domingo, 29 de março de 2015

Estado e município estudam metrô da Barra para Jacarepaguá

Segundo o secretário da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho, o fato de a prefeitura ter construído BRT em trajeto similar não impede o projeto, que deve ser uma PPP. A prefeitura e o governo estadual elaboram um projeto em conjunto para levar a malha metroviária até Jacarepaguá. 

O anúncio foi feito por Pedro Paulo Carvalho em visita às obras da Linha 4 do metrô, na Barra da Tijuca. De acordo com o secretário municipal da Casa Civil, pré-candidato à sucessão de Eduardo Paes, a inauguração, ano passado, do corredor exclusivo para ônibus Transcarioca — que custou R$ 2 bilhões e liga a Barra ao Galeão via Jacarepaguá — não impossibilita a medida.

Novo Trem de Metrô da Linha 4 - Foto: Governo do Estado

O projeto em estudo prevê a ligação de uma estação no Terminal Alvorada até uma outra, na Freguesia, passando por baixo da Avenida Ayrton Senna. Pedro Paulo disse avaliar a possibilidade de uma parceria público-privada para a construção. Ainda não há previsão para que a obra seja licitada. Fonte: O Dia/Paulo Cappelli

terça-feira, 24 de março de 2015

Modelo do Veículo Leve Sobre Trilhos está aberto para visitação no Rio de Janeiro

As pessoas que passarem pela Cinelândia, no centro da capital fluminense, poderão visitar um modelo do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) exposto de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 14h. O novo transporte ligará o Centro à região portuária em aproximadamente 28 quilômitros, com 32 paradas.

O sistema fortalece o conceito de transporte público integrado ao conectar metrô, trens, barcas, teleférico, BRTs, ônibus convencionais e o Aeroporto Santos Dumont. Quando estiver em circulação, a previsão é que sejam transportados 300 mil pessoas por dia.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, visitou o protótipo no domingo (22) e classificou o VLT como um bonde moderno. “É óbvio que depois do transtorno gerado nas vidas das pessoas, é importante que todos tenham noção do que vem por aí. Este transporte vai permitir que carros sejam retirados do centro. Acho que esta é uma evolução que a cidade esperava há muito tempo, a volta daquilo que nunca deveria ter saído do Rio de Janeiro.” 

O estudante Bruno Nascimento, de 29 anos tem boas expectativas quanto ao novo transporte. “Acho que o VLT vai trazer grandes benefícios para a cidade, principalmente devido ao grande movimento de veículos no Rio. Parece ser muito bacana, estou torcendo para que venha a reduzir o tempo de viagem na região”.


Para Graciete Augusta da Silva, de 60 anos e moradora de Bangu, a mobilidade vem para melhorar diversas regiões do município. “Mesmo antes das intervenções para as obras, já era difícl a locomoção, hoje em dia então, está cada vez pior. A zona oeste também deve ser atendida da mesma forma”.

Segundo a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), a distância média entre os pontos será de 300 metros e cada composição tem capacidade para até 420 passageiros. Os trens possuem ambiente climatizado, sistema de alto-falante e de câmeras de vigilância, acessibilidade a portadores de deficiência e por serem elétricos, não poluem o ambiente. O tempo máximo de espera entre um trem e outro vai variar de 2,5 a 10 minutos, de acordo com a linha.

O projeto prevê a entrega e operação de 32 trens de 3,82 metros de altura, 44 metros de comprimento por 2,65 metros de largura, com ocupação de seis passageiros por metro quadrado em pé, mais 64 passageiros sentados, além do espaço para dois passageiros em cadeiras de rodas. Os trens serão bidirecionais e compostos por sete módulos articulados. Cada VLT é equipado com oito portas por lateral. Os primeiros cinco trens estão em produção na França e deverão chegar ao país em meados deste ano. Os outros 27 trens serão produzidos no Brasil, com transferência de tecnologia.

O sistema de pagamento será por validação voluntária, inédito no país. A integração via Bilhete Único Carioca também está prevista. De acordo com a Cdurp, para a instalação de catracas, seria necessária a construção de estações em cada ponto, o que tornaria o projeto limitado. O controle de passageiros e a diferença na validação serão aferidos por sistemas eletrônicos de contagem.

As obras do VLT começaram com as intervenções do Porto Maravilha nas vias já urbanizadas, com a preparação da calha para os trilhos em diversas ruas e trechos da Via Binário do Porto, incluindo o Túnel da Saúde, todos na zona portuária. A Avenida Rio Branco, no Centro e Rodrigues Alves atualmente passam por interdições para implantação do sistema. A conclusão das obras estão previstas para 2016. Fonte: Agência Brasil

quarta-feira, 18 de março de 2015

Veículo Leve Sobre Trilhos da Alstom - Dubai

A linha de VLT de Dubai, similar ao que será implantado no Rio de Jnaeiro, inaugurada em novembro de 2014, tem 11 estações com ar condicionado, pode transportar cerca de 27.000 passageiros por dia.

