domingo, 31 de dezembro de 2017

Terminal intermodal inaugurado garante super produção

A Fibria, empresa brasileira e líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas, inaugurou o seu Terminal Intermodal no município de Aparecida do Taboado (MS).

Localizado às margens da BR 158, o terminal integra os transportes rodoviário e ferroviário, com capacidade para escoar 1,95 milhão de toneladas de celulose por ano, que serão produzidas na segunda fábrica da Fibria em Três Lagoas (MS), até o Porto de Santos (SP), de onde serão exportadas para clientes na Ásia, Europa e Estados Unidos.


A nova área da Fibria segue o padrão estrutural de terminais integradores de outras regiões do Brasil, que funcionam como polos concentradores de carga, aumentando a agilidade do escoamento por bitola larga (estrutura de trilhos que confere mais velocidade para os vagões).

O investimento da Fibria no novo Terminal Intermodal de Aparecida do Taboado (MS) está dentro do volume global de investimentos da segunda linha de produção de celulose da empresa em Três Lagoas (MS), que soma R$ 7,345 bilhões.

“Esse é mais um investimento da Fibria que beneficia o Mato Grosso do Sul e fortalece o corredor logístico do Centro-Oeste, fundamental para o crescimento das empresas que atuam na região”, afirma o presidente da Fibria, Marcelo Castelli.

“Com o terminal intermodal, reforçamos o diferencial da Fibria em logística integrada, que vai da floresta à fábrica e ao porto, garantindo a nossa competitividade e presença no mercado mundial”, diz Wellington Giacomin, diretor de Logística e Suprimentos da Fibria.

O terminal intermodal possui cerca de 7.800m² de área construída e compreende escritório, armazém com capacidade para estocar 16.788 toneladas de celulose, oficina de empilhadeiras e plataformas de embarque da celulose. Para operar o terminal, foram criados 235 postos de trabalho, entre diretos e indiretos, considerando todo ciclo da operação do terminal.

“A união de todas as estruturas e tecnologias do novo terminal possibilita que o tempo que a carga permanece no armazém seja de, no máximo, um dia e meio. Ou seja, a movimentação de carga é dinâmica, favorecendo a produtividade de armazenamento”, afirma Giacomin.

Para o escoamento da celulose da Fibria foram adquiridas 21 locomotivas do modelo AC44i fabricadas pela General Electric (GE), consideradas as mais modernas do mercado e que garantem eficiência operacional, preservação ambiental e produtividade.

Com potência de 4.400/hp, as locomotivas são responsáveis por tracionar os vagões que transportam a celulose produzida pela segunda linha de celulose da Fibria em Três Lagoas. O tempo de escoamento da produção até o Porto de Santos (SP) é de 199 horas (cerca de 8 dias) para ida e volta (ciclo total), incluindo carregamento, descarregamento e todos os demais procedimentos.

O pátio do terminal de Aparecida do Taboado também apresenta outro diferencial. Concebido de forma estratégica, esse espaço se destaca por sua excelência operacional, visto que opera no sistema contínuo de carregamento em pêra, ou seja, as composições entram no terminal e executam todas as operações sem a necessidade de desmembrar ou manobrar o trem.

Com o início das operações da sua segunda linha de produção de celulose em Três Lagoas (MS) em 23 de agosto, três semanas antes do previsto, a Fibria planeja produzir neste ano 377 mil toneladas de celulose destinadas ao mercado externo. Para 2018, a previsão é de que o volume de produção atinja 1,755 milhão de toneladas de celulose/ano, passando para 1,850 milhão em 2019. Fonte: Fibria


quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Estação Lyon Saint Exupery projetada pelo Arquiteto espanhol Santiago Calatrava

Projetada pelo Arquiteto espanhol Santiago Calatrava, a estação de Lyon na França, com 5.600 metros quadrados se assemelha a um pássaro no momento da fuga e é vista como uma porta de entrada simbólica para a região de Lyon.

Ao fundo TGV abordando a estação

A armação em aço atinge quase 40 metros de altura e sua estrutura de concreto refere-se à metáfora de um enorme pássaro com asas espalhadas. Chegando de carro você entra no salão principal através de um "Portal", formado por um pilar de concreto em forma de V que se juntam as extremidades de quatro arcos em aço.

O par do centro de arcos segue a linha do telhado para formar uma espinha, as vigas curvas exteriores abrangem mais de duas asas simétricas envidraçadas. No triangular salão principal da coluna central é formada por três arcos apoiados em conjunto por vigas diagonais. Duas grandes varandas suspensas penetram no espaço. Fonte: SNCF


sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

VLT Carioca lança aplicativo para consultar chegada das próximas composições

A Prefeitura do Rio tem novidade para usuários do VLT: já está disponível para download em aparelhos Android e iOS o aplicativo oficial do VLT Carioca, que permite consultar o horário de chegada das próximas composições em cada parada, além de planejar o trajeto e o tempo de viagem. Outro recurso é a possibilidade de consultar atrações turísticas, culturais e serviços no entorno do sistema e ver qual a parada mais próxima de cada um. O passageiro pode, por exemplo, buscar teatros, museus e hospitais próximos no próprio aplicativo, que indica o ponto de mais fácil acesso.



Na aba de informações há lista de paradas em operação, regras e normas de uso do VLT, forma de pagamento e questões gerais sobre o sistema. O usuário também tem a possibilidade de entrar em contato com a Ouvidoria para envio de dúvidas ou sugestões diretamente. Quem fizer o download poderá também adquirir créditos de viagem com acesso à página Recarga Fácil pelo app, garantindo a recarga de cartões Riocard (exceto vale-transporte). 

