não tinha um sistema de condicionamento de solo adequado às necessidades do projeto. Por isso, a saída foi desenvolver um modelo específico para aquela região”, complementa Mahfuz.

O EPB híbrido possibilitou trabalhar com controle da pressão na frente da máquina e minimizar a possibilidade de recalques na superfície e edificações do entorno, além de proporcionar uma considerável redução no volume de materiais usados no condicionamento do solo e no consumo de energia. A aplicação desta tecnologia permitiu ainda reduzir a área de apoio à operação do equipamento, principalmente em uma região densamente urbanizada da cidade e com um dos metros quadrados mais caros do país.

Com a utilização do ‘Tatuzão’ EPB híbrido foi possível cruzar uma geologia complexa com eficiência e segurança, diminuindo os riscos de instabilidade. O terreno dos túneis incluía uma longa extensão de areia de praia delimitada por dois trechos de rocha altamente abrasiva. A máquina tem 2,7 mil toneladas e 123 metros de comprimento por 11,5 metros de diâmetro, o equivalente a um prédio de quatro andares e é a maior já utilizada na América Latina. Foi fabricada sob medida pela alemã Herrenknecht.

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

Considerada o maior legado em mobilidade que a cidade do Rio de Janeiro ganhou com os Jogos Olímpicos, a Linha 4 do Metrô foi a maior obra de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina. Construída em seis anos, dentro da média mundial para sua alta complexidade técnica, a nova linha metroviária cumpriu as normas internacionais mais rigorosas para a construção e operação de metrôs no mundo. O projeto utilizou tecnologias de ponta nacional e internacional para atravessar bairros densamente povoados, com menor impacto à superfície e aos moradores do entorno.

O projeto representa a execução, de uma só vez, de toda a malha de metrô subterrâneo construída na cidade nos últimos 30 anos. Com a nova linha, cariocas e visitantes passam a ter uma alternativa de transporte rápido, moderno, eficiente e sustentável. A Linha 4 vai transportar 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 4 mil veículos por hora/pico no eixo Barra-Zona Sul.

O Prêmio

Considerado o ‘Oscar’ dos tuneleiros, a premiação é concedida pela International Tunnelling and Underground Space Association (ITA). Esta é a segunda edição do ITA Tunnelling Awards, que recebeu a inscrição de 98 trabalhos de 25 países em nove categorias. Ao todo, são 33 finalistas, sendo cinco na categoria da Linha 4 do Metrô. A obra é a única brasileira disputando o prêmio de inovação. Além dela, outro projeto brasileiro é finalista no ITA Tunnelling Awards 2016, mas na categoria Young Tunneller of the Year.

“A classificação de finalistas tem grande valor. Em todas as categorias, houve submissões de vários países do mundo, entre aqueles em que a indústria de construção de túneis é praticada com grande intensidade, rigor e qualidade. Considerando a pequena atividade de construção de túneis em nosso país, quando comparada a de outros países, a presença de dois finalistas brasileiros é uma inquestionável indicação da qualificação técnica dos autores, de suas empresas e do meio técnico de nosso país. Isto é também corroborado pela classificação de finalista no ano passado do Eng. Eloi Palma Filho, na categoria de Jovem Tuneleiro. O fato é motivo de regozijo do Comitê Brasileiro de Túneis”, comemora Tarcísio Barreto Celestino, presidente do Comitê Brasileiro de Túneis.

Fonte: Isadora Silva/DOM Comunicações/Metrô Linha 4/Fotos: Flickr




domingo, 9 de outubro de 2016

Bonde o Elétrico de Lisboa

Os bondes amarelos rangentes da empresa de transporte público Carris parecem pertencer a um museu. Eles são uma das melhores maneiras de passear pela cidade. O bonde 28 é famoso, levando os passageiros por uma viagem de 40 minutos ladeira acima (ou abaixo) por bairros antigos como Graça, Alfama e Baixa, passando por pontos históricos, incluindo a catedral e o castelo. Todos a bordo!