A Alstom oferece expertise inigualável em cada setor da indústria de transporte ferroviário (material rodante, sinalização, infra-estrutura, serviços, etc.) e um currículo internacional de realização. Soluções integradas da Alstom combinam todas as competências da empresa em uma única solução otimizada para atender aos objetivos de seus clientes. Fonte: Alstom

terça-feira, 17 de março de 2015

Abril serão assentados os primeiros trilhos do Veículo Leve sobre Trilhos - VLT Rio de Janeiro

Provavelmente, já em abril serão assentados os primeiros trilhos do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que circulará no Centro do Rio a partir do primeiro semestre do ano que vem. A obra está adiantada em certos trechos, com o chamado concreto magro aplicado sobre as vias pelas quais o bonde moderno passará. Mas em outros trechos, como na Avenida Rio Branco, continua ainda na fase do deslocamento de redes de telefonia e do gasoduto que atende à Zona Sul da cidade. 


Mas o presidente da concessionária do VLT, Carlos Baldi, diz que as fases seguintes caminharão muito rápido. O assentamento dos trilhos, por exemplo, poderá ser feito a um ritmo de 30 metros por dia, por meio de uma máquina. No início do ano que vem, os cinco primeiros trens, fabricados na França, circularão experimentalmente a uma velocidade baixa para que se possa testar a sinalização e o sofisticado sistema de controle. O VLT corre sobre trilhos energizados à medida que passa exatamente sobre eles. O trem terá prioridade na passagem pelos cruzamentos e sinais de trânsito. Cerca de 300 mil passageiros devem utilizar o VLT por dia. Os trens circularão por 24 horas, ligando o Aeroporto Santos Dumont à rodoviária, com estações na Praça XV e na Central do Brasil, e diversas paradas (pelo menos cinco na Avenida Rio Branco) no percurso.

Não haverá cobrança manual dentro dos vagões, mas sim validadores automáticos de passagens previamente adquiridas. Quem não validar ou estiver querendo andar de graça estará sujeito a uma multa salgada pela fiscalização, que deverá ser ultrarrigorosa nas primeiras semanas para desencorajar os espertalhões. Em compensação, na fase experimental, todo mundo poderá andar no VLT sem pagar. O investimento é da ordem de R$ 1,5 bilhão. A concessionária tem quatro sócios principais em partes iguais (CCR, Odebrecht Transport, Invepar e Riopar — este formado por empresas de ônibus) e dois minoritários (a argentina BRt e a francesa RATP). Na obra civil, o VLT gera 650 empregos diretos. Quando estiver em funcionamento, empregará outras 650 pessoas. Fonte: O Globo/Abifer 

segunda-feira, 16 de março de 2015

Metrolink Trens Los Angeles

Metrolink é regido pela Autoridade Regional Rail Southern California (SCRRA), uma autoridade comum de poderes que foi formada em 1991 e é composto por cinco agências do condado de que foram incumbidos de reduzir o congestionamento rodoviário e melhorar a mobilidade em todo o sul da Califórnia: Los Angeles County Metropolitan Transportation Authority (Metro ), Orange County Transportation Authority, Riverside County Transportes Comissão, os Governos San Bernardino Associados e Ventura County Transportes Comissão. SCRRA criado Metrolink em Outubro de 1992 para preencher um vazio em infraestrutura de transporte do sul da Califórnia. Fonte: Metrolink


sábado, 14 de março de 2015

CCO e Trem Chinês SuperVia - Brasil

O TUE CNC-CNR Série 3000 (SuperVia) é um Trem unidade elétrico pertencente à frota da SuperVia. Os trens foram fabricados pela CNR, localizada na cidade de Changchun, na China. Em 2011 foram comprados 30 TUE’s (120 carros, cada TUE é formado por 4 carros) da série 3000, será um total de 60 até 2015.


