terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Fertagus - Portugal

Empresa do Grupo Barraqueiro, a Fertagus, venceu o concurso público internacional para a exploração do Eixo Ferroviário Norte/Sul, tendo-lhe sido atribuída a concessão para o Transporte Suburbano de Passageiros, com base em critérios de qualidade da sua proposta ao nível da intermodalidade, tempos de percurso, tarifário e modelo financeiro.

A FERTAGUS é, assim, o primeiro operador privado a assegurar a gestão e exploração comercial de uma linha ferroviária em Portugal, mediante o pagamento à REFER de uma taxa pela utilização das infraestruturas, sendo também a primeira vez que este mecanismo foi introduzido no sistema ferroviário português.


No âmbito do contrato de concessão, a empresa assegura a exploração da ligação ferroviária, a segurança, manutenção dos comboios e de algumas das estações da Margem Sul (do Pragal a Penalva), sendo também responsável pela venda de títulos de transporte de Eixo Ferroviário Norte/Sul, assim como pelo recrutamento, formação e gestão de toda a equipa que opera nos comboios e nas estações.

A FERTAGUS serve atualmente 14 estações numa extensão de linha com cerca de 54 km . Dez na Margem Sul: Setúbal, Palmela, Venda do Alcaide, Pinhal Novo, Penalva, Coina, Fogueteiro, Foros de Amora, Corroios e Pragal, e quatro na Margem Norte: Campolide, Sete Rios, Entrecampos e Roma-Areeiro. O tempo total de percurso entre Setúbal e Roma-Areeiro é de 57 minutos. As estações do Sul geridas pela Fertagus, estão dotadas de um elevado número de espaços comerciais, parques de estacionamento e ainda ligações a outros modos de transporte. Fonte: Fertagus

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Metrô Barra da Tijuca - Rio de Janeiro

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca — Ipanema) vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão.


A Linha 4 do Metrô entrará em operação no primeiro semestre de 2016, após passar por uma fase de testes. Será possível ir da Barra a Ipanema em 15 minutos e, da Barra ao Centro, em 34 minutos. O projeto é um dos compromissos do Governo do Estado do Rio de Janeiro com o Comitê Olímpico Internacional (COI) por ocasião dos Jogos Olímpicos. Fonte: Metrô Linha 4

Mais de 300 mil pessoas usarão a Linha 4 do Metrô todos os dias

Tempo de viagem

- Jardim Oceânico – São Conrado: 5min48s
- Jardim Oceânico – Gávea: 9min50s
- Jardim Oceânico – Leblon (Antero de Quental): 9min31s
- Jardim Oceânico – Jardim de Alah: 11min11s
- Jardim Oceânico – Nossa Senhora da Paz: 13min15s
- Jardim Oceânico – General Osório: 15min31s (Hoje, o trajeto feito pelo ônibus integração do metrô leva, em média, 1h)
- Jardim Oceânico – Copacabana: 21 minutos
- Jardim Oceânico – Botafogo: 23min24s
- Jardim Oceânico – Largo do Machado: 27min53s
- Jardim Oceânico – Cinelândia: 32min41s
- Jardim Oceânico – Carioca: 34min0s
- Jardim Oceânico – Central: 38min37s
- Jardim Oceânico – Praça Onze: 40min53s
- Jardim Oceânico – Estácio: 42min24s
- Jardim Oceânico – Saens Peña: 48min13s
- Jardim Oceânico – Uruguai: 50min58s
- Jardim Oceânico – Pavuna: 1h20min, com transbordo na General Osório (Hoje, o trajeto com metrô + integração para a Barra fica em 2h20min)
- Jardim Oceânico – Irajá: 1h10min, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – Del Castilho: 1 hora, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – Maria da Graça: 58min, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – Maracanã: 54min, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – São Cristóvão: 50min, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – Cidade Nova: 47min, com transbordo na General Osório
- Jardim Oceânico – Central: 23min
- Ipanema – Carioca: 18min
- Leblon – Carioca: 24min
- São Conrado – Carioca: 27min
- Gávea – Carioca: 34min
- General Osório – Pavuna, sem transbordo: 1 hora



sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Grupo chinês estuda investimentos em projetos de logística, como ferrovia e portos no Pará

O Grupo chinês que projetou e construiu grande parte da infraestrutura de transporte na China, incluindo o sistema ferroviário de alta velocidade, metrôs e vias expressas, firmará compromisso com o Governo do Pará para investimentos em projetos de logística, como ferrovia e portos, no Estado. A cerimônia de assinatura do protocolo de intenções será nesta segunda-feira, 25, durante audiência no Palácio do Governo, e terá a presença do governador Simão Jatene e de secretários estaduais do setor produtivo. A chegada da gigante chinesa resulta dos esforços do Governo do Pará para atrair investimentos ao território paraense. Fonte: Agencia Pará

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Locomotiva Nova Vectron - GySEV Carga

Após a entrega da primeira locomotiva de cargas com gráficos GySEV Vectron "Werbelok" em dezembro de 2015, a segunda locomotiva saiu em 5 de janeiro de 2016. Os gráficos deste veículo é idêntico ao do seu antecessor, formas dinâmicas em verde, amarelo e azul anunciam a empresa ferroviária que oferece serviços de transporte ferroviário e logística adicionais na Áustria e na Hungria.

