sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Bombardier testa novo trem na Suécia



Clique para ampliar
"Trem Verde" gera eletricidade a partir da frenagem
A Bombardier Transportation, junto com pesquisadores da Suécia, divulgou nesta quarta-feira (25/01) os resultados do projeto Gröna Tåget, ou “Trem Verde”, que tem como objetivo juntar idéias, propostas e soluções técnicas para tornar os serviços de trens do país – tanto de longa distância quanto regionais rápidos – mais eficientes e com menor consumo energético.

O projeto, conduzido pela Administração Sueca de Transportes, em parceria com a Bombardier Transportation e o Instituto Real de Tecnologia de Estocolmo, utiliza um trem elétrico rápido do tipo pendular, baseado no trem Bombardier Regina, capaz de atingir 300 km/h em linhas exclusivas para trens de alta velocidade.

O veículo em teste atingiu 303 km/h – um recorde para a Suécia. Com design aerodinâmico e motores que geram eletricidade a partir da frenagem, o Trem Verde conseguiu baixar o consumo de energia entre 30% e 35%. Além disso, graças ao perfil dos trilhos nórdicos, que são mais largos, o trem também é mais largo, o que garante mais espaço para os passageiros.
De acordo com o diretor de comunicação da Bombardier Transportation, Luis Ramos, outra grande vantagem do Trem Verde é poder circular nas vias férreas já existentes. “Ele possui um truque inteligente, que ajusta o veículo às características da via”, afirmou.

O Gröna Tåget está sendo testado desde 2005 e já percorreu 500 mil quilômetros, em diferentes condições climáticas e temperaturas. Quando o projeto for finalizado, os resultados serão abertos às empresas fabricantes do setor.
RF

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Concessionárias querem unir Trem e Metrô no Rio

Os grupos Odebrecht e Invepar estão avaliando a fusão de seus sistemas de transporte ferroviário no Rio de Janeiro. Isso significaria unificar as operações da Supervia, controlada pela Odebrecht, que opera o serviço de trens urbanos da região metropolitana do Rio, e o Metrô do Rio, da Invepar, concessionária do metrô das linhas 1 e 2. Segundo apurou o Brasil Econômico, as conversas começaram há mais de um ano e contam com o aval do governo estadual.Quem acompanha as conversas pelo lado do Estado é Julio Lopes, secretário de Transportes.

A negociação está adiantada, segundo pessoas próximas das operações. O primeiro passo da unificação é a integração operacional, com o sistema de bilhete único. O passo seguinte seria a formalização de joint venture entre as concessionárias. A fusão entre as duas empresas dependeria do resultado da integração dos dois sistemas.

O que está por trás do interesse de unificar as operações é a tentativa de melhorar o sistema de transporte fluminense, sobretudo, para dar capacidade ao Estado de receber eventos esportivos nos próximos anos, como a Copa do Mundo, em 2014.

A Odebrecht está nas negociações por meio da Odebrecht TransPort, que atua nas áreas de mobilidade urbana, rodovias, sistemas de logística e aeroportos e controla, por exemplo, a ViaQuatro, concessionária da Linha 4 Amarela do Metrô de São Paulo, e a Embraport, terminal portuário privado multiuso, em Santos (SP).

A Invepar, empresa de infraestrutura e concessões, tem como principais acionistas os maiores fundos de pensão do país: a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ), Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) e Fundação dos Economiários Federais (Funcef), além da construtora OAS. A Invepar opera também a Lamsa, que administra a Linha Amarela, importante via expressa do Rio, e a concessionária de rodovia Raposo Tavares, em São Paulo. Procuradas, as empresas não confirmaram as negociações.

Governo do Rio de Janeiro, que acompanha de perto as negociações, quer garantir que o sistema de transporte seja capaz de atender a turistas durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.

25/01/2012 - Brasil Econômico

domingo, 15 de janeiro de 2012

Turistas conhecem jacarés e experimentam cardápio de café colonial. Empresários lucram com os negócios.


Trem de turismo promete na Zona da Mata Mineira, o Expresso Pai da Aviação está em fase final e logo iniciará os testes, o Prefeito de Santos Dumont já autorizou as reformas necessárias na estação para atender os turistas.
Veja o vídeo da Litorina das montanhas no Espírito Santo.


O setor de turismo se destaca como um dos bons negócios para 2012. Viajar de trem sempre seduziu o brasileiro. Agora, trechos da malha férrea brasileira voltam a funcionar. No Espírito Santo, por exemplo, quem anda de trem aproveita as paradas para fazer compras, comer bem e até conhecer jacarés.


É o trem que move a economia nas montanhas do Espírito Santo. Na viagem de 46 quilômetros, a litorina passa pela Mata Atlântica, cruza pontes. Avança entre túneis.


O trem voltou a funcionar há pouco tempo, menos de dois anos, e 5 mil turistas já fizeram a viagem. O ponto de partida é a Estação Ferroviária de Viana, a 20 quilômetros de Vitória. Quem vai até o local, além do passeio, conhece também o trabalho de artesãs capacitadas pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).


O projeto “Trem é turismo” instalou artesãs nas estações em que o trem para durante a viagem. “Isso aí também diminuiu um pouco o êxodo rural. Eles podem estar aqui e estar agregando valor, podem trazer renda para as comunidades em que vivem”, diz Rodrigo Belcavello Barbosa, do Sebrae de Domingos Martins, no ES.


O Sebrae levou consultores que mudaram o design. Agora, os produtos são inspirados nos ícones históricos, religiosos e geográficos da região. Antes do embarque, os turistas conhecem as peças. Depois das compras, a viagem começa. A primeira parada é na ponte de ferro sobre o Rio Jucu. Ela tem 65 metros de extensão. A litorina de 40 toneladas segue a todo vapor.