sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Realidade Virtual Sobre Trilhos - Canadá

As tecnologias digitais estão revolucionando muitas indústrias. A Bombardier também está aproveitando a realidade virtual para lançar seus veículos no mercado mais rapidamente e acelerar o desenvolvimento de produtos. Não importa se é uma planta industrial, um avião ou um trem, quando todos os componentes trabalham juntos alinhados que o sistema inteiro pode funcionar corretamente. Quanto mais cedo forem detectados erros, melhor - um fato que também se aplica a protótipos. Hoje, a produção de modelos de antecipação caros, podem ser particularmente melhorada usando testes virtuais. "Desta forma, as etapas de desenvolvimento e instalação podem ser aceleradas, otimizadas ou eliminadas completamente", explica Helmut Dietz, chefe de fabricação digital da Bombardier Transportation. Fonte: Bombardier Canadá



sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

A Alstom vai adquirir a Nomad Digital, líder mundial de soluções de conectividade para a indústria ferroviária

A Alstom assinou um acordo de compra para a aquisição da Nomad Holdings, comercialmente conhecida como Nomad Digital da Amadeus Capital Partners, SEB Venture Capital e Deutsche Telekom Strategic Investments junto com outros investidores. Nomad Digital emprega cerca de 230 pessoas, e está sediada em Newcastle, com 13 escritórios em todo o mundo, principalmente no Reino Unido, Holanda, Alemanha, Portugal, Canadá, Austrália e Estados Unidos. O seu volume de negócios é superior a 30 milhões de libras esterlinas.


A Nomad Digital, fundada em 2002 no Reino Unido, é líder mundial em soluções de conectividade de passageiros e frotas para a indústria ferroviária. As soluções da Nomad Digital incluem WiFi de passageiros, Sistemas de Informação de Passageiros inovadores e portais de passageiros a bordo, entretenimento e plataformas de mídia. Além disso, Nomad Digital também fornece soluções de manutenção de tele, incluindo Monitoramento de Condição Online Remoto, Manutenção Centrada em Confiabilidade, Assistência a Driver e produtos de Trem de Força. As soluções e equipes da Nomad Digital aproveitam totalmente a integração e convergência de ambas as tecnologias ferroviárias e de informação e comunicações (TIC) e competências.

Este mercado das TIC para o setor ferroviário prevê um crescimento de dois dígitos nos próximos anos, graças à elevada integração digital dos comboios que são exigidos pelos operadores e passageiros. A evolução contínua da tecnologia e da demanda de passageiros oferece a oportunidade de um negócio recorrente para upgrades, operação e serviços de manutenção contínua, bem como novos serviços puxados por conectividade, um domínio-chave da digitalização de transporte em andamento. A Nomad Digital já estabeleceu fortes relações com as empresas operadoras de trem, que hoje representam a parte mais significativa de seus negócios. Nomad Digital evoluiu rapidamente de um pioneiro para um líder em seu segmento, e serve hoje mais de 80 companhias de exploração ferroviária principais em mais de 40 países em todo o mundo. 

" Esta aquisição ilustra nossa estratégia de oferecer soluções sob medida que mais e mais para os nossos clientes. Estamos muito confiantes no sucesso desta nova actividade, dado que a Nomad Digital permite que os operadores melhorem significativamente a experiência dos passageiros. Estas novas habilidades e tecnologias nos permitirá acelerar a digitalização da nossa oferta ", declara Pascal Cléré, Vice-Presidente Sênior de Digital Mobility na Alstom. 

A Alstom já trabalhou com o Nomad Digital, por exemplo, para a instalação de WiFi nos seus comboios Coradia Continental na Alemanha e os novos comboios Pendolino para a SBB na Suíça. A Alstom permitirá que a Nomad Digital se beneficie da sua presença global, mantendo o seu actual ritmo de crescimento e cultura digital.

O fechamento da transação deve ocorrer no início de janeiro de 2017. A partir de então, a Alstom começará a integrar a Nomad Holdings em seu próprio grupo, assegurando ao mesmo tempo que a empresa atue como subsidiária integral, mantendo sua marca bem conhecida e identidade independente. Fonte: Alstom



domingo, 18 de dezembro de 2016

Primeira viagem do VLT Carioca no trecho entre Saara e Praça XV aconteceu hoje de manhã

A Prefeitura do Rio fez neste domingo, 18 de dezembro, viagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Etapa 2, entre as paradas Saara e Praça XV. O VLT em breve deixará o usuário próximo às barcas, além das conexões atuais com ônibus, metrô, aeroporto e terminal de cruzeiros. O procedimento adotado na primeira etapa será replicado em operação coordenada pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e pela Concessionária do VLT Carioca. O objetivo é garantir que a população aprenda a conviver de forma segura com os bondes no novo trecho antes da implantação do serviço com passageiros planejada para janeiro.