Paradas ganham novos terminais de consulta

O processo de recarga on-line ficará mais rápido com a instalação de novos terminais nas paradas do VLT. Diferentemente das máquinas de autoatendimento para recarga e venda de cartões (ATM) já existentes, os novos pontos terão a função de liberar recargas feitas pelo aplicativo ou pelo site da Riocard após a confirmação do pagamento. Eles permitirão ainda a consulta de saldo e desbloqueio de cartões, mantendo os terminais de autoatendimento originais exclusivamente para compra e recarga. Em processo de implantação, algumas das novas máquinas já podem ser vistas em paradas da linha 1. A tendência é que todos os 26 pontos de embarque das linhas 1 e 2 contem com a novidade até o fim de janeiro. Fonte: Com informações da Concessionária do VLT Carioca e da Prefeitura do Rio


terça-feira, 19 de dezembro de 2017

As estações ferroviárias mais remotas do mundo

A Estação Ferroviária Cook, no sul da Austrália, está localizada ao longo da via ferroviária reta mais longa do mundo, em algum lugar no meio do nada! Abrange quase toda a largura do país, a ferrovia trans-australiana de Port Augusta para Kalgoorlie atravessa a vasta planície de Nullarbor, árido e quase sem árvores (daí o seu nome, do latino, nullus arbor), isso pode parecer um ponto estranho para uma estação ferroviária, mas Cook foi uma vez um importante ponto de parada na longa jornada.


Agora, mais ou menos abandonado, e alegadamente com uma população residente de apenas quatro pessoas, a estação de trem nesta cidade fantasma é usada para reabastecer trens e como uma parada de descanso para seus maquinistas. 

1. Cook Railway Station, Austrália





2. Corrour Station, Scotland



Rannoch Moor da Corrour Station de Thomas Bryans, CC BY-NC-ND 2.0 | Fort William trem sai de Corrour Station por Russel Wills, CC BY-SA 2.0 | Corrour Estate, © Corrour Station House | Rannoch Moor de Richard Szwejkowski, CC BY-SA 2.0

A 408 metros acima do nível do mar, Corrour Station no West Highlands é a estação de trem mais alta e remota do Reino Unido e se parece familiar, pode ser por isso que ! 

Localizado na famosa West Highland Line, no final de Rannoch Moor, o Corrour Estate muitos caminhantes para este local remoto para explorar a região selvagem. Lucky que, uma vez que não há acesso por estrada! 

A Casa da Estação Corrour é anexada à estação ferroviária para ajudar os viajantes cansados ​​a reabastecer depois de uma longa caminhada nos pátios. Mas não se preocupe se você tem um número demais, há camas próximas no B & B na antiga caixa de sinal. 

3. Estação ferroviária de Jungfraujoch, Suíça



Jungfraubahn de Guido Radig, CC BY 3.0, através do Wikipédia Commons | Jungfraubahn de Mike Lehmann, CC-BY-SA-3.0

Subterrâneo escondido, dentro de uma montanha, Jungfraujoch é o covil do vilão de Bond das estações ferroviárias! É o fim da linha para a Estrada de Ferro de Jungfraujoch, uma façanha pioneira de engenharia que viu equipes de homens atravessar os Alpes Berneses.

Caso contrário, conhecido como "Top of  Europe", Jungfraujoch é a estação mais alta da Europa a 3.454 metros acima do nível do mar. Depois de descer do trem, os passageiros podem subir ao pico para vistas incríveis do Glaciar Aletsch e as montanhas além.

4. Estação Cascada de Macarena, Argentina



Fim da Estação Mundial por Leandro Neumann Ciuffo | Licença CC BY 2.0

Cascada de la Macarena, perto de Ushuia, Argentina, é a estação ferroviária mais ao sul do mundo. Também conhecida como Estación do Fin do Mundo, atrai turistas que desejam explorar o Parque Nacional Tierra del Fuego. 

Ushuaia, na ponta sul da Argentina, se vende como "O fim do mundo". Mas era uma vez que esta ferrovia de bitola estreita era usada para transportar madeira (e prisioneiros!) Para e de uma colônia penal remota nos arredores de Ushuaia. 

5. The Hurricane Turn, EUA



Alaska Railroad by Brandon Wood, CC BY-SA 2.0, através do Wikimedia Commons | Hurricane Turn Train by Kolmkolm, licença CC BY-SA 4.0

O furacão Turn não possui uma estação de comboio tecnicamente, mas a linha em si é certamente uma das mais remotas. Este é o último verdadeiro trem de 'flag stop' nos EUA que permite que os passageiros possam entrar e descer como quiser, marcando o trem de um poste de milha ao lado da pista. 

O trem serve como uma linha de vida para os alaskanos que vivem fora da grade e longe do sistema rodoviário na região selvagem entre Talkeetna e Hurricane - o último sendo a estação mais a norte da América do Norte. Operado pela Railroad do Alasca , não há um cronograma definido, pois depende de quantos passageiros querem entrar e sair ao longo do caminho. Não se esqueça de arrumar seu lenço para que você possa sinalizá-lo!
 
6. Estação de trem de Tanggula, Tibete


Estação ferroviária Tanggula de CW Kong | Licença CC BY-SA 3.0

A Estação Ferroviária da Montanha Tanggula é a mais alta do mundo, sentada 5,068 m acima do nível do mar! Aparentemente, sua localização foi especialmente escolhida para a visão da plataforma e sem dúvida pela altitude recorde.

