segunda-feira, 28 de julho de 2014

Rio de Janeiro vai abrir licitação para expansão de três linhas do metrô

O governo do Rio de Janeiro vai licitar no mês de setembro os projetos básicos de três novas linhas de metrô: Estácio-Carioca-Praça XV; Uruguai-Engenhão e Jardim Oceânico-Alvorada-Recreio. A estimativa é que os novos trechos beneficiem 912 mil passageiros por dia.

A ampliação da rede metroviária vai atender também os moradores da Baixada Fluminense. Um grupo de trabalho composto por especialistas da Rio Trilhos foi criado para desenvolver estudos que visam à linha Pavuna-Baixada Fluminense. A resolução foi publicada no Diário Oficial nesta quinta-feira (24).


Características das linhas

A Linha Jardim Oceânico-Alvorada-Recreio terá 14 estações e percorrerá 16,9 quilômetros de extensão. A estimativa é de que 302 mil passageiros circulem no trecho por dia. A Linha Uruguai-Engenhão receberá seis estações em um trecho de 8,9 quilômetros. A previsão de demanda é de 160 mil passageiros por dia.

A Linha Estácio-Carioca-Praça XV terá três estações e percorrerá um trecho de 3,7 quilômetros. A demanda estimada é de 450 mil passageiros por dia. Fonte:  G1 Rio

domingo, 27 de julho de 2014

Birmingham Marylebone - Londres

Chilterns Ferrovias lançou várias imagens do novo Classe 68s que deverão entrar em operação em sua rota Birmingham Marylebone Londres para ainda este ano.

Em abril, Chiltern assinou um acordo com Rail Services diretas (DRS) para seis Classe 68 locomotivas que serão introduzidos na locomotiva de prata Mark 3 da frota de trens.

As locomotivas construídas na fábrica da Vossloh, em Valência, na Espanha foram fornecidas ao abrigo de um contrato de arrendamento a partir de sub DRS e será numerado 68010-68015.

Os primeiros veículos chegarão com Chiltern no Outono de 2014 para a formação do condutor e prevê-se que eles serão usados ​​no serviço de passageiros a partir de inverno 2014.


sexta-feira, 25 de julho de 2014

Metrô Alstom - Lima Peru

O Metrô de Lima, conhecido como El Tren Eléctrico por residentes de Lima, é um trem metropolitano que liga atualmente o sul de Lima, com o centro da capital do Peru .

Apesar de a linha ter obtido 32 carros e a construção concluída de 7 estações, ao longo de muitos anos, ele não operou um serviço comercial em 1990, durante a primeira presidência de Alan García (1985-1990), pois a seção construída não tinha a distância ou demanda exigida para torná-lo comercialmente viável. A construção do Metrô de Lima permaneceu paralisado desde então sob acusações de suborno, depois de um investimento de 226 milhões de dólares co-financiados pelo governo italiano.

Assim, o Governo peruano no âmbito da segunda presidência de Alan García (2006-2011) colocou o Ministério dos Transportes e Comunicações encarregado de completar a Linha 1.


quarta-feira, 23 de julho de 2014

Metrô da Alstom - Ásia

A Alstom Transport JV SATCO entregou os dois primeiros trens de 42 novos trens de metrôs encomendados pela Land Transport Authority de Singapura (LTA) em fevereiro de 2012 (o maior contrato da empresa na Ásia-Pacífico).

Estes são os primeiros metrôs a serem fabricados na Ásia para LTA em Cingapura, sendo de fundamental importância para a Alstom, mas também o primeiro envolvimento de SATCO no projeto detalhado e 3D dos trens e da produção para exportação. Os metrôs são estimados para estar em operação em meados de 2015.

Os novos trens, que pertencem à gama Metropolis da Alstom, são parte dos esforços da LTA para melhorar a capacidade ferroviária existente para os próximos anos. Dos 42 trens, 18 trens visam o Oriente Linha do Norte (NEL) da rede, enquanto o Circle Line (CCL) receberá os 24 trens. Isto irá melhorar a capacidade da frota por 60-70% em ambas as linhas.


sábado, 19 de julho de 2014

Metrô Vancouver - British Columbia, Canadá

O metrô de Vancouver é chamado skytrain como ele é executado na maioria em elevado, exceto por quatro estações de metrô no centro da cidade. A extensão da Linha Millennium construído em 2002 inclui um par de estações interessantes que incorporam projetos orgânicos, da costa oeste arquitetura de madeira e modernos designs de metal e vidro.