Lisboa é uma das capitais mais baratas da Europa Ocidental. Mas isso não se aplica necessariamente ao transporte: um passeio num ônibus turístico de dois andares custa cerca de 15 euros. O passe diário de 6 euros para o bonde é uma solução muito mais barata e lhe permite andar de bonde por toda a cidade por um dia inteiro. Nem é surpresa que a linha 28 seja tão popular entre os turistas. Embarque no bonde antigo amarelo e sente-se para uma rápida e sacudida viagem pelas ruas tortuosas de Lisboa. Fonte: KLM


Foto: Silvério Borges


domingo, 2 de outubro de 2016

Os VLT`s são uma realidade mundial

Em países onde bondes tinham sobrevivido aos encerramentos maciços dos anos 50 e 60, por exemplo, Alemanha, Suíça, Bélgica, muitos sistemas restantes foram modernizados e atualizados e pode agora ser chamado de "sistemas ferroviários ligeiros". Em muitos outros países, onde bondes tinham desaparecido das ruas. Os VLT`s são uma realidade mundial que deram certo, por suas características de transporte limpo confortável e seguro. Fonte: Divulgação



sábado, 24 de setembro de 2016

Stadler Rail constrói Locomotivas para MRS

Para suportar o traçado mais inclinado entre a cidade portuária de Santos e São Paulo, a concessionária ferroviária MRS Logística S.A. aplica a qualidade suíça no sudeste do Brasil. A Stadler Rail constrói para a empresa especializada em transporte de mercadorias as sete maiores locomotivas de cremalheira e pinhão do mundo, equipadas com cabos da HUBER+SUHNER.

Resultado de imagem para Empresa suíça vende maior locomotiva do mundo ao Brasil
Made in Switzerland: A maior locomotiva de cremalheira e pinhão do mundo.

Aproximadamente 65% de todo o volume de carga brasileiro são transportadas pela MRS. Trata-se, sobretudo, de minério de ferro do interior assim como produtos acabados em aço que são produzidos nos grandes complexos industriais no sudeste do país. A ligação para Santos, o maior porto da América do Sul, possui, por conseguinte, um grande significado. O percurso de dez quilômetros desde Raiz da Serra a Paranapiacaba é assim um grande desafio. Mais de 10% è inclinado e segue desde zero a 800 metros acima do nível do mar. As locomotivas normais não conseguem ultrapassar esta inclinação, tão pouco com as elevadas cargas de mercadorias que têm que ser transportadas. Por isso, são necessárias as locomotivas de cremalheira e pinhão. A MRS aplica a partir de 2013 sete novas locomotivas elétricas que são mais rápidas e podem transportar ainda cargas mais elevadas Com quase 19 metros de comprimento e 121 toneladas, trata-se das maiores locomotivas de cremalheira e pinhão do mundo. Fonte: Stadler Rail



quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Veja parte do automatismo e simulação de pilotagem de trens do metrô de São Paulo

Veja parte do automatismo e simulação de pilotagem no tráfego de trens do metrô de São Paulo, na linha 4 amarela mais precisamente, os trens são totalmente automatizados sendo monitorados a distância pelos controladores de tráfegos ou condutores de trens a distância conforme enfatizado na reportagem.


Os simuladores de treinamento leva aos funcionários a mais próxima realidade do dia a dia das composições em circulação e de como atuar em caso de pane e avaria. Em caso extremo de pane ou algum tipo de avaria, um piloto de metrô ou condutor de trem, pode pilotar o trem localmente com total segurança, continuando a viagem normalmente. O Metrô Rio também conta com simulador de pilotagem como treinamento. Fonte: Metrô de São Paulo/Olhar Digital

video

domingo, 18 de setembro de 2016

Estudo técnico de compartilhamento de tráfego de trens na mesma malha ferroviária - Canadá

Estudo técnico de tráfego de trens com sinalização embarcada, envolvendo trens de passageiros paradores, trens de passageiros intercidades de média velocidade e trens de super cargas. Cruzamento entre composições com compartilhamento da malha ferroviária. Estudo técnico realizado pelo Especialista Técnico Metroferroviário Silvério Borges Pires Neto. Visite as Revistas Eletrônicas Trem de Alta Velocidade http://www.tavtrilhos.com e Transportes Sobre Trilhos http://www.transtrilhos.com