A estação pode ser encontrada ao longo da Estrada de ferro Qinghai-Tibet, a primeira rota que liga o Tibete e a China e a ferrovia mais alta do mundo. Como defesa contra os efeitos do ar em altitude, as carruagens no trem estão equipadas com máscaras de oxigênio para passageiros e janelas especialmente projetadas para filtrar os fortes raios UV do sol.

7. Estação de Metro Caojiawan, Chongqing, China



Imagens via NetEase , todos os direitos reservados. 

Localizado nos arredores de Chongqing, a Estação de Metro Caojiawan na Linha 6 é tão remota quanto você pode chegar na China moderna. Parte de uma extensão para o metrô da cidade, a estação, agora coberta de grama e ervas daninhas, parece ter sido construída no meio do nada . 

Surpreendentemente, esta ferrovia aparentemente abandonada está aberta ao público, e dentro dela é o mesmo que qualquer outra estação de metrô - apenas sem passageiros! Aparentemente, o planejamento urbano e o transporte são gerenciados por diferentes departamentos governamentais em Chongqing, e o ritmo de construção do Metro superou a equipe de planejamento urbano. Mas um dia parece que a cidade se estenderá até a estação de Caojiawan.

8. Berney Arms, Inglaterra



Berney Arms Windmill by ian.dinmore, CC BY-NC 2.0 | Berney Arms Station por Stephen McKay, CC BY-SA 2.0 | Para os trens por ian.dinmore, CC BY-NC 2.0

Acessível apenas de comboio, a pé, ou de barco a partir do próximo rio Yare, a estação ferroviária de Berney Arms, em Norfolk, é tão pequena quanto remota. Há uma plataforma rudimentar, com uma cabana de madeira básica, mas é tão curto que até o trem de dois ônibus que pára (um par de vezes por dia, apenas por solicitação) no caminho para Great Yarmouth é mais longo do que a plataforma.

Há pouco mais do que um pantanal e um moinho da herança em Berney Arms, por isso é uma maravilha que os trens ainda liguem aqui. Isso é graças a uma Thomas Trench Berney, que possuía a terra na década de 1840, e permitiu o desenvolvimento da ferrovia com a condição de que uma estação fosse colocada lá "em perpetuidade". Bom, já que há uma boa caminhada ao sul ao longo do rio até o pub em Reedham.

9. Estação Okuoikojo, Japão



Oku-oi Rainbow Bridge na estrada de ferro de Oigawa por Makke, CC-BY-SA-3.0 | Oku-Oi Rainbow Bridge by NY066, CC BY-SA 3.0 , ambos via Wikimedia Commons

A Estação de Okuoikojo está localizada em uma península que se expande sobre um lago criado pela barragem de Nagashima, no Rio Ōi, em Shizuoka, Japão. A ferrovia foi inicialmente construída para transportar materiais para a construção da barragem, mas devido à sua localização espetacular, aninhada entre montanhas no parque nacional de Okuoi, uma estação foi adicionada à linha.

Okuoikojo tornou-se popular entre os turistas que desciam do comboio para tomar alguns selfies e tocar o "sino feliz" antes de caminhar nas montanhas ou continuar sua jornada norte para a estação de Kanaya, onde a locomotiva a vapor Oigawa parte para um passeio panorâmico pela montanha aldeias e campos de chá.

10. Estação de Karskaya, Rússia


Linha Obskaya-Karskaya © Yamal Expedition . Todos os direitos reservados.

Como se precisássemos de mais uma prova de que a exploração de petróleo e gás não conhece limites, esta estação construída pela Gazprom é o norte mais distante do mundo que você pode chegar de trilho! 

A estação de Karskaya no Círculo Ártico é o fim da linha ferroviária Obskaya-Karskaya que liga o continente russo com o Bovanenkovo, o maior campo de gás da Península de Yamal, na Sibéria. Construído para transportar bens e pessoas de e para o campo de gás, a linha foi estendida a Karskaya em 2011. Este ano, está ainda prorrogado para o porto ártico de Sabetta. 

11. Choûm, Mauritiana



Sala de espera Choûm © 2014 Michal Huniewicz . Todos os direitos reservados | Choûm © 2014 Michal Huniewicz . Todos os direitos reservados

Você seria perdoado por perder a estação ferroviária em Choûm . No fundo do deserto do Sara Ocidental, não tem plataformas e sua sala de espera é um dos poucos edifícios da cidade. 

A estação encontra-se a pouca distância ao longo da rota de 700 km da Mauritiana Railway, que transporta locomotivas extraordinariamente longas - alguns alongamentos de 2,5 km - cada um transportando vagão de vagão de minério de ferro, desde a planta em Zouérat até o porto de Nouadhibou. O trem viaja até 3 vezes por dia, um dos quais inclui uma carruagem de passageiros.

12. Estação Ferroviária Internacional Canfranc, Espanha



La façanha da estação internacional de Canfranc de Marc Celeiro i Escribà, CC BY-SA 4.0 | Estación de Canfranc por Juanedc, CC BY 2.0 ambos via Wikimedia Commons

Os tablóides se deleitam com a "estação de trem nazista abandonada" nas montanhas dos Pirenéus, e é verdade que existe um certo mistério em torno da antiga estação ferroviária de Canfranc . Inaugurado em 1928, a estação foi um exemplo impressionante de cooperação franco-espanhola que acolheu trens transfronteiriços que surgiram do passeio de montanha Somport pelos Pirenéus. 