O novo CCO garante mais eficiência e segurança na circulação de trens na região metropolitana do Rio de Janeiro. A equipe de controladores de tráfego da SuperVia foi homenageada com uma placa, entregue por Pezão ao supervisor de circulação, André Luiz Carvalho dos Santos, que tem 30 anos de experiência no sistema ferroviário. Fonte: SuperVia Foto Trem: Transtrilhos




segunda-feira, 9 de março de 2015

Uma das maiores rotas ferroviárias - Canadá

Do outro lado do mundo, a quinta rota de trem turístico mais longa do mundo cruza a América do Norte. No Canadá, os trilhos ligam as cidade de Toronto a Vancouver. A distância de 4.466 km é mais curta que o caminho entre Lhasa e Guangzhou, mas a duração é maior, levando três dias e meio. A demora, porém, não deve ser preocupação para quem percorre o caminho, conhecido por ser um dos mais bonitos do mundo, passando por belas paisagens do Canadá, como as Montanhas Rochosas. Isso sem falar no luxuoso trem e na comida de primeira qualidade servida à bordo. Fonte: Via Rail

domingo, 8 de março de 2015

O Futuro da Mobilidade Hoje - i Road Toyota

A Toyota anunciou that 35 unidades do elétrico i-Road Serão usadas em um Projeto de compartilhamento de Automóveis em Grenoble (França). Para entrar no mercado do Renault Twizzy (outro veículo do mesmo tipo), a fabricante japonesa se tornou parceira da iniciativa. Cabem 2 pessoas, a ideia é fazer com que o i Road alimente o transporte de massa, principalmente o sobre trilhos.



Embora lembre uma moto, o i-Road exige carteira de habilitação para o condutor, ou seja, ele precisa ter mais de 18 anos. Com dois motores elétricos de 2kW, o veículo japonês tem duas rodas na frente e uma atrás, o que faz com que ele incline como uma motocicleta nas curvas. Fonte: Toyota



sexta-feira, 6 de março de 2015

Nova rota ferroviária chinesa chega a Espanha

Os mercados atacadistas de bugigangas baratas de Yiwu, um centro de comércio a poucas horas de Xangai, prosperaram exportando seus produtos além do oceano.

Negociantes árabes e africanos se misturam a compradores europeus para adquirir artigos variados, como flores de plástico, braceletes e lanternas, que são transportados em caminhões até os portos próximos, colocados em contêineres e embarcados em navios.


Em novembro, contudo, parte da produção da cidade foi para o outro lado: um trem fretado partiu de Yiwu para Madri, inaugurando a malha ferroviária mais longa do mundo, uma viagem por cerca de 13 mil quilômetros ao longo da antiga Rota da Seda, através da Ásia Central. A estrada de ferro é parte de um dos projetos de transporte e infraestrutura mais ambiciosos da história, concebido num momento em que a China, sob o governo do presidente Xi Jinping, busca novos sonhos continentais. Fonte: Valor Econômico


quarta-feira, 4 de março de 2015

Alstom inaugura sua primeira linha de produção de VLTs na América Latina - Brasil

A Alstom inaugurou uma nova linha de produção dedicada ao Citadis, seu modelo de Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs), em Taubaté, no interior de São Paulo. A cerimônia de inauguração contou com a presença de autoridades locais, representantes da companhia e Henri Poupart Lafarge, Presidente mundial da Alstom Transport. Essa nova linha de produção - na qual a Alstom investiu cerca de R$ 50 milhões – atenderá ao mercado brasileiro e, em um futuro próximo, à América Latina, onde os projetos de VLTs estão a todo vapor. Quando estiver em operação plena, a fábrica irá gerar cerca de 150 empregos diretos.


Os primeiros VLTs a serem produzidos em Taubaté são parte dos 32 trens modelo Citadis encomendados para a cidade do Rio de Janeiro, para o consórcio do VLT Carioca, em setembro de 2013. Esse contrato é parte do projeto Porto Maravilha, liderado pelo município, para modernizar a zona portuária do Rio. A expectativa é que os modais sejam entregues entre 2015 e meados de 2016, a tempo para os Jogos Olímpicos.

“Mais do que um modelo de transporte, o Veículo Leve sobre Trilhos redesenha as cidades e oferece à população uma mobilidade sustentável, confortável e acessível. E sse sistema já foi adotado por um grande número de cidades em todo o mundo nas últimas décadas. Sem dúvida, essa tendência está começando agora no Brasil e, por isso, a Alstom investiu em uma nova linha de produção, para acompanhar novos projetos de VLTs, não só para o Brasil, mas também para toda a América Latina", afirma Michel Boccaccio, Vice-Presidente Sênior da Alstom Transport na América Latina.

A nova fábrica possui cerca de 16 mil metros quadrados e é capaz de produzir de 7 a 8 trens por mês. A unidade preza por boas práticas ambientais e utilizará, por exemplo, água proveniente de chuva para os testes feitos com água nos trens.

A Alstom já vendeu 1.900 Citadis para 49 cidades ao redor do mundo. 1500 já estão em circulação e já transportaram mais de 6 bilhões de passageiros. Fonte Alstom