Vancouver British Columbia, Canadá 



Data de abertura03 de janeiro de 1986
Comprimento da rede69,5 km (43.19 mi)
Estações49 (47 * )
Linhas3
Estações por linha16,33
Médio. estação de distância1.511 m (0,94 km)
Médio. comprimento da linha23,17 km (14,40 km)
com estações de transferência contado uma vez
Os dados numéricos por J. Serradell, 11 de setembro de 2009
Tipo de sistemametro (conhecido como Skytrain)
Ridership diária(por J. Kennes)329.000 (2011)
Ridership diário por km (por km)4.730 (2.940)
Cobrança de tarifaSistema de Honra
Operação de 24 horasNão
CaminhoCerto, avaliar: 1.435 milímetros
Fonte de energiaTerceiro trilho, 600 V
Trens com ar-condicionadoSim
Trens walk-throughSim
Trens de PneusNão
Linhas sem condutorSkytrain, tecnologia LIM, atualmente o mais longo sistema automatizado do mundo (desde 1986)
Portas de plataformaNão
Fonte: Metro Mundo Banco de Dados

sexta-feira, 18 de julho de 2014

A Chinesa CRCC assinou com a empreteira Camargo Corrêa

A visita do presidente da China, Xi Jinping, rendeu ao Brasil um acordo entre empresas dos dois países para explorar ferrovias no Brasil.

A CRCC (China Railway Construction Corporation) assinou com a empreiteira Carmargo Corrêa um termo de acordo para estudar a formação de consórcios para disputar leilões de concessões de trechos de ferrovias.



Segundo a Folha apurou, o primeiro negócio que o futuro consórcio pode disputar é o leilão do trecho de ferrovia que liga Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO).

DIFICULDADES

Os estudos para o leilão já estão prontos, mas não foram levados à frente porque o governo vinha tendo dificuldades em encontrar interessados na licitação.

Outros cinco trechos de ferrovias devem ser estudados pelos chineses como potencial de investimentos no Brasil nos próximos anos.

A China tem interesse em investir em infraestrutura no Brasil para facilitar exportações de produtos brasileiros para seu território, como grãos e minério de ferro.

Fonte: Folha de S. Paulo
Publicada em:: 17/07/2014

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Trens de cargas na Europa

Transporte ferroviário de mercadorias em CP5, em toda a Inglaterra, País de Gales e Escócia, £ 206.000.000 serão gastos entre 2014 e 2019 para desenvolver rede de carga estratégica do Reino Unido. Isso inclui grandes projetos como o Grande principal realce calibre linha ocidental, Felixstowe - Nuneaton Fase 2 e os portos do Norte e Trans-Pennine capacidade de carga.

Encontrar a capacidade extra não é o único desafio. Convencer os políticos que transporte ferroviário de mercadorias é a estratégia correta para o transporte de mercadorias em todo o país.



quinta-feira, 10 de julho de 2014

Locomotivas foram trazidas de Halifax - Canadá

Um lote de sete locomotivas da Estrada de Ferro Carajás foi desembarcado no Porto do Itaqui. As máquinas são do tipo SD80AC, equipadas com motores diesel/elétricos, com potência de 5,3 mil HP (horse power, ou cavalo-força, em tradução livre), com bitola de 1,6 metro (m). A Vale não divulgou mais informações sobre o assunto. (2012)


As locomotivas foram trazidas de Halifax, no Canadá, no navio Stellanova, de bandeira holandesa, com 96 m de comprimento e 18 m de largura, com 5.198 toneladas de porte bruto. Segundo fontes do setor portuário, a embarcação atracou segunda-feira (2012) no berço 103 do Itaqui e concluiu a operação quarta-feira.

Cada locomotiva pesa, em média, 183 toneladas. A operação de descarga é realizada com auxílio dos guindastes do navio. Primeiramente, são descarregados os trucks (as rodas e eixos da locomotiva), que são instalados nos trilhos do cais do porto. O segundo passo é içar o maquinário do porão do cargueiro e assentá-lo diretamente nos trucks.

Histórico - Os descarregamentos de locomotivas da EFC no Porto do Itaqui são parte do projeto de duplicação da ferrovia. O último registro feito por O Estado de uma operação desse tipo ocorreu em maio do ano passado. Foram descarregados cinco maquinários, que chegaram no navio Industrial Egret, de bandeira de Antíqua e Barbuda, com 140 m de comprimento e 20 m de largura.