No entanto, o tamanho e o esplendor da estação art nouveau deriva, não dos produtos do ouro nazista contrabandeado, mas dos aspectos práticos da transferência de passageiros, bagagem e carga entre os comboios à medida que o indicador das faixas mudou na fronteira. A história da estação parou abruptamente em 1970, quando uma destruição de trem destruiu uma ponte no lado francês das montanhas. Agora está abandonada, enquanto uma estação muito menor (imediatamente em frente à antiga fachada) se conecta a Zarragoza nas proximidades. Fonte: Kate Andrews


domingo, 17 de dezembro de 2017

Israel testa trem de alta velocidade que atravessa a Palestina

O trajeto foi percorrido em 28 minutos, tempo que reduz em mais de dois terços as cerca de duas horas a viagem entre as duas cidades em horário de pico. Israel fez o primeiro teste do trem de alta velocidade que conectará as cidades de Jerusalém e Tel Aviv, e que atravessa uma pequena parte do território palestino ocupado da Cisjordânia, informou nesta segunda-feira a imprensa israelense.


O trajeto foi percorrido ontem com sucesso em 28 minutos, segundo o jornal “Jerusalem Post”, tempo que reduz em mais de dois terços as cerca de duas horas a viagem entre as duas cidades em horário de pico.

“O trem de alta velocidade garantirá o status de Jerusalém e a possibilidade de as pessoas que vivem ali abrirem negócios. Mudará totalmente a relação entre Jerusalém e o resto do país”, disse o ministro de Transporte, Israel Katz.

O projeto foi iniciado em 2001 e calcula-se que terá um custo final de US$ 1,8 bilhão, informou o portal de notícias “Times of Israel”.

Para o trajeto, foram criados 38 quilômetros de ferrovia, um terminal subterrâneo em Jerusalém, cinco túneis e dez pontes. A viagem terá paradas no aeroporto internacional de Ben Gurion e na cidade de Modi’in.

O projeto recebeu críticas da esquerda israelense e dos palestinos por cruzar em dois pontos a Linha Verde e ocupar território palestino na Cisjordânia: em sua passagem pela cidade de Latrun e perto de Mevaseret Zion, próxima a Jerusalém.

Segundo o jornal “Haaretz, no total o trem percorre seis quilômetros em território ocupado, a maioria por túneis subterrâneos.

A empresa alemã Deutxche Bahn, que assessorava nesta questão a Israel Railways (estatal que opera os trens do país), encerrou sua colaboração com a mesma por este motivo e uma visita de diplomatas ao projeto foi cancelada recentemente, em rejeição ao trecho na Cisjordânia, informou o “Haaretz”.

De fato, em 2004, o então procurador-geral, Menachem Mazuz, ordenou a paralisação da obra após o Tribunal Supremo indicar que a rota deveria ser alterada porque violava os direitos dos palestinos, mas o projeto finalmente foi autorizado e espera-se que esteja terminado e entre em funcionamento em abril de 2018. Fonte: EFE


terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Bart trens - São Francisco

BART Train - Bay Area Rapid Transit é um sistema público de transporte rápido que serve parte da área da baía de São Francisco, na Califórnia, incluindo as cidades de São Francisco, Oakland, Berkeley, Daly City, Richmond, Fremont, Hayward, Walnut Creek e Concord. Também serve o Aeroporto Internacional de São Francisco e mediante autocarros (AirBARTal) o Aeroporto Internacional de Oakland.



Metrô de São Francisco

O metrô de São Francisco é rápido e prático, embora, do ponto de vista turístico, não seja tão interessante como o Cable Car ou os ônibus. É especialmente útil para chegar ao aeroporto.

O metrô de São Francisco é operado por duas companhias diferentes: MUNI e BART. As duas empresas dividem quatro estações do centro de São Francisco: Civic Center, Powell, Montegomery e Embarcadero.

Para fazer uma baldeação entre as duas redes é necessário adquirir uma passagem para cada uma.
BART

As linhas BART (Bay Area Rapid Transport) poderiam ser comparadas ao sistema de trens metropolitanos do Brasil. Elas conectam São Francisco com outras cidades e regiões mais afastadas. Essa rede é usada por mais de 350.000 pessoas a cada dia. Fonte: Bart

BART tem 5 linhas:
Linha amarela: Pittsburg/Bay Point – Aeroporto de São Francisco.
Linha vermelha: Richmond – Daly City/Millbrae. 
Linha verde: Linha Fremont- Daly City. 
Linha laranja: Richmond- Fremont. 
Linha azul: Dublin/Pleasanton – Daly City/Millbrae. 




quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Metrô da Copa do Mundo 2018 - Rússia

Este famoso metrô estará aliando beleza e eficiência à uma moderna tecnologia, as autoridades russas prometeram, já a partir de 2012, novos modelos de trens 'inteligentes', que deverão ser não apenas melhores do que seus similares ocidentais, em termos de tecnologia, mas também bonitos. Da mesma forma, como observou o chefe do Departamento de Construção de Moscou, Andrei Botchkariov, os futuros vagões do metrô da capital contarão com um sistema ultra moderno de climatização, sistema de vídeo, sistema inteligente de proteção aos passageiros, com internet, serão conduzidos sem a presença do operador, entre outras coisas.