O cronograma prevê operação assistida em período noturno na semana anterior ao Natal. O VLT fará viagens no trecho durante o dia na última semana do ano. Por conta da tradicional e intensa movimentação no comércio da região desta época, a circulação diurna com passageiros só terá início em 2017. A operação comercial está prevista para a segunda quinzena de janeiro. No percurso, o passagei ro também terá acesso à parada Praça Tiradentes e à parada Colombo, na altura da Avenida Rio Branco, que faz a conexão com o eixo Rodoviária-Santos Dumont, na parada Sete de Setembro.

O percurso da Etapa 2 abriga um polo cultural, comercial e gastronômico que resgata a história do Rio. Parte dos 500 achados arqueológicos das obras foram encontrados neste trajeto, o calçamento pé-de-moleque da Rua da Constituição, datado do século XVIII, teve trecho de 15m², com 343 pedras, preservado entre os trilhos do bonde na altura do número 13 da mesma rua.

Primeiro trecho em operação há seis meses

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) completou seis meses de operação no trecho Rodoviária-Santos Dumont com 25.365 viagens e mais de 4 milhões de passageiros, sem registro de incidentes com público desde a inauguração em 5 de junho. A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e da Concessionária do VLT Carioca, implantou o serviço de forma gradual, iniciando com três horas, oito paradas e intervalos de 30 minutos até chegar ao cenário atual com funcionamento diário das 6h à meia-noite e 17 paradas.

Os intervalos variam entre 8 e 20 minutos entre Rodoviária/Santos Dumont e Parada dos Navios/Santos Dumont. O serviço começou de forma gratuita e, a partir do dia 26 de julho, teve início a operação comercial. Hoje, o usuário tem o direito de permanecer uma hora no sistema a partir da primeira validação, desde que viaje sempre no mesmo sentido. A Guarda Municipal e a concessionária iniciaram fiscalização da validação dos bilhetes dentro das composições em 5 de setembro. O tempo de percurso também evoluiu. Atualmente, a viagem completa do trajeto é feita, em média, em 32 minutos, considerando os dois sentidos. É uma redução de 30% em relação a julho, quando o serviço começou a ser realizado em todo percurso. Para atender a demanda, o serviço que começou com dois trens hoje conta com nove composições em circulação diária. Ao todo, são 17 VLTs que se revezam nessa operação dos 23 que já se encontram no Rio - os seis demais estão em testes. Fonte: VLT Carioca/Porto Maravilha

Estrada de Ferro Carajás Transporta a Maior Extração de Minério do Mundo - Brasil

Ela tem 892 quilômetros de extensão, ligando a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo, em Carajás, no sudeste do Pará, ao Porto de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). Por seus trilhos, são transportados 120 milhões de toneladas de carga e 350 mil passageiros por ano. Circulam cerca de 35 composições simultaneamente, entre os quais um dos maiores trens de carga em operação regular do mundo, com 330 vagões e 3,3 quilômetros de extensão.


Inaugurada em 1985, a Estrada de Ferro Carajás não é só grande: ela também lidera o ranking das ferrovias mais eficientes do Brasil graças ao nosso constante investimento em tecnologia.

Os trilhos dos primeiros 15 km da Estrada de Ferro Carajás foram instalados em agosto de 1982. A ferrovia teve seus estudos de viabilidade, juntamente com os projetos de engenharia, iniciados quase uma década antes, em 1974. Mas a inauguração oficial só ocorreria 11 anos depois, no dia 28 de fevereiro de 1985.

Em março de 1986, chegaram os primeiros passageiros. No ano seguinte, foi a vez da soja. Os trens da ferrovia passaram a fazer o transporte de grãos e, no mesmo ano, os produtos derivados de petróleo entraram para a lista de materiais transportados pelas composições.
Hoje, os trens carregam granéis sólidos (soja e outros grãos), líquidos (combustíveis e fertilizantes, entre outros), além do minério de ferro.