Fonte: Via Rail/O Estado

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Locomotivas transportam carvão ainda nos dias de hoje

A China com sua tecnologia ferroviária crescente é o país que mais cresce em evolução e construção de ferrovias, mas o carvão continua a ser uma indústria dominante na China.

Enquanto trens elétricos de passageiros entre grandes cidades atingem velocidades que podem chegar até 380 km/h, as locomotivas a vapor como as retratadas abaixo ainda são usadas ​​para transportar o carvão para as usinas que geram a eletricidade.

.
Fonte: National Geographic

terça-feira, 8 de julho de 2014

VLI testa locomotiva com tração de corrente alternada

A VLI iniciou, no último mês de junho, os testes com a locomotiva de tecnologia AC (siga em inglês para corrente alternada) de bitola métrica, operação que acontece em conjunto com a Electro-Motive Diesel (EMD), fabricante do ativo. A primeira movimentação contou com um trem carregado com 21 vagões de fertilizantes, que partiu de Contagem (MG) em direção ao Triângulo Mineiro. Ao todo, 2.065 toneladas foram tracionadas.

Ativo é fabricado pela Electro-Motive Diesel e promete aumentar a produtividade operacional

A operadora logística continuará realizando testes com locomotivas de tecnologia AC por mais seis meses, tracionando trens de açúcar, grãos e fosfato no corredor Centro-Sudeste. Após as operações, se aprovado, o ativo poderá integrar o portfólio de locomotivas homologadas pela engenharia da companhia para futuras aquisições.

A principal novidade do equipamento fica por conta de seu motor de tração de corrente alternada que até o momento não existia em bitola métrica (1 metro) no Brasil, sendo utilizada apenas em modelos para bitola larga. Hoje, a tecnologia DC, de corrente contínua, representa 100% da frota de locomotivas métricas no país. Desenvolvida nos anos 2000, a tecnologia AC permite um controle eletrônico mais preciso e um aumento de cerca de 50% da capacidade de transporte de duas locomotivas de mesmo peso e potência.

Além da possibilidade do aumento de capacidade, outra grande vantagem da tecnologia AC é que ela permite a circulação das locomotivas de forma mais eficiente em condições extremas, como em curvas estreitas e rampas muito inclinadas, reduzindo os impactos na circulação e a manutenção dos trens. Para o gerente de Processos da VLI, João Silva Júnior, esse é um fator extremamente estratégico uma vez que os trens da empresa circulam normalmente em traçados sinuosos, o que demanda muita redução de velocidade com as locomotivas de corrente contínua.

Ainda de acordo com o gerente, a companhia cada vez mais investe em inovação, com ativos mais modernos e capacidade para de fato suportar o crescimento de volume da VLI. “Com o desenvolvimento da corrente alternada para a bitola métrica, podemos ganhar em agilidade, produtividade e confiabilidade para nosso sistema logístico”, garante.

Teste

A operação para análise de viabilidade de aplicação da tecnologia AC em bitola métrica foi realizada após três anos de desenvolvimento de um projeto por parte de uma equipe de mais de 50 pessoas da VLI. Entre os profissionais envolvidos estavam técnicos, engenheiros e maquinistas da empresa, juntamente com colaboradores da fabricante, a EMD.

Segundo o gerente da EMD, Marcell Mazzo, ao longo dos últimos 20 anos a tração AC provou ser superior à tração DC no desempenho de aderência da roda ao trilho e em relação aos custos gerais de ciclo de vida das operações de frete em todo o mundo. “O resultado obtido na América do Norte, Ásia, Austrália e Índia, entre outros, locais foi um dos maiores ganhos de produtividade na história da ferrovia de carga. Agora é vez de o Brasil provar essa tecnologia em bitola métrica com a locomotiva GT46AC”, diz. Fonte: VLI

Brasil quer atrair russos para ferrovias

O governo brasileiro quer atrair a Rússia para investir nos leilões das ferrovias brasileiras que serão abertos no ano que vem. A visita do presidente Vladimir Putin será o momento para a consolidação de um memorando de entendimento para tratamento preferencial de investimentos entre os dois países, o que abriria as portas das licitações brasileiras para a RZD International, operadora do sistema ferroviário russo. 


As dificuldades enfrentadas pelo Brasil para atrair investimentos privados nacionais para as ferrovias estão por trás da busca ativa pelas empresas dos parceiros no Brics (bloco que além do Brasil, inclui Rússia, Índia, China e África do Sul). A China também já mostrou interesse nesse mercado. A RZD Internacional chama a atenção por sua expertise no transporte de cargas e na operação de ferrovias de longa distância.