Melhorias estão previstas,também, para as estações do Metropolitano, que contarão, por exemplo, com banheiros públicos. De acordo com Botchkuriov, esta é uma tarefa difícil, "mas trabalhamos neste sentido". Fonte: Divulgação




quarta-feira, 22 de novembro de 2017

A parceria da GE com a Rumo está levando potência máxima para o transporte ferroviário

Imagine um trem dotado de um piloto automático conectado, capaz de economizar combustível, variar a velocidade de acordo com as características geográficas do trajeto e conduzir automaticamente a composição da forma mais eficiente possível — tudo com base em dados sobre rota e carga, coletados para uma condução mais inteligente.


Agora imagine as possibilidades que essa tecnologia pode promover para uma das maiores operadoras de logística ferroviária da América Latina, a Rumo.

Estamos falando do Trip Optimizer, o poderoso sistema de software desenvolvido pela GE que, a partir do mapeamento completo da linha ferroviária, pode ser personalizado para otimizar viagens e maximizar a produtividade. Junto da Rumo, a GE Transportation implementará a solução na frota que circula entre as malhas Norte e Paulista, ligando Rondonópolis (MT) ao Porto de Santos (SP).


“A instalação do Trip Optimizer é o primeiro passo para a transição de trens manuais para trens completamente automatizados. O uso de softwares não só aumentará a produtividade, como também vai mudar radicalmente como lidamos com logística”, diz Danilo Miyasato, diretor comercial da GE Transportation para a América Latina.

A solução funciona por meio do GoLinc™, o computador de bordo da GE Transportation, que transforma as locomotivas em uma central de dados móvel e possibilita a implementação de diversas outras soluções digitais da GE. Por estar interligado aos demais sistemas de bordo, o Trip Optimizer também entende e considera mudanças percebidas durante o trajeto. Isso não só permite que o trem chegue no tempo certo, como garante mínimo uso de combustível.

“Este projeto representa uma evolução importante para nós”, comenta Roberto Rubio Potzmann, diretor de Tecnologia da Rumo. “Quando implantado, com as demais iniciativas, trará considerável precisão na movimentação de cargas, gerando maior segurança e eficiência para nossa operação. Além disso, esse sistema atuará fortemente na redução do consumo de combustíveis, com benefício direto para toda a sociedade”, finaliza Potzmann.

Parte de tais benefícios acompanha uma outra vantagem: a solução também garante mais sustentabilidade, devido à diminuição dos níveis de gás carbônico liberados no meio ambiente pela queima de combustível. Os números mostram por si só: globalmente, desde o desenvolvimento do Trip Optimizer, mais de 548 milhões de litros de combustível foram poupados pelas ferrovias!


Tantos ganhos ficam ainda mais evidentes quando visualizamos o futuro a ser cultivado. A intenção da Rumo é justamente digitalizar toda a sua malha ferroviária nos próximos anos, impulsionando suas linhas com o uso da Internet Industrial. “A GE está lado a lado com seus clientes em parcerias que fomentam a transformação digital em seus processos e sua infraestrutura”, pontua Marcos Costa, presidente e CEO da GE Transportation para a América Latina. “Por isso nosso trabalho com a Rumo é exatamente esse: manter uma relação colaborativa, de consultoria, que envolve a dedicação de ambas as partes para gerar os melhores resultados possíveis”.

Com o início da operacionalização previsto para 2018, a Rumo se firma como a terceira companhia ferroviária brasileira a escolher o Trip Optimizer para alavancar seu desempenho. Mais digitalização, mais resultados para o País!

Quer saber tudo sobre a transformação digital e seus impactos na indústria nacional? Fique por dentro do GE Reports Brasil! Fonte: GE


domingo, 19 de novembro de 2017

APT 1500 R Robô de solda ferroviário totalmente automático

Os representantes presentes dos departamentos de soldagem de DB-Netz e DB-Bahnbaugruppe mostraram um total de 66 soldas de alta qualidade. O robô atuou em uma seção de 5,8 km de comprimento, enquanto equalizou a temperatura ao mesmo tempo. Um total de 52 soldas ferroviárias e 14 soldas de encerramento foram realizadas. A solda de fechamento é uma característica firme do robô de solda recém desenvolvido. O trilho de dispositivo de tracção com uma força de tração de 1500 kN está integrado na cabeça de soldadura da APT 1500 RA.

O robô de solda trabalha de forma totalmente automática, sem intervenção manual. Os trilhos a serem soldados são levantados automaticamente para a cabeça de soldadura, colocado em posição com a ajuda da centragem automática de altura e funcionando de alinhamento da borda. Todo o processo de soldagem é supervisionada constantemente por um sistema de medições especiais. Fonte: TrainsHigh





domingo, 12 de novembro de 2017

Goiânia-Brasília em alta velocidade

O governador Marconi Perillo concentrou a agenda de trabalho da missão comercial do Governo de Goiás à Espanha, nesta segunda-feira, 23, na apresentação, para empresários e investidores, da Parceria Público-Privada (PPP) do trem da alta velocidade Goiânia-Brasilia e da concessão da Ferrovia Norte-Sul. Acompanhado do diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Bastos, Marconi disse, ao final do dia, que os empresários se mostram interessados nas propostas e que os projetos avançaram. As tratativas prosseguem nesta terça-feira, quando a delegação se reúne com a diretoria do Banco Santander.


