domingo, 18 de dezembro de 2016

Primeira viagem do VLT Carioca no trecho entre Saara e Praça XV aconteceu hoje de manhã

A Prefeitura do Rio fez neste domingo, 18 de dezembro, viagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na Etapa 2, entre as paradas Saara e Praça XV. O VLT em breve deixará o usuário próximo às barcas, além das conexões atuais com ônibus, metrô, aeroporto e terminal de cruzeiros. O procedimento adotado na primeira etapa será replicado em operação coordenada pela Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e pela Concessionária do VLT Carioca. O objetivo é garantir que a população aprenda a conviver de forma segura com os bondes no novo trecho antes da implantação do serviço com passageiros planejada para janeiro.


O cronograma prevê operação assistida em período noturno na semana anterior ao Natal. O VLT fará viagens no trecho durante o dia na última semana do ano. Por conta da tradicional e intensa movimentação no comércio da região desta época, a circulação diurna com passageiros só terá início em 2017. A operação comercial está prevista para a segunda quinzena de janeiro. No percurso, o passagei ro também terá acesso à parada Praça Tiradentes e à parada Colombo, na altura da Avenida Rio Branco, que faz a conexão com o eixo Rodoviária-Santos Dumont, na parada Sete de Setembro.

O percurso da Etapa 2 abriga um polo cultural, comercial e gastronômico que resgata a história do Rio. Parte dos 500 achados arqueológicos das obras foram encontrados neste trajeto, o calçamento pé-de-moleque da Rua da Constituição, datado do século XVIII, teve trecho de 15m², com 343 pedras, preservado entre os trilhos do bonde na altura do número 13 da mesma rua.

Primeiro trecho em operação há seis meses

O Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) completou seis meses de operação no trecho Rodoviária-Santos Dumont com 25.365 viagens e mais de 4 milhões de passageiros, sem registro de incidentes com público desde a inauguração em 5 de junho. A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) e da Concessionária do VLT Carioca, implantou o serviço de forma gradual, iniciando com três horas, oito paradas e intervalos de 30 minutos até chegar ao cenário atual com funcionamento diário das 6h à meia-noite e 17 paradas.

Os intervalos variam entre 8 e 20 minutos entre Rodoviária/Santos Dumont e Parada dos Navios/Santos Dumont. O serviço começou de forma gratuita e, a partir do dia 26 de julho, teve início a operação comercial. Hoje, o usuário tem o direito de permanecer uma hora no sistema a partir da primeira validação, desde que viaje sempre no mesmo sentido. A Guarda Municipal e a concessionária iniciaram fiscalização da validação dos bilhetes dentro das composições em 5 de setembro. O tempo de percurso também evoluiu. Atualmente, a viagem completa do trajeto é feita, em média, em 32 minutos, considerando os dois sentidos. É uma redução de 30% em relação a julho, quando o serviço começou a ser realizado em todo percurso. Para atender a demanda, o serviço que começou com dois trens hoje conta com nove composições em circulação diária. Ao todo, são 17 VLTs que se revezam nessa operação dos 23 que já se encontram no Rio - os seis demais estão em testes. Fonte: VLT Carioca/Porto Maravilha

Estrada de Ferro Carajás Transporta a Maior Extração de Minério do Mundo - Brasil

Ela tem 892 quilômetros de extensão, ligando a maior mina de minério de ferro a céu aberto do mundo, em Carajás, no sudeste do Pará, ao Porto de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). Por seus trilhos, são transportados 120 milhões de toneladas de carga e 350 mil passageiros por ano. Circulam cerca de 35 composições simultaneamente, entre os quais um dos maiores trens de carga em operação regular do mundo, com 330 vagões e 3,3 quilômetros de extensão.


Inaugurada em 1985, a Estrada de Ferro Carajás não é só grande: ela também lidera o ranking das ferrovias mais eficientes do Brasil graças ao nosso constante investimento em tecnologia.

Os trilhos dos primeiros 15 km da Estrada de Ferro Carajás foram instalados em agosto de 1982. A ferrovia teve seus estudos de viabilidade, juntamente com os projetos de engenharia, iniciados quase uma década antes, em 1974. Mas a inauguração oficial só ocorreria 11 anos depois, no dia 28 de fevereiro de 1985.

Em março de 1986, chegaram os primeiros passageiros. No ano seguinte, foi a vez da soja. Os trens da ferrovia passaram a fazer o transporte de grãos e, no mesmo ano, os produtos derivados de petróleo entraram para a lista de materiais transportados pelas composições.
Hoje, os trens carregam granéis sólidos (soja e outros grãos), líquidos (combustíveis e fertilizantes, entre outros), além do minério de ferro.

A EFC está ainda interligada com outras duas ferrovias: a Companhia Ferroviária do Nordeste (CFN) e a Ferrovia Norte-Sul. A primeira atravessa, principalmente, sete estados da região Nordeste e a segunda corta os estados de Goiás, Tocantins e Maranhão, facilitando a exportação de grãos produzidos no norte do estado do Tocantins pelo Porto de Ponta da Madeira, no Maranhão. Fonte: Vale


_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...