A EFC está ainda interligada com outras duas ferrovias: a Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN) e a Ferrovia Norte-Sul. A primeira atravessa, principalmente, sete estados da região Nordeste e a segunda corta os estados de Goiás, Tocantins e Maranhão, facilitando a exportação de grãos produzidos no norte do estado do Tocantins pelo Porto de Ponta da Madeira, no Maranhão. Fonte: Vale


sábado, 17 de dezembro de 2016

A concessionária ViaQuatro do Metrô de São Paulo atingiu a marca de 1 bilhão de passageiros transportados

A concessionária ViaQuatro atingiu a marca de 1 bilhão de passageiros transportados. Na manhã desta sexta-feira, dia 15, uma passageira da Linha 4-Amarela foi surpreendida com uma homenagem. “Foi a forma que encontramos de agradecer a todos os passageiros”, afirmou o presidente da ViaQuatro, Harald Zwetkoff.


Pouco depois das 10h30, um telão instalado na área dos bloqueios da Estação Paulista contava o embarque dos passageiros nas sete estações da Linha 4-Amarela. 999.999.999... 1.000.000.000!

Nesse instante, a usuária Cristina Jesus da Silva, 35 anos, estava passando pelo bloqueio quando foi cumprimentada pelo presidente da ViaQuatro e recebeu a placa comemorativa como “passageira 1 bilhão”. A escolha da passageira de número 1 bilhão foi aleatória e simbólica.

Cristina é a cara de São Paulo. Nascida na Bahia, em uma família de 8 irmãos, já morou no Rio, de onde herdou o sotaque, mas fez sua vida nessa metrópole que a todos acolhe. Batalhadora, ela trabalha com serviços gerais em dois escritórios situados no eixo Paulista-Berrini. Como mora no Jardim Ester, região da Estação Butantã, usa a Linha 4-Amarela tanto para chegar no trabalho como para se deslocar entre as unidades da empresa durante o expediente.


“A Linha 4-Amarela me ajuda demais. É rápida e confortável, sem falar no ar-condicionado que eu gosto muito em dias quentes”, conta. Ao fim da jornada diária, embarca novamente para voltar para casa e iniciar o “segundo round” dedicando-se aos filhos Antony e Catarina, de 5 e 3 anos. “Sou pai e mãe, mas consigo dar conta de tudo”, orgulha-se. Fonte: ViaQuatro Foto Trem: CTPM


quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

China oferece US $ 40 bilhões para a Rota Bioceânica

O corredor Ferroviário Bioceânico Central, que liga os portos de Santos, no Brasil ao Peru O embaixador chinês na Bolívia, Wu Yuanshan, informou que seu país vai fornecer empréstimos de até 40 bilhões de dólares para o Corredor Ferroviário Bioceânico Central, que liga os portos de Santos, no Brasil ao Peru pela Bolívia. 


O embaixador chinês disse que uma empresa está muito interessada em apoiar o trem bioceânico e espera que as novas reuniões bilaterais possa avançar e finalizar a iniciativa da infra-estrutura ferroviária. De acordo com Yuanshan, a China tem potencial econômico e tecnológico para colaborar com a Bolívia , que será um projeto-chave, uma obra do século, vai beneficiar mais países nesta região. Em finanças, o diplomata disse que o valor depende do nível da ferrovia, modernização e qualidade, então irá avaliar o lote. 

Durante a II Binacional Cabinet entre Bolívia e Peru, realizada em Sucre no início deste mês, Morales e o peruano Pedro Pablo Kuczynski assinaram um memorando de entendimento para estabelecer prazos e tarefas para concretizar a construção do trem transoceânico. Em março do próximo ano, ele espera que o governo boliviano e alemão assinem um memorando de entendimento para fortalecer a implementação da iniciativa. Neste corredor o Uruguai, Paraguai e Argentina também irá juntar-se através da hidrovia Paraguai-Paraná, que também se conecta ao Atlântico. De acordo com o perfil do projeto elaborado pelo Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e Planejamento (Cosiplan), estudos para este projeto já começou, com financiamento do American Development Bank. A área de influência do projeto em todo o continente e as portas que ligam sobre os outros do Pacífico, no Atlântico. 