"O potencial da parte comercial nossa com a Rússia é enorme, inclusive da fase de defesa. Eles têm demonstrado interesse no programa de ferrovias, que começou a andar mesmo. Podemos ter um protocolo de entendimento de tratamento preferencial de investimento, haverá um diálogo. Vamos apresentar o que temos pela frente e pronto", disse ao Estado o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges.

A dificuldade maior seria o financiamento para investimentos externos, já que a empresa se concentra no próprio território e em alguma expansão para países asiáticos. Em negociações prévias, executivos da empresa mostraram-se dispostos a participar das licitações, mas pediram a participação de um parceiro local, familiarizado com a legislação brasileira, para facilitar sua entrada nesse mercado no Brasil.

Banco. Já o financiamento pode ser facilitado com a criação do Banco dos Brics, que deve ser finalizada na próxima semana, durante a Cúpula do grupo, em Fortaleza.

No governo brasileiro fala-se nos leilões da malha ferroviária brasileira como um dos possíveis projetos iniciais a ser financiado pelo banco, com a facilidade de ser aprovado porque beneficiaria, ao mesmo tempo, dois dos membros, Rússia e Brasil.

Como os cinco membros entrarão com cotas iguais no capital do banco, a decisão sobre os projetos que serão financiados terá de seguir normas técnicas e políticas. Entre elas, o interesse dos países financiadores e a importância econômica, além de critérios de desenvolvimento sustentável - critérios nos quais fontes ouvidas pelo Estado acreditam que a proposta se encaixa.

A primeira licitação para a construção de um trecho da malha ferroviária do País já poderia ter sido feita. A estrada de ferro entre Lucas do Rio Verde (MT) e Uruaçu (GO) tem o edital pronto e liberado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), mas não foi para a rua porque o governo ainda tenta resolver o problema da falta de interesse do setor privado.

Atrair empresas estrangeiras seria uma forma de garantir o sucesso dos leilões. Até agora, além dos russos, chineses, australianos e espanhóis demonstraram interesse.

Fonte: Valor Econômico

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Mantega autoriza o Estado do Rio de Janeiro a contratar empréstimo para o metrô

O governo federal autorizou o Estado do Rio de Janeiro a contratar um empréstimo de R$ 4 bilhões. O dinheiro, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Fazenda do Rio de Janeiro, será utilizado para obras do metrô que visam melhorar a mobilidade urbana para os Jogos Olímpicos de 2016. O aumento do limite de endividamento aconteceu após revisão anual do Programa de Ajuste Fiscal (PAF), que é realizada pelo Tesouro Nacional.

Normalmente, quando é cumprida uma série de metas como a realização de superávit primário, ou controle de gastos com pessoal, a equipe econômica permite um aumento do endividamento. Em meados de junho, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, por meio de despacho publicado no "Diário Oficial da União", autorizou a contratação de R$ 4 bilhões pelo governo do Rio de Janeiro, assim como de manutenção de operações de crédito a contratar remanescentes do Programa 2012-2014, referente ao triênio 2014-2016.


Com base nas manifestações do Tesouro Nacional e da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, Mantega resolveu atender o pedido integral do Estado do Rio de Janeiro e autorizou a contratação de R$ 4 bilhões. Procurado, o Tesouro Nacional não deu mais informações sobre o assunto. O Estado do Rio de Janeiro também não forneceu detalhes sobre a operação.

Segundo dados do Banco Central, o superávit primário acumulado em 12 meses até maio do Estado do Rio de Janeiro somou R$ 2,159 bilhões ante R$ 1,594 bilhão do acumulado até dezembro.

Na sexta-feira, no entanto, foram publicados no DOU dois novos despachos do ministro da Fazenda para atender os cariocas. Num deles, Mantega autoriza o Tesouro Nacional a garantir empréstimo de R$ 3 bilhões do Estado junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a linha 4 do Metrô entre as estações Jardim Oceânico e General Osório. Em outro despacho, Mantega permitiu que o Tesouro dê aval em empréstimo junto ao Bird no valor de US$ 16,2 milhões.


Como o período para pegar o empréstimo no âmbito do PAF havia terminado em 31 de dezembro de 2013, o Conselho Monetário Nacional (MCN) reabriu o prazo para que Estados com espaço fiscal pudessem contratar operações de crédito até o fim deste ano.

A permissão para aumentar o endividamento ocorre em um momento em que alguns Estados precisam recorrer à Justiça para conseguir a liberação dos empréstimos autorizados pela União, se misturando ao cenário eleitoral.


