sábado, 26 de setembro de 2015

Estado do Rio de Janeiro quer começar em 2016 metrô Estácio-Praça Quinze

No segundo semestre de 2016, logo depois das Olimpíadas, o governo pretende dar início à expansão da Linha 2 do metrô, ligando o Estácio à Praça Quinze. Mesmo com as obras da Linha 4 (Barra-Zona Sul) ainda em andamento, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, já planeja implementar o trecho, previsto desde 1968, quando foi elaborado o projeto original do metrô carioca. Segundo ele, pelos próximos seis meses, a concessionária Metrô Rio fará os estudos necessários para viabilizar a extensão da linha:


— A grande maioria dos usuários da Linha 2 tem como destino o Centro do Rio. Então, essa extensão vai resolver bastante o grande desafio do metrô, que é a superlotação da Linha 2. Já identificamos uma demanda adicional de 400 mil passageiros por dia para o trecho, que terá 3,7 km de extensão.

Além de Estácio, Carioca e Praça Quinze, estão previstas estações no Catumbi — que não fazia parte do projeto original — e na Cruz Vermelha.

— O Catumbi tem se desenvolvido. Com a desativação do presídio da Frei Caneca, entraram residências, vieram empresas. O Sambódromo fica ali do lado. Então, na nossa visão, tem demanda — comentou Osorio.

De acordo com o secretário, as escavações começarão pela estação do Estácio, que precisará passar por reformas, e seguirão até a Praça Quinze, onde fará a integração com as barcas e o VLT.

— Queremos encaixar o término da obra da Linha 4 com o início da expansão da Linha 2 para aproveitar os profissionais que já estão qualificados. Esse é o esforço que estamos fazendo — afirmou Osorio. Fonte: O Globo Foto: Trans Trilhos

domingo, 20 de setembro de 2015

Trens intercidades para o norte da França - Gare du Nord

A Gare du Nord com um TGV SNCF e um trem intercidades também da SNCF para o norte da França. Trens Thalys para a Bélgica, Holanda e Alemanha com correspondência Escandinávia, Polônia, Rússia); Eurostar para Londres; Nord TGV de Lille e principais cidades do norte; suburbano treina norte de Paris, especificamente a linha de trem da linha H e K do trem, TER Picardie. Foto: Trans Trilhos


segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Elétrico charme em Lisboa - Portugal

Em 18 de setembro de 1872, é fundada, no Rio de Janeiro, a Companhia Carris de Ferro de Lisboa, a qual pretendia implantar na capital portuguesa um sistema de transporte do tipo americano (carruagens movidas por tração animal e deslocando-se sobre carris). Foi autorizada em Portugal, por Decreto de 14 de novembro do mesmo ano.

Em 23 de janeiro de 1873 , o escritor Luciano Cordeiro de Sousa e seu irmão Francisco, diplomata, obtêm os direitos para a implantação de um sistema de transporte na cidade de Lisboa, denominado Viação Carril Vicinal e Urbana a Força Animal, primeira linha implantada. Foto:TransTrilhos/Texto: Carris.transporteslisboa.pt


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Futuros Condutores do VLT do Rio de Janeiro nas vias de Paris

Grupo que vai operar os primeiros trens do Rio de Janeiro passa um mês em treinamento na França

A primeira equipe de operadores dos trens da Concessionária do VLT Carioca, contratada pela Prefeitura do Rio para implantar e operar o Veículo Leve sobre Trilhos, embarcou no sábado, 5 de setembro, para Paris, na França. Futuros inspetores, fiscais e supervisores do sistema, os 14 profissionais com larga experiência na condução de transportes públicos de massa passarão um mês em treinamento com aulas teóricas e práticas. Além de conduzir e controlar a frota formada por 32 composições, vão atuar como multiplicadores, responsáveis pela formação e treinamento de outras turmas.


Os primeiros 14 profissionais em capacitação em Paris são ex-motoristas de ônibus e ex-operadores do metrô e dos trens do Rio.

O rigoroso processo seletivo teve duração de 120 dias. Inicialmente, 72 profissionais foram escolhidos. Na etapa final, os 28 aprovados foram divididos em duas turmas para temporada de capacitação. O curso tem módulos específicos de exercícios de simulação e ambientação.

Aos 61 anos, Rogério Studart, um dos condutores pioneiros do metrô do Rio que trabalhou no sistema por 35 anos, está entusiasmado com a nova função. Após dois anos aposentado, volta ao mercado com a oportunidade de reviver a experiência de acompanhar a criação de um novo transporte carioca. Assim como agora, há quase quatro décadas, o futuro operador do VLT iniciou carreira no setor antes do metrô entrar em operação. “Não poderia desperdiçar a chance de passar mais uma vez pelo processo de criação deste novo modelo transporte que trará benefícios à cidade. Desta vez, com meus 35 anos de bagagem, além de aprender, poderei contribuir com meus conhecimentos. Quero ser parte integrante deste marco da mobilidade carioca”, disse Studart.