A área definida inclui os departamentos de Arequipa, Moquegua, Puno e Tacna, no Peru, Regiões XV, I (Parinacota e Tarapacá e Arica, respectivamente) e a província Loa de Antofagasta. Região do Chile; os departamentos de Beni , La Paz , Oruro, Potosí , Tarija , Cochabamba , Chuquisaca e Santa Cruz da Bolívia , a República do Paraguai e mais os estados brasileiros de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Fonte: Agências/24Horas News


quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Medição e Sonda a Alta Tecnologia na Manutenção Ferroviária

Medição e sonda dos trilhos, uma frota de veículos de testes de via permanente da Holland, foi concebido para satisfazer os requisitos de geometria da linha, medição e perfil do trilho da classe 1, e as propriedades de tráfego de trens na América do Norte. Nossa geometria de via está em conformidade com FRA Classe 5, Transport Canadá, os requisitos específicos do cliente para fornecer a avaliação mais precisa das condições da linha. a medição de perfil ferroviário simultâneo proporciona condições de leitura dos desgastes, enquanto os dados gerados pelos nossos veículos, testam a divisão da carga nos trilhos e possíveis fragilidades. Fonte: Holland



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

VLT do Rio de Janeiro um Show de Tecnologia - Alstom

O Rio sobre trilhos, até 2017, os usuários deverão passar de 2 milhões nos dias úteis com a entrada em operação do VLT Carioca (300 mil) e da Linha 4 do Metrô — outros 300 mil usuários entre a Barra da Tijuca e a Zona Sul.


— Mesmo com o que foi gasto, no futuro outros investimentos terão que ser negociados com o estado. Hoje, temos limitações para aumentar a oferta de lugares. Parte dos dormentes ainda é de madeira. As vias também precisariam ser segregadas para permitir uma velocidade comercial maior. Hoje, em vários pontos, os trens têm que circular em velocidade mais baixa ao atravessar passagens de nível, muitas delas clandestinas — diz Gustavo Guerra, presidente da Odebrecht Mobilidade, controladora da SuperVia.

Por sua vez, no metrô, obras permitiram a conexão das linhas 1 e 2, abrindo caminho para uso mais racional da frota. Além disso, duas novas estações foram inauguradas (Cidade Nova e Uruguai). Até mesmo o caótico trânsito do Rio, que nos últimos anos piorou com a realização de várias obras simultâneas, favoreceu o transporte de massa. De 2013 para 2014, o número de usuários diários desse serviço saltou de 690 mil para 815 mil (18,11% a mais). Fonte: ANP Trilhos/VLT Carioca



sábado, 10 de dezembro de 2016

Linha 4 do Metrô do Rio ganha o "Oscar" dos túneis

A inovação tecnológica realizada pelos engenheiros da obra da linha 4 do metrô carioca venceu nesta semana o ITA Tunnelling Awards 2016, o maior prêmio da área túneis do mundo. Os vencedores são engenheiros da Odebrecht, líder do Consórcio responsável pela obra. O anúncio ocorreu em Singapura. A obra foi a única brasileira que disputou o prêmio em 2016. Foram apresentados dezenas de projetos e, na final, ficaram propostas de cinco países. 
 
 
 
O Prêmio é o reconhecimento mundial do trabalho dos engenheiros Júlio Pierri, Alexandre Mahfuz, Carlos Henrique Turolla, além dos consultores Marc Comulada e Ulrich Maidl, que fizeram várias pesquisas no laboratório da obra para adaptar o tatuzão híbrido para escavação em rocha e areia. E isso numa área densamente povoada como é a Zona Sul do Rio. O Prêmio mostra que a qualidade da engenharia brasileira alcança reconhecimento mundial.

O ITA Awards premiou a inovação tecnologia da obra com o inédito sistema de escavação utilizado. Para construir 5,2 quilômetros de túnel da Linha 4 do Metrô no subsolo de Ipanema e Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, a engenharia brasileira precisou desenvolver novos métodos que permitissem a execução das obras com menor impacto possível na superfície e sem desapropriar imóveis. Uma das inovações foi a utilização do Tatuzão híbrido, um sistema inédito que permite a escavação em solo arenoso e em áreas densamente povoadas.