Na quinta-feira, depois de longa batalha judicial que envolveu um pedido de prisão do secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, o governo do Paraná recebeu R$ 817 milhões de uma linha do Proinveste, programa de financiamento do BNDES. Fonte: Valor Econômico

sábado, 5 de julho de 2014

As Eternas Locomotivas a Vapor

Na década de 1950 a maioria das ferrovias foram substituindo suas locomotivas a vapor para motores diesel-elétrico. Várias locomotivas a vapor foram aposentadas, foram colocadas para exposição estática em Museus, Pátios e Terminais Ferroviários e as restantes foram para a sucata. Algumas Baldwins de 1925 foram restauradas e retornaram ao serviço de passageiros de turismo em 2007.


quinta-feira, 3 de julho de 2014

Estação Austerlitz - Paris

Paris possui seis estações de trem, cada qual com sua estação de metrô e servindo diferentes partes do país e do continente. Gare du Nord é de onde saem os trens para o Norte da França (Lille, 1h), Londres (2h30-3h), via Eurotunnel, e os países ao norte como Bélgica (Bruxelas, 1h20), Holanda (Amsterdã, 4h), Alemanha (norte, Berlim, 7h20, com conexão; Colônia, 4h; Hamburgo, 7h, com conexão) e Escandinávia (Copenhague, 13h, via Hamburgo).


A Gare de l'Est fica próxima da Gare du Nord, e, como o nome indica, os trens partem para o leste do país, regiões de Champanhe (Reims, 1h30), Lorena (Nancy, 3h45; Metz, 4h), e Suíça (Zurique, 6h), Áustria (Viena, 15h) e Luxemburgo (Luxemburgo, 3h), além de outras partes da Alemanha (Munique, 10h). Ambas as estações fazem conexão com as linhas 4 e 5 do metrô e linhas B e D do RER.

A Gare d'Austerlitz serve o Vale do Loire (Orléans, 1h; Blois, 1h30), parte da região de Bordeaux (Bordeaux, 3h), Espanha (Barcelona, 8h) e Portugal (Lisboa, 18h).

Trens da Gare de Lyon vão para boa parte do interior francês (incluindo a Côte d'Azur, Nice, 7h; Marselha, 2h50; Grenoble 3h50), Suíça (Berna, 4h45; Genebra, 5h30) e Itália (Veneza, 10h; Roma, 11h30, ambas via Milão). Estas duas últimas estações estão separadas pelo Sena, no canto sudeste da cidade, ambas ligadas às linhas 1, 5 e 10 do metrô, bem como aos RER C (Austerlitz) e A e D (Lyon).

A Gare St-Lazare serve trens vindos do Reino Unido pelos ferries, assim como da Normandia (Rouen, 1h10; Caen, 1h40).

A Gare de Montparnasse é a mais moderna das estações e serve o oeste (Nantes, 2h20; Le Mans, 1h) e o sudoeste francês (La Rochelle, 3h), além da Espanha (Madri, 14h). Conexão com metrôs 4, 6, 12 e 13. Fonte: SNCF


terça-feira, 1 de julho de 2014

Estação de trem do Maracanã no Rio de Janeiro vai operar com todos os cinco ramais

Atualmente funcionando apenas em dias de jogos da Copa do Mundo no estádio, a estação de trem do Maracanã será inaugurada oficialmente nesta quarta. Segundo a Secretaria de Transportes do Estado, passageiros da Supervia já poderão embarcar e desembarcar normalmente nas plataformas da estação multimodal, que custou R$ 178 milhões financiados pelo Banco do Brasil. 


A Estação Maracanã, que antes da reforma atendia apenas à linha Deodoro, passa, a partir de amanhã, a operar com todos os cinco ramais. A Secretaria de Transportes não informou sobre a estimativa de passageiros que devem passar pelo local diariamente. 


Para outro ponto a ser usado pelo público do Maracanã, a Estação São Cristóvão, no entanto, ainda não há previsão de instalação da cobertura na nova plataforma, que recebe 30 mil pessoas por dia. “Quando chove, temos que nos abrigar embaixo do viaduto, porque não tem cobertura nessa plataforma. E mesmo as que têm cobertura, são essas de 10 metros que abrigam poucas pessoas”, disse o administrador Gustavo Lousada, 34. A Supervia informou que investe R$ 376 milhões na reforma e modernização das estações, e que planeja instalar cobertura total no local.


Fonte: O Dia