sábado, 26 de novembro de 2016

Estação Roma-Areeiro - Lisboa

Situada entre a Avenida de Roma e a Avenida Almirante Reis, a estação Roma-Areeiro disponibiliza um variadíssimo leque de destinos. Além de poder optar por se deslocar para duas zonas bem distintas e nobres da cidade de lisboa, pode também escolher por viajar até Sintra ou até mesmo atravessar o rio e ir até à margem Sul viajando com a Fertagus.


Esta estação apesar de não ter ligação direta ao Metro de Lisboa tem acessos muito próximos à estação de Metro de Roma e do Areeiro da linha verde. Inaugurada em 2003, com a abertura da estação de Roma-Areeiro a Fertagus pode assim, expandir seu serviço, estando cada vez mais perto dos seus clientes. Esta é uma estação explorada pela REFER, onde poderá encontrar uma área comercial e poderá ver algumas obras do escultor Fernando Conduta no interior e exterior da estação. Fonte: Fertagus Foto: Silvério Borges

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Trem de Manutenção Track Lifter

Estas máquinas são projetadas para ser mais produtiva e rentável em comparação com os serviços tradicionais. O TL pode levantar rastrear até 12 polegadas, a criação de uma nova camada de sublastro e estabelecer um lastro mais permeável e uma estrutura de via mais forte.

O Lifter é ideal para substituições parciais de lastro, programas de reabilitação de lastro e programas de substituição de lastro. O Lifter opera em velocidades mais altas do que as tradicionais e reduz os requisitos de compactadores. Fonte: Divulgação/Lifter


sábado, 12 de novembro de 2016

Gare do Oriente - Lisboa

Situada na zona leste de Lisboa, a Estação do Oriente foi projetada como gare intermodal de apoio à Expo 98 mas, também com o objetivo de se tornar a principal interface de transportes da cidade, integrando metrô, trem, terminal rodoviário e parqueamento. Para os passageiros de avião, existe a possibilidade de efetuar previamente o check-in.

O seu autor é o conceituado arquiteto e engenheiro espanhol Santiago Calatrava, bem conhecido pelo seu estilo único que combina materiais como o betão, o vidro e o aço, mantendo visíveis estruturas que outros arquitetos escondem. 

Na Gare do Oriente, Calatrava criou uma estrutura de grandes dimensões com um aspeto elegante e leve, que a alguns faz lembrar um bosque de árvores metálicas e a outros as colunas e os arcos de uma catedral gótica. Foto: Silvério Borges Fonte: Visit Portugal

sábado, 5 de novembro de 2016

VLT Alstom de Dubai

O diretor geral da Autoridade de Estradas e Transportes de Dubai (RTA, na sigla em ingês), Mattar Al Tayer, disse que um estudo mostrou que a densidade populacional na região onde o VLT foi implementado será, em alguns anos, bem maior que a média na cidade. Para evitar congestionamentos no futuro, foi preciso, segundo ele, construir uma rede de transportes integrada, o VLT de Dubai tem conexões com o metrô e o monotrilho.


Durante o primeiro ano de operação, o chamado Dubai Tram alcançou índices extremamente elevados de desempenho. O indicador de pontualidade dos trens chegou a 96,4%. Já a satisfação dos passageiros ficou em 98%. O Dubai Tram foi implementado para melhorar a mobilidade dentro da cidade, cobrindo áreas turísticas e de grande importância econômica.

Também contribuiu para a formação de um sistema de transporte de massa integrado e para a redução das emissões de carbono, proporcionando mais qualidade de vida”, escreveu Al Tayer. A segurança também tem sido prioridade em Dubai. Ainda na fase de testes e um mês após a inauguração, houve acidentes, com carros se chocando contra os trens. Alguns cruzamentos chegaram a ser fechados. Um regulamento estabeleceu ainda multas específicas para quem cometer infrações ou acidentes. O motorista que avançar o sinal e provocar acidentes com feridos, por exemplo, poderá ser cobrada uma multa de R$ 4.800 a R$ 14.400, além da perda de carteira de no mínimo 30 dias e, no máximo, seis meses. Jogar lixo nos trilhos rende uma multa de R$ 480. Já quem cruzar os trilhos em áreas proibidas, terá que desembolsar R$ 960. De acordo com Al Tayer, cerca de 230 policiais fazem o policiamento pelo VLT e 800 câmeras dentro e fora dos trens ajudam no monitoramento. Fonte: Globo.com



sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Tubular Track - Via Permanente construída sem britas (lastro) e sem dormentes

Nós fabricamos linha férrea, mas com uma diferença, com pré-fabricação do sistema de trilho é composta de dupla vigas de concreto armado, ligadas com as barras de calibre de aço, em que os trilhos são continuamente suportados. 

A linha modular tubular pode ser utilizado em todas as aplicações ferroviárias de superfície incluindo, linhas principais, estações de triagem, sistemas ferroviários ligeiros urbanos, passagens de nível, túneis, trilhas em plataformas de passageiros, instalações de carga a granel, ferrovias portuárias, ramais entre outros.


A Pista Tubular já foi instalada em centenas de quilômetros em minas de minerais, e foi instalada para altas cargas de carvão e carga em geral . O sistema também forneceu uma solução bem vinda para plataformas de passageiros Metrorail, onde foram alcançados patamares altamente confiáveis e com quase custo zero em manutenção. Tubular Track é a via permanente que faz sentido econômico. Fonte: Tubular Track


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Alstom apresenta trem movido a hidrogênio que deve começar a operar em 2017

A Alstom apresentou nessa semana o Coralia iLint, um trem de passageiros movido a células de hidrogênio. Com esse combustível, o trem consegue se locomover sem emitir gás carbônico e com baixos níveis de ruído, o que o torna ideal para o uso em áreas metropolitanas e entre cidades.



De acordo com a empresa, o trem será capaz de viagar de 600 a 800 quilômetros por tanque a uma velocidade de 140 quilômetros por hora, usando apenas hidrogênio como combustível. O seu processo de queima de energia gera apenas água líquida e vapor, o que faz dele uma tecnologia extremamete limpa. O vídeo abaixo, em inglês, fala mais sobre o trem.

O trem utiliza como combustível gás hidrogênio (H2), que fica armazenado em reservatórios no seu teto. Quando esse hidrogêio se combina com o gás oxigênio (O2) presente no ar, ocorre uma reação exotérmica (que libera energia) e que gera água líquida, que também é armazenada no teto do trem.


Células de hidrogênio não são a única fonte de energia, porém: o trem também possui baterias de íon-lítio que conseguem armazenar energia. A energia das células é usada durante a aceleração, e as baterias são carregadas com a energia que sobra das células e quando o trem freia. As baterias usam sua energia em momentos de aceleração mais leve, o que ajuda a economizar combustível.

Inicialmente, o trem tem capacidade para levar 300 passageiros, e possui 150 assentos. A expectativa da empresa é implementar o trem em uma linha na Alemanha e tê-lo funcionando até dezembro de 2017. A Alemanha possui mais de 4000 trens movidos a diesel, e a Alstom pretende substituir boa parte dessa frota. Além dos trens, a empresa também providenciará a infraestrutura de abastecimento e manutenção dos veículos.

Segundo o site Tracks, o primeiro trem movido a hidrogênio entrou em funcionamento na China em 2015. Apesar da tecnologia já estar disponivel, o Engadget estima que o custo de implementação desses trens pode ser um pouco maior que o esperado, já que eles exigem também a atualização das garagens e estações de abastecimento para poder trabalhar com gás hidrogênio. Fonte: Olhar Digital/Gustuvo Sumares



_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...