O primeiro mês de formação será no centro de treinamento da empresa responsável pela operação dos trens do metrô e do VLT que circulam por Paris. A francesa Régie Autonome des Transports Parisiens (RATP), referência mundial na operação de transportes públicos de massa como metrô, ônibus, VLT e trens urbanos em países como França, Itália, Inglaterra e Estados Unidos, integra grupo de empresas que compõe a concessionária. Os condutores terão acesso a treinamentos em vias de testes planejadas especialmente para o curso. Ao longo dos módulos práticos, eles conduzirão trens em operação na linha T3, que dispõe dos VLTs mais modernos em operação em Paris. Conduzindo veículos sem passageiros, treinarão ações rotineiras como aceleração e frenagem em trechos com travessia de pedestres e sistema de semáforos. De volta ao Brasil, os condutores passam por três semanas de treinamentos em São Paulo e no Rio. O curso de formação terá sete meses de duração. Fonte: Concessionária VLT Carioca/Porto Maravilha



terça-feira, 8 de setembro de 2015

Trem Railvac Escavadeira

O trem Railvac é uma máquina de escavação única que transporta o material por meio de vácuo com fluxo de ar. A máquina é montada em trilho e é concebida para se deslocar em velocidades de trecho, capaz de rebocar até quatro carros de lastro totalmente carregados. A combinação de um poderoso braço de escavação com dois motores e bombas de vácuo faz com que seja capaz de escavar lastro compactado, argila, lama, água, areia e solo. O braço de escavação pode funcionar a distâncias de até 15 metros da via central.

O material é extraído através do tubo de sucção é depositado no reservatório principal. O pó fino, em seguida, é executado através de um sistema de filtração, a remoção do pó a partir do fluxo de ar. Os elementos filtrantes são limpos automaticamente pelo contra fluxo de ar durante a descarga do sistema de rotina.

sábado, 5 de setembro de 2015

Trens Intercidades SNCF

Com os trens Intercidades é possível viajar a preços baixos para mais de 300 destinos na França e também em boa parte da Europa. Os intercidades ultrapassam facilmente 140 km/h, com muita comodidade, conforto e rapidez. São 35 linhas em toda a França, servido 345 cidades e 21 regiões, são 12 linhas noturnas, conveniente para salvar uma noite de hotel e ficar descansado pela manhã e mais 23 linhas diurnas. Fonte: SNCF

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Índia faz testes com placas de energia solar em trens

A Índia tem uma das maiores redes ferroviárias do mundo: são cerca de 12 mil trens que carregam mais de 23 milhões de passageiros todos os dias. O custo é alto para a estatal Indian Railways - e para o meio ambiente. Segundo informações da empresa, em 2012 foram consumidos 3 bilhões de litros de diesel e cerca de 14 bilhões de quilowatts-hora de eletricidade na operação dos trens. 


Para diminuir o peso dos combustíveis no balanço, a Indian Railways deu início a um plano de uso de fontes de energia renováveis e acaba de colocar em funcionamento seus primeiros vagões abastecidos com energia solar. Os painéis de captação solar foram instalados no teto de vagões sem ar condicionado da linha Rewari-Sitapur, operada pela Northern Railway, em caráter experimental, em junho deste ano.

O custo de instalação dos painéis, de acordo com o jornal indiano The Economic Times, foi de US$ 6 mil por vagão. A energia gerada por eles é de cerca de 17 unidades de potência por dia, o que permite alimentar o sistema de iluminação do vagão. Em um ano, a economia esperada com gastos de energia é de US$ 1,9 mil. Para se locomover, no entanto, o trem ainda usará diesel. A energia solar será usada, por enquanto, apenas para iluminação e para acionar os ventiladores.

Segundo o ministro das ferrovias indiano, Shri Suresh Prabhakar Prahbu, nos últimos seis meses a Indian Railways deu vários passos no caminho da economia de energia e proteção do meio ambiente.

Em seminário sobre desafios ambientais enfrentados pela empresa, ele afirmou que o objetivo é o de reduzir a pegada de carbono da estatal promovendo as fontes de energia renováveis. A meta para os próximos cinco anos é de gerar mil megawatts de energia solar e 200 megawatts de energia eólica em substituição ao diesel.

Além dos trens, os painéis solares também serão colocados no telhado de estações ferroviárias e em passagens em nível em todo o país, por meio de investimento próprio e também em parcerias público-privada. A expectativa é de gerar 8,8 megawatts de energia solar com estas instalações. Fonte: Época Negócios