"Tivemos hoje importantíssimos encontros aqui em Madrid, na Espanha. Conversamos sobre dois projetos muito importantes para Goiás e para o Brasil", disse Marconi, em vídeo gravado para seus seguidores nas redes sociais. "O primeiro é a operacionalização da Ferrovia Norte-Sul, que já está pronto há mais de três anos, eu vim junto com o diretor-geral da ANTT justamente para buscar parceiros que possam receber a concessão dessa ferrovia e colocá-la em operação. O outro é a vibilização da concessão do trem Brasília-Goiânia", detalhou.

Acerca da Norte-Sul, o governador disse que "até daqui a 30 anos a ferrovia deverá ter 26 milhões de toneladas transportadas, mas neste momento nós estamos apresentando aos espanhóis toda a modelagem dessa concessão que deverá ficar pronta no primeiro trimestre do ano que vem". "Ou seja, nós estamos trabalhando para tirar definitivamente a ferrovia Norte-Sul do papel", afirmou Marconi. O presidente da ANTT, Jorge Bastos, disse que a apresentação dos projetos para os investidores espanhóis é estratégica neste momento, já que as empresas do setor já concluíram a maior parte dos investimentos no setor no país europeu.

A viabilização dos investimentos privados para a construção do trem de alta velocidade entre Goiânia e Brasília é o principal item da agenda de trabalho da missão comercial liderada pelo governador Marconi Perillo à Espanha. Marconi falou sobre o Estudo de Viabilidade Econômica e Ambiental (EVTEA) em reuniões na Confederação Espanhola de Organizações Empresariais (CEOE), na Casa do Brasil – onde foi realizado o encontro da Câmara de Comércio Brasil-Espanha – e no Grupo Renfe, empresa pública concessionária da malha ferroviária de passageiros da Espanha. Nesta terça-feira, no quarto e último dia da missão do Governo de Goiás no país, o governador e a delegação vão à sede do Banco Santander para apresentar o projeto do trem-bala para a instituição financeira.

Nas reuniões com empresários e autoridades espanholas para apresentar a proposta de construção do trem de passageiros Goiânia-Brasília, o governador Marconi Perillo demonstrou a viabilidade econômica do projeto, destacando que o trem vai atravessar, entre Goiás e o Distrito Federal, uma região formada por 10 milhões de consumidores, com taxas de crescimento acima da média do Brasil.

Diretor-geral da ANTT, Jorge Bastos disse também que o encontro com os investidores espanhóis deixou claro o interesse do país europeu pelo projeto do trem de passageiros. "As nossas expectativas são as melhores possíveis. O governo espanhol, na Europa, foi o último a investir muito na tecnologia de alta velocidade e eles têm uma expertise muito grande no setor", disse. "Os investimentos aqui na Espanha já se reduziram, eles já fizeram a maior parte desses investimentos, então o momento é muito propício para a apresentação do projeto brasileiro", disse.

Marconi encerrou a agenda de hoje em encontro com o secretário de Estado de Infraestrutura, Transporte e Habitação, Julio Gómez Pomar, com quem também debateu os projetos ferroviários e outros temas relacionados à mobilidade urbana. Acompanharam o governador o secretário da Fazenda, João Furtado; o secretário de Desenvolvimento Econômico, Francisco Pontes; e o presidente do Sifaeg, André Rocha. Fonte: Diário de Goiás 


sábado, 4 de novembro de 2017

Mais de 500 trens gratuitos transportarão torcedores na Copa do Mundo 2018

Para o transporte de passageiros, planeja-se pôr em serviço mais de 500 composições ferroviárias adicionais. O horário final será fixado e apresentado ao público após 15 de dezembro de 2017.

Os trens especiais adicionais serão formados por vagões compartimentados e um vagão restaurante. Nas rotas entre as cidades anfitriãs dos jogos da Copa do Mundo circularão trens de dois andares e os trens rápidos Lastochka. Fonte: Sputnik News

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Metrô de Vancouver - Canadá

A cidade de Vancouver no Canadá conta com 3 linhas de metrô: a Expo Line, a Millennium Line e a Canadá Line. A Expo Line sai do centro (Downtown) e cruza a cidade no sentido oeste, passa pelo Distrito de Burnaby e tem como ponto final o Distrito de Surrey. A Millennium Line faz o transporte para a região ao Norte da cidade (North Burbaby) e a Canada Line faz a ligação do centro com o Distrito de Richmond e o Aeroporto de Vancouver, cruzando a região de Norte a Sul. Fonte: Divulgação. 



segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Os trens turísticos da Renfe transportaram 2.000 viajantes neste verão e a ocupação foi de 87% em média

Os trens turísticos da Galiza, lançados pela Renfe em colaboração com a Xunta e o Inorde, transportaram quase 2.000 viajantes neste verão, com uma ocupação média de 87% do número total de vagas oferecidas.


É assim que o diretor dos trens turisticos da Renfe, disse Javier Díaz, o diretor do Turismo da Galiza, Nava Castro, e o vice-presidente do Conselho de Ourense e presidente da Inorde, Rosendo Fernández.

Em particular, as maiores ocupações ocorreram nas rotas do farol e da Ribeira Sacra, chegando a 100% nos dois casos. Os jardins "pazos" e históricos atingiram 92% de ocupação, seguidos de lampreia (82%), O Ribeiro (81%) e Valdeorras (80%).

Abaixo destes números foram os trens que atravessaram as Rias Baixas, com 69% dos lugares ocupados, e a região de Ourense de Monterrei, com 68%.

No entanto, a campanha ainda não terminou e, durante os meses de setembro e outubro, os trens irão ampliar suas rotas para as cidades de A Coruña, Lugo e Ourense, com duas partidas para cada um desses destinos.