Foto: Silvério Borges Pires Neto - Estação Central de Montreal

Com a tecnologia da sinalização embarcada nas composições que circulam no eixo entre Toronto e Montreal passando por Ottawa, pude verificar nos estudos técnicos que a principal empresa de sinalização embarcada em tráfego de trens utilizada é a Wabtec https://www.wabtec.com/ um fornecedor líder de produtos à base de tecnologia de valor agregado e serviços para o transporte ferroviário, transporte e outras indústrias globais, essa avançada ferramenta permite o tráfego de trens com segurança máxima entre as composições, o automatismo embarcado nos trens monitora velocidade, aproximação, sinalização e outras informações que possibilita em caso de desacordo entre velocidade sinalização que o sistema aplique frenagem de emergência impedindo uma situação insegura que possa levar a um avanço de sinal ou perímetro ocupado por outra composição, técnica utilizada em todo mundo.

Fonte/Foto/Vídeo: Silvério Borges Pires Neto. Estudo técnico realizado concomitantemente com a Universidade La Cité em Ottawa - Canadá 


sábado, 17 de setembro de 2016

Projetada pelo Arquiteto espanhol Santiago Calatrava

Projetada pelo Arquiteto espanhol Santiago Calatrava, a estação de Lyon na França, com 5.600 metros quadrados se assemelha a um pássaro no momento da fuga e é vista como uma porta de entrada simbólica para a região de Lyon. A armação em aço atinge quase 40 metros de altura e sua estrutura de concreto refere-se à metáfora de um enorme pássaro com asas espalhadas. Chegando de carro você entra no salão principal através de um "Portal", formado por um pilar de concreto em forma de V que se juntam as extremidades de quatro arcos em aço.


O par do centro de arcos segue a linha do telhado para formar uma espinha, as vigas curvas exteriores abrangem mais de duas asas simétricas envidraçadas. No triangular salão principal da coluna central é formada por três arcos apoiados em conjunto por vigas diagonais. Duas grandes varandas suspensas penetram no espaço. Fonte: SNCF

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Começa amanhã em São Paulo, a 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Começa amanhã em São Paulo, a 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô – AEAMESP. O evento que se estende até 16 de setembro, no Centro de Convenções Freia Caneca, em São Paulo (SP) contará com a participação da Associação EraTransmidia, que durante os quatro dias oferecerá aos presentes um passeio virtual por áreas do metrô acessadas por poucos. Fonte: CTPM/Metrô


Essa experiência única acontecerá graças à tecnologia de filmagem em 360º, realizada por câmeras especiais, que em um único take, captam a imagem de um ambiente em sua totalidade. O resultado é um filme que ao ser visualizado através de óculos panorâmicos, possibilita imersão e permite que o público interaja com o olhar, escolhendo seu próprio ponto de vista para acompanhar a história.

Realizada paralelamente ao Congresso, a METROFERR EXPO é uma exposição que reúne empresas fabricantes de equipamentos metroferroviários, fornecedores de peças e serviços, mídias especializadas, etc. que levam ao evento as inovações oferecidas ao mercado metroferroviários.

Sobre o 3º Prêmio Tecnologia & Desenvolvimento Metroferroviários – cerimônia de entrega do 3º Prêmio Tecnologia e Desenvolvimento Metroferroviários, será realizada no dia 13 de setembro, logo após a abertura da 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária das 14h às 15h30. Os 16 trabalhos técnicos serão agraciados com troféus e os três melhores receberão um prêmio de R$ 5 mil, cada um. O Prêmio Tecnologia & Desenvolvimento Metroferroviários é uma iniciativa da Associação Nacional dos Transportes de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos) e da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) com o apoio da AEAMESP.

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária e METROFERR EXPO 2016

Data: 13 a 16 de setembro de 2016

Horário dia 13: das 14 às 17h30

Horário dias 14 a 16: 9h00 às 17h40

Local: Centro de Convenções Frei Caneca

Endereço: Rua Frei Caneca, 596, 4º – São Paulo – SP

Após os painéis, os palestrantes atenderão a Imprensa na Sala VIP


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Eletrificação ferroviária é trilho para o futuro

Primeiro evento da série Vida Inteligente discute papel de ferrovias eletrificadas como indutor do crescimento econômico regional. Nos anos 1960, o filósofo canadense Marshall McLuhan criou a expressão “o meio é a mensagem”. Para ele, a forma como a mensagem chega às pessoas seria tão importante quanto o próprio conteúdo. 


