segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro concorre ao ‘Oscar’ dos Túneis

Reportagem especial sobre a disputa da Linha 4 do Metrô do Rio como finalista do ITA Tunnelling Awards 2016, maior prêmio do setor de túneis do mundo, pelo inédito sistema de escavação utilizado na construção do empreendimento: o Tatuzão. O prêmio recebeu inscrições de 25 países e os vencedores serão anunciados em novembro, em Singapura. A obra é a única brasileira disputando o prêmio na categoria inovação.



Inédito sistema de escavação de túneis em solo arenoso e área densamente povoada é finalista do ITA Tunnelling Awards 2016.

A maior obra de mobilidade do Rio de Janeiro está concorrendo ao “Oscar” dos Túneis. O inédito sistema de escavação de túneis utilizado na Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro está entre os finalistas do ITA Tunnelling Awards 2016, maior prêmio do setor de túneis do mundo. O projeto brasileiro, inscrito por engenheiros da Construtora Norberto Odebrecht, está disputando na categoria de Inovação Técnica do Ano (Technical Innovation of the Year) junto com Singapura, Finlândia, Noruega e Grã-Bretanha. Este ano, o ITA Tunnelling Awards recebeu 98 inscrições de 25 países. Os 33 finalistas estão divididos em nove categorias. Os vencedores serão anunciados durante cerimônia em Singapura, no dia 11 de novembro.

Na sexta-feira (12/09), o projeto foi apresentado em um Congresso técnico em Buenos Aires, na Argentina.


Para construir 5,2 quilômetros de túnel da Linha 4 do Metrô no subsolo de Ipanema e Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro (um misto de areia e rocha), a engenharia brasileira precisou desenvolver novos métodos que permitissem a execução das obras com menor impacto à superfície e sem desapropriar imóveis. A principal inovação foi a criação de um sistema inédito de escavação em solo arenoso. A equipe de engenheiros desenvolveu um sistema adicional específico para condicionamento do solo e mostrou, com isso, que é possível utilizar um Tunnel Boring Machine EPB (Earth Pressure Balance) híbrido em solo de areia com eficiência e segurança, comparável ao estado da arte de uma tuneladora do tipo Slurry, normalmente utilizada em solos arenosos.

“Usamos pela primeira vez no mundo um EPB em solo arenoso em uma região densamente edificada e com grande circulação de pessoas e veículos. Antes, o equipamento só havia sido utilizado duas vezes nesse tipo de solo, mas em trechos curtos e em áreas pouco ou nada povoadas. Para realizar nosso trabalho, criamos um sistema interno para injetar diversos tipos de material para condicionamento do solo durante a escavação, como uma espuma com polímero customizado para o subsolo da Zona Sul do Rio. Isso ampliou a capacidade de operação da máquina EPB em areia, avançando pela primeira vez sua atuação na área da máquina Slurry”, explicou Julio Pierri, engenheiro da Construtora Norberto Odebrecht, coordenador da área de Engenharia do projeto da linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

No desenvolvimento dessa nova técnica de escavação, Julio Pierri trabalhou ao lado dos engenheiros Alexandre Mahfuz e Carlos Henrique Turolla, também da Construtora Norberto Odebrecht, com apoio da consultora MTC. “O desafio era imenso.

Tínhamos que construir o túnel debaixo do leito das ruas, sem passar por baixo de nenhum prédio e com o menor risco possível de recalque para os edifícios, que em alguns trechos estavam a apenas 12 metros do túnel. Não tínhamos como usar o Tatuzão Slurry, normalmente utilizado em solos arenosos, porque era muito arriscado pela possibilidade de provocar recalques severos e pela maior complexidade de operação. O EPB também não tinha um sistema de condicionamento de solo adequado às necessidades do projeto. Por isso, a saída foi desenvolver um modelo específico para aquela região”, complementa Mahfuz.

O EPB híbrido possibilitou trabalhar com controle da pressão na frente da máquina e minimizar a possibilidade de recalques na superfície e edificações do entorno, além de proporcionar uma considerável redução no volume de materiais usados no condicionamento do solo e no consumo de energia. A aplicação desta tecnologia permitiu ainda reduzir a área de apoio à operação do equipamento, principalmente em uma região densamente urbanizada da cidade e com um dos metros quadrados mais caros do país.

Com a utilização do ‘Tatuzão’ EPB híbrido foi possível cruzar uma geologia complexa com eficiência e segurança, diminuindo os riscos de instabilidade. O terreno dos túneis incluía uma longa extensão de areia de praia delimitada por dois trechos de rocha altamente abrasiva. A máquina tem 2,7 mil toneladas e 123 metros de comprimento por 11,5 metros de diâmetro, o equivalente a um prédio de quatro andares e é a maior já utilizada na América Latina. Foi fabricada sob medida pela alemã Herrenknecht.

Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro

Considerada o maior legado em mobilidade que a cidade do Rio de Janeiro ganhou com os Jogos Olímpicos, a Linha 4 do Metrô foi a maior obra de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina. Construída em seis anos, dentro da média mundial para sua alta complexidade técnica, a nova linha metroviária cumpriu as normas internacionais mais rigorosas para a construção e operação de metrôs no mundo. O projeto utilizou tecnologias de ponta nacional e internacional para atravessar bairros densamente povoados, com menor impacto à superfície e aos moradores do entorno.

O projeto representa a execução, de uma só vez, de toda a malha de metrô subterrâneo construída na cidade nos últimos 30 anos. Com a nova linha, cariocas e visitantes passam a ter uma alternativa de transporte rápido, moderno, eficiente e sustentável. A Linha 4 vai transportar 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 4 mil veículos por hora/pico no eixo Barra-Zona Sul.

O Prêmio

Considerado o ‘Oscar’ dos tuneleiros, a premiação é concedida pela International Tunnelling and Underground Space Association (ITA). Esta é a segunda edição do ITA Tunnelling Awards, que recebeu a inscrição de 98 trabalhos de 25 países em nove categorias. Ao todo, são 33 finalistas, sendo cinco na categoria da Linha 4 do Metrô. A obra é a única brasileira disputando o prêmio de inovação. Além dela, outro projeto brasileiro é finalista no ITA Tunnelling Awards 2016, mas na categoria Young Tunneller of the Year.

“A classificação de finalistas tem grande valor. Em todas as categorias, houve submissões de vários países do mundo, entre aqueles em que a indústria de construção de túneis é praticada com grande intensidade, rigor e qualidade. Considerando a pequena atividade de construção de túneis em nosso país, quando comparada a de outros países, a presença de dois finalistas brasileiros é uma inquestionável indicação da qualificação técnica dos autores, de suas empresas e do meio técnico de nosso país. Isto é também corroborado pela classificação de finalista no ano passado do Eng. Eloi Palma Filho, na categoria de Jovem Tuneleiro. O fato é motivo de regozijo do Comitê Brasileiro de Túneis”, comemora Tarcísio Barreto Celestino, presidente do Comitê Brasileiro de Túneis.

Fonte: Isadora Silva/DOM Comunicações/Metrô Linha 4/Fotos: Flickr




_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...