Com a utilização do Tatuzão híbrido (Tunnel Boring Machine EPB - Earth Pressure Balanced) foi possível cruzar uma geologia complexa com eficiência e segurança. O terreno dos túneis incluía uma longa extensão de areia de praia cercada por dois trechos de rocha altamente abrasiva. A máquina foi fabricada sob medida para o solo carioca pela alemã Herrenknecht. Ela contou com um diferencial inédito que foi o sistema adicional específico para preparação do solo, como conta Julio Pierri, engenheiro da Construtora Norberto Odebrecht, responsável pela área de engenharia do projeto da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.

“Usamos pela primeira vez no mundo um EPB em solo arenoso em uma região com muitos prédios e com grande circulação de pessoas e veículos. Antes, o equipamento só havia sido utilizado outras duas vezes nesse tipo de solo, mas em trechos curtos e em áreas pouco ou nada povoadas. Para realizar nosso trabalho, criamos um sistema interno para injetar diversos tipos de material para preparar o solo durante a escavação. Um deles foi uma espuma com polímero especial, feita sob medida para o subsolo da Zona Sul do Rio. Isso ampliou a capacidade da máquina em operar na areia, dando maior segurança”, explicou.

No desenvolvimento dessa nova técnica de escavação, Julio Pierri trabalhou ao lado dos engenheiros Alexandre Mahfuz e Carlos Henrique Turolla, também da Construtora Norberto Odebrecht, com apoio da consultora MTC. “O desafio era imenso. Tínhamos que construir o túnel debaixo do leito das ruas, sem passar por baixo de nenhum prédio e com o menor risco possível. Alguns edifícios estavam a apenas 12 metros do túnel. Não tínhamos como usar o Tatuzão Slurry porque era muito arriscado pela possibilidade de provocar abalos severos no solo e pela maior complexidade da operação. O EPB também não tinha um sistema de condicionamento de solo adequado às necessidades do projeto. Por isso, a saída foi desenvolver um modelo de equipamento específico para aquela região, que chamamos de TBM EPB Híbrido”, complementa Mahfuz.

O EPB híbrido possibilitou trabalhar com controle da pressão na frente da máquina e minimizar a possibilidade de abalo na superfície ou nas edificações do entorno, além de proporcionar uma considerável redução no volume de materiais usados na preparação do solo e no consumo de energia. A aplicação desta tecnologia permitiu ainda reduzir o apoio à operação do equipamento, o que era extremamente necessário nesta região completamente urbanizada da cidade.

Novo trecho encurta distância entre os bairros da zona Sul e Barra da Tijuca

Considerada o maior legado em mobilidade que a cidade do Rio de Janeiro ganhou com os Jogos Olímpicos, a Linha 4 do Metrô foi a maior obra de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina. Construída em seis anos, dentro da média mundial para sua alta complexidade técnica, a nova linha metroviária cumpriu as normas internacionais mais rigorosas para a construção e operação de metrôs no mundo. O projeto utilizou tecnologias de ponta nacional e internacional para atravessar bairros densamente povoados, com menor impacto à superfície e aos moradores do entorno.

O projeto representa a execução, de uma só vez, de toda a malha de metrô subterrâneo construída na cidade nos últimos 30 anos. Com a nova linha, cariocas e visitantes passam a ter uma alternativa de transporte rápido, moderno, eficiente e sustentável. A Linha 4 deve transportar 300 mil pessoas por dia, retirando das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico em cada sentido do eixo Barra-Zona Sul. Fonte: Divulgação Foto: Henrique Freire


Bondes e Leves Sobre Trilhos

Um bonde (português brasileiro) ou elétrico (português europeu), tram, tramway, trâmuei ou tranvia (ou, ainda, trólebus quando se move sobre rodas com pneus) é um meio de transporte público tradicional em grandes cidades da Europa como Varsóvia, Basileia, Zurique, Lisboa e Porto, ou das Américas, como São Francisco, Rio de Janeiro e Toronto. Movimenta-se sobre carris (trilhos) que, em geral, encontram-se instalados nas partes mais antigas das cidades, uma vez que a sua implantação data, também em geral, da segunda metade do século XIX. Faz, geralmente, um percurso turístico, embora isto não seja obrigatório. 


Destinado sobretudo ao transporte de passageiros, atualmente constitui-se em um meio de transporte rápido, já que, geralmente, tem prioridade sobre os demais meios de transporte. Em Portugal, obedece às regras de trânsito como qualquer outro veículo motorizado.