Cinco décadas depois, a máxima de McLuhan pode ajudar a descrever o modelo de estradas de ferro eletrificadas: muito além de um caminho entre os pontos A e B, elas são indutoras do crescimento da economia ao transportar energia, infraestrutura e dados; e ao oferecer um entorno propício para o desenvolvimento de cidades e atividades empresariais.

— Ferrovias são eixos sociais, ambientais e econômicos — afirmou Ricardo Kenzo, executivo sênior de Desenvolvimento de Negócios da Siemens, durante o evento “A Contribuição da Eletrificação para um Novo Padrão de Desenvolvimento do Brasil”, que abriu a série de debates Vida Inteligente.

O encontro, mediado pelo economista Raul Velloso, realizado pelo jornal O GLOBO e correalizado pela Editora Globo, marca o início de um amplo debate sobre a necessidade de um novo padrão de desenvolvimento tecnológico e econômico no país. Historicamente, o Brasil deixou de ser um país costeiro a partir da implantação de sua malha ferroviária, no século 19, que chegou a contar com 37 mil quilômetros de trilhos e ferrovias espalhados por 14 das 20 províncias do Império.

— Foi a partir da dobradinha ferrovia-porto que o Brasil se inseriu no mercado internacional. Os eixos de desenvolvimento do país se deram em torno das ferrovias e isso é uma marca até hoje — disse Frederico Bussinger, consultor em planejamento e gestão ferroviária e ex-secretário-geral do Ministério dos Transportes. Para ele, falta ao país um modelo de planejamento e gerenciamento integrados para que as ferrovias eletrificadas voltem a crescer.

Geração de riqueza

Na opinião de Jean Carlos Pejo, secretário-geral da Associação Latino-Americana de Ferrovias (ALAF), os atuais projetos de novas estradas de ferro nas regiões Norte e Nordeste do país deveriam ir além da questão puramente logística.

— É importante criar condições para que as ferrovias tragam fábricas que gerem Riqueza ao longo de seu eixo, como no caso do beneficiamento da soja e milho, pois isso agrega valor para as regiões — disse.

Ferrovias de carga no Brasil atual transportam principalmente minério voltado à exportação, mas há vários projetos para atender demandas também do agronegócio. Como exemplo de desenvolvimento, Pejo citou o estado de São Paulo, que se aproveitou do espaço das ferrovias durante o ciclo do café, no início do século passado, e hoje é o mais industrializado do país.

— A malha ferroviária de São Paulo foi a mais eletrificada do Brasil — completou.

De acordo com Pejo, a eletrificação deve estar presente em novos projetos ferroviários. Para isso, é necessário expandir o enfoque das discussões sobre o tema.

— Não podemos ficar presos em modelos já adotados para transporte de minério. Nem toda produção é para exportação e é importante analisar as vantagens da eletrificação e torná-la parte do debate nacional.

Infraestrutura sustentável

A questão ambiental também foi destaque no debate. Frederico Bussinger ressaltou que “a adoção da eletrificação é importante não apenas para reduzir as emissões de CO2, que é parte de acordos

internacionais sobre o clima, mas também quanto a emissão de resíduos particulados, comuns nas regiões metropolitanas e que também fazem mal à saúde”.

— É uma forma de entregarmos mais qualidade de vida às pessoas — completou Ricardo Kenzo.
O executivo fez um balanço das diversas discussões no encerramento do evento. Ele afirmou ainda que a falta de planejamento pode prejudicar a eficiência do país e que é preciso estar atento aos benefícios e receitas acessórias em ferrovias eletrificadas, que geram sinergias.

— Por meio de sua implantação, a ferrovia eletrificada ou preparada para a eletrificação proporciona crescimento e desenvolvimento no entorno, podendo impulsionar, além da própria infraestrutura logística, outras utilidades, como redes de água e energia, por meio de transmissões elétricas ou gasodutos, e serviços de telecomunicações, provendo múltiplas utilidades para a indústria, com criação de empregos, e para as pessoas, com aumento de qualidade de vida e acesso à informação e educação — disse Kenzo.