A frota de locomotivas de carga GySEV vai ganhar uma nova Vectron em fevereiro de 2016, esta locomotiva também será alugada da ELL Austria GmbH. Deve obter o mesmo design gráfico do Loc Co. & More como as duas locomotivas anteriores. Fonte: GySEV Cargo


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Ferrovia Norte Sul começa a operar - Brasil

“A ferrovia está toda executada, 100% sinalizada, com todas as licenças de operações emitidas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (Antt) e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em dia. Então a ferrovia está 100% apta para operar”, garante o gerente regional da Valec, Charles Beniz.


Ao todo, 6,4 mil toneladas de farelo de soja devem ser levados ao Maranhão. A viagem deve durar quatro dias. A composição férrea saiu de Anápolis pela Norte-Sul até Porto Nacional, onde deve entrar na Estrada de Ferro dos Carajás para chegar ao Porto de Itaqui.

Se a carga fosse transportada por rodovias, seria necessário usar 200 caminhões. Gerente da indústria responsável pelo carregamento, Osmar Albertine acredita que substituir o transporte rodoviário pelo ferroviário é uma grande vantagem.

“Com a Norte-Sul, a gente ganha em logística, os vagões são maiores. Numa composição, você consegue transportar mais produtos, com isso, chegar mais rápido no porto, embarcar mais rápido nos navios e uma logística completa muito mais ágil”, explicou Albertine.

A previsão é que até o fim do ano 21 mil toneladas de cargas passem pelo trajeto. Outros três carregamentos devem ser feitos ainda neste ano. Fonte: G1 

domingo, 10 de janeiro de 2016

Trens Régiolis - Alstom

Desde de dezembro de 2014, funcionários da SNCF receberam formação sobre o novo trem para se preparar para a sua entrada em serviço comercial na linha Marselha-Avignon. O Régiolis será executado na linha de Avignon-Carpentras. 72 metros de comprimento, os trens Régiolis compreendem quatro carros de passageiros com capacidade para 214 pessoas. O interior oferece um alto nível de conforto, com assentos que caracterizam luzes de leitura individuais e tomadas elétricas, bicicletas e espaços de armazenamento de bagagem. Fonte: Alstom

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Construção de ferrovia bioceânica será tema de debate no Brasil

No dia 25 de fevereiro de 2016, a Assembleia Legislativa vai realizar audiência pública para debater a ferrovia biocenânica, via pacífico, através de Mato Grosso, Rondônia e Acre. O pedido está no requerimento 503/2015 de autoria do deputado Wilson Santos. O debate será realizado às 14h, no Auditório Licínio Monteiro.


De acordo com o parlamentar, a construção da ferrovia bioceânica vai encurtar o tempo e o custo de transporte de matérias-primas exportadas e importadas tanto pelo Brasil quanto pelo Peru. “A ferrovia começa no Rio de Janeiro e atravessa a floresta amazônica, passando pela Cordilheira dos Andes e termina na costa peruana, no Oceano Pacífico”, explicou Santos.

A construção da ferrovia - parceria entre a China, Brasil e Peru - exigirá um investimento de US$ 10 bilhões, especificamente juntaria os portos marítimos de Tianjin na China, com porto Bayóvar em Piura. Desse local, o trem vai percorrer um trecho de mais de oito mil quilômetros, atravessando a Cordilheira dos Andes e da Amazônia, para o Oceano Atlântico, terminando no porto de Santos, no Brasil.


Além da participação dos parlamentares, o convite para a audiência pública foi estendido ao governador Pedro Taques, à Embaixada Chinesa, deputados federais e senadores de Mato Grosso, Rondônia e do Acre, ao Ministro dos Transportes, à Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP/PR), e à Frente Parlamentar Mista Pró-Ferrovia Bioceânica. Fonte: Diário de Cuiabá/Planalto.Gov

sábado, 2 de janeiro de 2016

Amtrak ligando EUA e Canadá

A Amtrak é o nome da empresa estatal federal de transporte ferroviário de passageiros dos Estados Unidos, com sede na capital americana. O nome oficial da empresa é National Railroad Passenger Corporation e a sua sigla surge a partir da junção das palavras "American" e "track", sugerindo assim a ideia de "carril americano".

A Amtrak opera uma rede ferroviária nacional que serve a mais de 500 destinos, em 46 estados da federação, através de 33 800 quilômetros de trilhos, com mais de 20.000 funcionários. Três rotas atendem o Canadá, servindo metrópoles como Montreal, Toronto e Vancouver, além de destinos intermediários. Fonte: Amtrak