Assim, os viajantes podem descobrir a cidade de Lugo através da rota 'Lugo Roman', com duas partidas de A Coruña: uma em 30 de setembro e outra em 28 de outubro. Com esta jornada, você visitará o centro histórico, o centro de interpretação da Muralla e a Casa dos Mosaicos. Eles terão tempo livre para o almoço e terminarão o dia no spa de Lugo. Fonte: Galicia Confid


domingo, 15 de outubro de 2017

Aeroexpress Dois Andares - Rússia

Aeroexpress de dois andares, os novos trens, projetados especialmente para a Rússia, foram batizados de Aeroexpress Eurásia. O primeiro trem de dois andares circulam entre a estação Paveletsky e o aeroporto de Domodedovo. Em um futuro próximo, esses trens transportarão passageiros para todos os aeroportos da capital russa - Sheremetyevo, Vnukovo e Domodedovo, bem como entre os aeroportos. Com maior capacidade para passageiros e mais conforto os novos trens foram recebidos com muito entusiasmo pelos usuários do sistema. Fonte: Sputnik Brasil



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A Alstom apresentou locomotiva de passageiros para o Azerbaijão

A Alstom apresentou sua primeira locomotiva de passageiros Prima M4 para as ferrovias do Azerbaijão (ADY) hoje em Belfort, na França. As locomotivas de passageiros Ten Prima M4 (AZ4A) estão sendo fabricadas neste local como parte de um contrato adjudicado pela ADY em 2014.


"Estamos muito satisfeitos em entregar a nossa primeira locomotiva Prima de múltiplos propósitos para o Azerbaijão e tornar-se parte de projetos ambiciosos para aumentar a ligação de trânsito entre o Mar Negro e o Mar Cáspio e entre a Rússia e o Irã. Este produto tecnologicamente feito sob medida é o resultado de uma sólida relação de confiança entre as equipes de projeto da Alstom e ADY ", disse Bernard Peille, diretor-gerente da Alstom para o cluster da Ásia Central e Central.

As locomotivas operarão sob 25 kV AC, 50 Hz para o corredor East-West e menos de 3 kV DC para o corredor Norte-Sul. A locomotiva de passageiros AZ4A baseia-se na plataforma modular Alstom Prima, projetada para fornecer às operadoras as soluções mais adequadas para serviços de passageiros e frete. É um dos mais versáteis, em termos de aplicações, locomotivas elétricas no mundo. A Prima AZ4A é capaz de funcionar a 160 km/h em serviço de passageiros com corridas mais longas entre manutenção e reparo, menor consumo de energia, redução de custos de manutenção da locomotiva e maior eficiência de gerenciamento de frota. O AZ4A é uma locomotiva Prima M4 desenvolvida com base nos requisitos técnicos do Azerbaijão Railways e em conformidade com o GOST padrões e especificações. A locomotiva possui um sistema de tração de ponta baseado na tecnologia Alstom. Requer manutenção mínima e fornece um alto nível de confiabilidade e baixo custo do ciclo de vida graças ao seu design modular. Fonte: Alstom


sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Companhia de Concessão de Transportes em São Petersburgo

A Stadler desenvolveu um novo veículo leve sobre trilhos e trouxe-o com sucesso no mercado: a Companhia de Concessão de Transportes em São Petersburgo e encomendou 201 vagões em Stadler em 2016 . A maioria dos veículos são produzidos na fábrica da Stadler em Minsk e na Suíça. Os primeiros seis veículos foram entregues em 1 de agosto de 2017.


A Stadler desenvolveu e construiu um novo bonde e apresentou-o ao público a tempo para o Campeonato Mundial de Hóquei no gelo em Minsk em 2014. O protótipo estava então em várias cidades russas na estrada e ganhou o desfile do bonde em Moscou. A alegria do Stadler de que um novo desenvolvimento pode ser trazido com sucesso para o mercado é excelente. Fonte: Bahnonline

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Trens entre São Paulo e o Aeroporto de Guarulhos tem início previsto para março

O Governo do Estado de São Paulo anunciou que em março de 2018 serão iniciadas as operações do trem expresso da CPTM, que vai ligar a Estação da Luz ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. Serão oferecidos três tipos de viagens: o CPTM Airport Express, o Connect, além do serviço regular.

Por meio da “Linha 13 – Jade”, o serviço CPTM Airport Express levará os passageiros direto da Estação Aeroporto de Guarulhos até a Estação da Luz, na região central de São Paulo. No local é possível fazer transferência para o metrô. O trajeto vai durar cerca de 35 minutos e os trens vão partir em horários programados: 8h, 10h, 12 e 22h do Aeroporto para a Luz e 9h, 11h, 13h e 21h da Luz para o Aeroporto.


Nos horários considerados de pico, entre 5h e 9h e 16h e 20h, haverá o serviço Connect, com trens que seguirão da Estação Aeroporto até a Estação Brás. Este trajeto deve durar 35 minutos e o trem vai parar normalmente nas estações para embarque e desembarque de passageiros.