Hoje em dia, por razões de economia de energia e de preservação do meio ambiente, vem sendo sucedido pelo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), cuja utilização se encontra em expansão em várias cidades do mundo. Os elétricos ou bondes têm grandes vantagens em relação aos ônibus, entre as quais a menor poluição, tanto sonora quanto atmosférica. Complementarmente, a subsistência dos antigos elétricos representa um enriquecimento cultural das próprias cidades, já que cada uma introduziu modificações características em suas respectivas redes. Muitas das grandes cidades da Suíça ainda usam os elétricos, bem como grandes cidades da Alemanha, Polónia e algumas da França, como por exemplo Estrasburgo. Fonte: Divulgação Foto: Silvério Borges



quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

ViaQuatro celebra 10 anos de assinatura da primeira PPP do Brasil em transporte público


A ViaQuatro comemora 10 anos da assinatura do contrato de concessão da Linha 4-Amarela de metrô de São Paulo, primeira PPP (Parceria Público-Privada) do Brasil. “Avançamos com eficiência e provamos ser um modelo de negócio sustentável. No momento em que o país precisa com urgência retomar os investimentos em infraestrutura, a experiência da ViaQuatro torna-se referência nacional”, afirma Harald Zwetkoff, presidente da concessionária. O executivo destaca que essa década de parceria da ViaQuatro com o Governo do Estado de São Paulo simbolizou aprendizado para ambos. Segundo Zwetkoff, a concessionária seguiu as normas operacionais e os requisitos contratuais, resultando em eficiência e produtividade comprovadas por índices e pesquisas independentes.


“Conseguimos pagar os novos trens e seus respectivos custos de financiamento, além de reaver os investimentos no sistema de sinalização. Os impostos estão em dia e ainda remuneramos nossos acionistas”, afirma o presidente. 

Duas novidades que serão percebidas pelos usuários marcam os 10 anos da assinatura do contrato da PPP. A partir desta terça-feira, dia 29, a ViaQuatro estreia sua nova identidade sonora, com a veiculação de um tema musical e avisos sonoros nas estações e trens. Um vídeo comemorativo também passa a ser exibido nos monitores de vídeo e no painel digital em 360 graus da Estação Luz.

Inovação

Desde o início da operação comercial, há 5 anos, a Linha 4-Amarela oferece inovações tecnológicas aos usuários. É a primeira linha de metrô da América Latina a adotar trens com o sistema driverless (sem condutor). Esse sistema totalmente automatizado elimina falhas humanas e é o mais confiável em todo o mundo. As sete estações da Linha 4 possuem portas de plataforma, divisórias de vidro que separam a plataforma dos trilhos, garantindo segurança e agilidade do embarque e desembarque dos passageiros.

“Quando se fala em inovação tecnológica é interessante notar como uma evolução puxa a outra. Com a eficiência da operação automatizada, pudemos a oferecer serviços de informação inéditos aos passageiros”, afirma Zwetkoff. Os monitores das plataformas da Linha 4-Amarela passaram a indicar quais carros do próximo trem possuem mais espaço para viajar e quanto tempo falta para a chegada da próxima composição. As ferramentas foram desenvolvidas pela ViaQuatro, e o indicador de lotação do próximo trem é inédito em metrôs no mundo.

Outro ineditismo é o simulador virtual, criado com exclusividade para a ViaQuatro, para treinamento permanente dos agentes de atendimento na operação manual dos trens. A prática era impossível durante a operação comercial, pois o sistema automático raramente apresenta falhas. O simulador de trem possibilita manter os colaboradores aptos à atuação imediata em diferentes situações. Além do ganho em segurança, há economia de energia elétrica e eliminação do desgaste da composição, que poderiam ocorrer no treinamento in loco.

O simulador de trem integra o Centro de Treinamento Saber+, localizado no Pátio da Vila Sônia. Composto por salas de aula, laboratórios de mecânica, elétrica e eletrônica e biblioteca, o espaço foi criado para compartilhar e disseminar conhecimentos adquiridos, e aperfeiçoar o serviço oferecido aos usuários da Linha 4-Amarela. Foram desenvolvidos dezenas de treinamentos técnicos e comportamentais, com conteúdo teórico e prático. “Sabemos da importância de formar técnicos e especialistas em transporte sobre trilhos e o Saber+ é o legado da ViaQuatro para o setor metroferroviário brasileiro”, diz o presidente.