Yuri Sanches, diretor de vendas de Sistemas de Mobilidade da Siemens, ressaltou que a discussão sobre a eletrificação contribui para a retomada do progresso:

— A infraestrutura é a chave da volta do crescimento, é o caminho por onde se dará o desenvolvimento. Fonte: Siemens/Aenfer/Globo

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Trem Classe Define - Kuala Lumpur

O novo trem elétrico Classe Define entrou em serviço no início de Setembro de 2015. Feito pela CSR Zhuzhou Electric Locomotive Company Ltd da China, esses trens foram produzidos para complementar a frota existente de 5 trens elétricos Define Classe ETS 'Hyundai Rotem'.

Estes trens podem ser vistos servindo a Kuala Lumpur, rota de Padang Besar, bem como a Ipoh - rota de Padang Besar com a conclusão do projeto eletrificado entre Ipoh e Padang Besar. Estes trens dispõem de instalações mais recentes e modernas de acordo com os pedidos dos países. Fonte: Hyndai Rotem



sábado, 3 de setembro de 2016

Veículos para manutenção de trilhos em clima severo

A boa manutenção dos trilhos é fundamental para o bom funcionamento de uma linha férrea. De fato, quando um trilho está obstruído os trens correm perigo, por isso, os materiais depositados devem ser removidos: os veículos ferroviários Tesmec foram projetados para enfrentar estes problemas.

A Tesmec projeta e produz veículos especiais ferroviários para fazer a manutenção dos trilhos de linhas férreas, bondes e metrôs, assim como veículos para a limpeza e remoção de obstruções e materiais - tais como neve, gelo e folhas - depositados no percurso dos trilhos.

Os veículos ferroviários de manutenção de trilhos da Tesmec são capazes de trabalhar também em baixas temperaturas e podem ser equipados com diversos itens opcionais para diferentes usos.

Fonte: Tesmec


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Aeromovel solução para trânsito rápido em Canoas - Tecnologia Brasileira

A primeira aplicação do Sistema Aeromovel voltado para o trânsito urbano é um projeto da cidade de Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre, no Sul do Brasil, servindo como um complemento importante combinado a outros modais de transporte. Enquanto o Aeromovel percorre um trajeto de norte a sul (e sentido inverso), ele se complementa com o trem metropolitano, que tem um percurso de leste a oeste (e sentido inverso). Com sua implementação, se tornará o principal meio de transporte da cidade. Contratado em 2015, o Sistema faz parte de um plano de reformulação do trânsito de Canoas.


Com a implantação da tecnologia, haverá uma redução considerável no tempo de viagem entre os bairros Guajuviras e Centro, levando apenas nove minutos. Atualmente, este mesmo percurso, de ônibus, demora até 40 minutos nos horários de pico.

TRAJETO DAS LINHAS

O Aeromovel em Canoas prevê um trajeto que, ao todo, terá 18 quilômetros de linhas, passando por 26 estações. A capacidade prevista é para até 12 mil passageiros por hora no pico e 82 mil por dia.

O projeto prevê a construção de duas grandes linhas: a Linha Leste-Oeste terá 12 quilômetros de extensão e 17 estações. A Linha Norte-Centro, por sua vez, prevê conectar a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) ao centro da cidade, com nove estações e seis quilômetros de extensão.

O primeiro trajeto, em obras, terá 4,6 quilômetros e contemplará sete estações, desde a Brigada Militar, na Avenida 17 de Abril, Bairro Guajuviras, até a estação de trem Mathias Velho. Fonte: Aeromóvel Projeto Canoas



TABELA ESPECÍFICA DA
LINHA 1 (EM OBRAS)

Extensão da Linha: 4,6 km
Raio mínimo: 40 m
Rampa máxima: 3,0%
Veículos/Capacidade: 6 veículos/300 pessoas cada
Velocidade máxima: 65 km/h
Propulsão: 6 propulsores
de 500 kW cada
Configuração da via: Pista dupla
Número de estações: 7


MOVIDO A AR



1 - Ventiladores estacionários

2 - Placa de propulsão

A tecnologia é baseada na propulsão pneumática – o ar é pressurizado por ventiladores estacionários de alta eficiência energética, por intermédio de um duto localizado dentro da via elevada. O ar empurra ou puxa uma placa de propulsão fixada ao veículo, que se movimenta por truque (plataforma sobre rodas de aço) em trilhos.


_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...