Durante a operação comercial, que é das 4h até 00h, o serviço regular funcionará com viagens da Estação Aeroporto de Guarulhos à Estação Engenheiro Goulart, com duração de 15 minutos. Caso haja interesse em seguir viagem, é possível realizar transferência para a Linha 12 – Safira. Fonte: Melhores Destinos/Thayana Alvarenga


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Testes de carga com 104 vagões - Bombardier

Construído na África do Sul, nossa locomotiva TRAXX, provou sua força durante uma jornada de testes na semana passada. Três de nossas locomotivas Classe 23 E levaram um trem de 104 vagões de 8.320 toneladas, 1.054 metros de comprimento, carregado com manganês sobre Eagle's Crag na África do Sul. Os testes incluiu uma subida de 12,5% - nenhum problema para o TRAXX, que foi construído na África do Sul, por sul africanos. Muito obrigado à equipe de tecnologia da Transnet pela excelente colaboração durante essa conquista disse a equipe Bombardier. Fonte: Bombardier




sábado, 23 de setembro de 2017

Governo avalia Trem Intercidades a pedido do Banco Mundial - São Paulo

O Governo do Estado de São Paulo recebe esta semana uma equipe do Banco Mundial (Bird) em missão especial tendo como foco o projeto do Trem Intercidades. Até a próxima terça-feira (26), o diretor de infraestrutura do Bird no Brasil, Paul Procee, e mais oito profissionais da instituição farão um programa intensivo de reconhecimento e discussões sobre o projeto.


O objetivo é que o Bird receba informações para atuar como parceiro do governo paulista na modelagem da Parceria Público-Privado que viabilizará o projeto. A primeira fase do Trem Intercidades deverá ligar as cidades de São Paulo, Jundiaí, Campinas e Americana por um percurso de 135 quilômetros em trilhos, com nove estações, e investimento para implantação estimado em R$ 5 bilhões. O trem de média velocidade vai operar junto com a Linha 7-Rubi da CPTM, que já vai até Jundiaí. A estimativa inicial é de que o ramal transporte cerca de 60 mil passageiros por dia.

Para viabilizar o projeto, o Governo de São Paulo pretende contar com a iniciativa privada, por meio de PPP. Nesta modalidade de parceria, os custos de implantação são divididos entre Estado e o concessionário – este também pode ter receita com tarifas e itens acessórios (como publicidade, por exemplo). O contrato é por prazo determinado: após o encerramento da parceria, toda a infraestrutura implantada volta para o Estado.

“A ideia de que o poder público deve fazer tudo sozinho é ultrapassada. Cada vez mais as cidades e Estados em todo o mundo contam com um parceiro privado para viabilizar projetos importantes”, comentou Procee, em reunião com o governador Geraldo Alckmin na última quarta-feira (21).

A expectativa do governo paulista é que o Banco traga experiências internacionais que possam servir de exemplo para a viabilização do projeto. Atualmente, não há em operação nenhum transporte de passageiros sobre trilhos nestes moldes no Brasil.

A missão sobre o Trem Intercidades inclui também equipes das secretarias de Governo, Transportes Metropolitanos, Logística e Transportes, Fazenda, Planejamento e Habitação, além da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), Procuradoria Geral do Estado e Comissão de Monitoramento dos Contratos de Concessões e Permissões.

Até terça-feira, o grupo vai realizar visitas de campo, percorrendo os trechos de São Paulo a Campinas e de Campinas a Americana para vistoriar o traçado e avaliar questões ambientais e de desapropriação. A missão será complementada com várias rodadas de reuniões no Palácio dos Bandeirantes, incluindo discussões sobre aspectos de engenharia e operacionais, traçado, demanda, desenvolvimento social e questões econômico-financeiras.

Para implantar o Trem Intercidades, o Governo do Estado de São Paulo necessita, também, da liberação das áreas sob gestão do governo federal no traçado da futura linha. A União já mantém uma linha de cargas no traçado pretendido e precisa liberar o Estado para ocupar as margens laterais com a linha de passageiros. Fonte: Governo de São Paulo


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Locomotivas do passado que impulsionaram a inovação sobre trilhos

No dia 13 de fevereiro de 1804, foi realizada a viagem inaugural do "cavalo mecânico", a primeira locomotiva. A máquina a vapor sobre trilhos destinava-se ao transporte mais rápido e eficiente de matérias-primas.


A primeira locomotiva do mundo, construída em 1804 por Richard Trevithick. A mineração foi o motor da economia europeia no começo do século 19. O carvão era a matéria-prima para o aquecimento da casas – já que as cidades cresciam sem parar – e para as máquinas a vapor. Para transportar quantidades cada vez maiores de carvão, colocou-se uma máquina de tração sobre trilhos.

O diretor técnico do Museu Ferroviário de Bochum-Dalhausen, Thomas Huhn, explica que os trilhos sempre foram usados na mineração, só que os vagões eram puxados por cavalos. O construtor galês Richard Trevithick foi o inventor do "cavalo mecânico", que podia fazer mais força, sem nunca se cansar. Um cavalo com a força baseada na já então famosa invenção de James Watt, a máquina a vapor. Fonte: Bahn Museum



quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Trem BNSF transporta quatro fuselagens Boeing 737 MAX-8

Um trem de cargas BNSF que transporta quatro fuselagens Boeing 737 MAX-8 lentamente se afasta do túnel do centro de Seattle e passou da Estação King Street, indo para a fábrica de Renton para montagem final. As fuselagens são fabricadas pela Spirit Aerosystems em Wichita, no Kansas. 


Os trens de cargas de hoje, são capazes de transportarem um grande número de cargas, desde grãos, minério, automóveis e até fuselagem de aviões. Foguete Soyuz também foi transportado para a plataforma de lançamento por uma locomotiva no Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. Fonte: BNSF



_____________________Revista Eletrônica Transportes Sobre Trilhos - O Futuro da Mobilidade - RETT_____________________
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...