Satisfação e motivação

Entre as conquistas recentes da ViaQuatro, está o recorde do índice de satisfação dos usuários. Pesquisa do Instituto Datafolha, realizada em abril último, mostrou que 93,9% dos passageiros consideram o serviço prestado pela ViaQuatro muito bom ou bom. “Trabalhar em um ambiente onde se estimula a inovação motiva nossos colaboradores a prestar um bom serviço e isso resulta na satisfação dos usuários”, diz Harald. 

Outros números comprovam a eficiência e confiabilidade do serviço. A operação comercial da linha fez cinco anos em outubro, totalizando mais de 955 milhões de passageiros transportados. A cada dia útil, 700 mil usuários utilizam a Linha 4-Amarela. Em média, 99,6% das viagens programadas foram realizadas, desde que a operação comercial plena foi iniciada. As portas dos trens e plataformas já se abriram e fecharam 180 milhões de vezes. Outro indicador de eficiência da operação da Linha 4-Amarela é representado pela disponibilidade dos trens, que corresponde a 99,78% nos últimos cinco anos.

Os 14 trens já realizaram mais de 1 milhão de viagens e percorreram 11 milhões de quilômetros. Neste ano, a ViaQuatro começou a receber 15 novos trens, conforme estava previsto na Fase II do contrato. O contrato de concessão de 30 anos prevê investimentos da ordem de US$ 2 bilhões. Até o momento, já foram investidos US$ 450 milhões.

Integração no DNA

A ViaQuatro exerce papel fundamental para a integração do transporte metroferroviário da capital. As estações campeãs de entradas de passageiros são Paulista, por onde, desde outubro de 2011, já passaram 214 milhões de usuários; Pinheiros, com 194 milhões; e Luz, com 185 milhões de pessoas transportadas. Quatro das sete estações da Linha 4-Amarela estão ligadas a outras seis linhas do Metrô e da CPTM e terminais de ônibus.

“Além do transporte intermodal, também estimulamos o transporte ativo praticado pelos ciclistas, com a modernização de nossos bicicletários, que receberam sistema de cadastro biométrico tornando o acesso totalmente automatizado e mais seguro”, afirma o presidente da concessionária.

ViaQuatro em números*

955.142.714 - É o total de passageiros transportados no período de operação comercial.

1.124.504 - É o número de viagens feitas durante os cinco anos de operação comercial, o que representa 99,6% das viagens programadas no período.

11.047.429 - É a distância em quilômetros percorrida pelos trens da ViaQuatro desde outubro de 2011.

179.273.376 - É o número de vezes que as portas dos trens e das plataformas da Linha 4-Amarela foram acionadas com aberturas e fechamentos.

213.889.233 - É o número de passageiros que passou pela Estação Paulista desde outubro de 2011.

193.862.344 - É o número de passageiros que passou pela Estação Pinheiros desde outubro de 2011.

185.086.345 - É o número de passageiros que passou pela Estação Luz desde outubro de 2011.

*Dados compreendem o período de outubro de 2011 a outubro de 2016. Fonte: ViaQuatro





segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Novas estações do metrô de Salvador têm cores inspiradas nas belezas da Bahia

Três estações da Linha 2 do Metrô começam a funcionar na segunda-feira (5), Novas estações do metrô de Salvador têm cores inspiradas nas belezas da Bahia. Segundo a CCR Metrô, as cores foram escolhidas a partir de pesquisa realizada no Estado, tendo como base as que predominam em Salvador: o céu azul e o verde azulado do mar, a variedade de tons entre vermelho e amarelo de suas frutas (mangaba, caju, manga, cajá, cacau) e nas comidas típicas (acarajé e vatapá), além do azeite de dendê. Fonte: R7




sábado, 3 de dezembro de 2016

A primeira linha de VLT sem catenária opera em Dubai

Você sabia? A primeira linha de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) 100% sem catenária opera em Dubai. O VLT da Alstom é o primeiro do mundo capaz de rodar a temperaturas de até 50ºC e suportar condições climáticas extremas, como umidade e atmosfera arenosa. Ele também é equipado com um sistema de fornecimento de energia no nível do solo (APS), igual do VLT do Rio de Janeiro, o que permite operar sem catenárias em toda a linha, que tem 10,6 km de comprimento e 11 estações. O VLT tem 44 metros de comprimento e pode acomodar 408 passageiros. Seu formato de diamante na frente do trem reflete a imagem da cidade. Fonte: Alstom



_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...