terça-feira, 26 de julho de 2016

Locomotiva transporta Nave Soyuz para mais uma missão

Locomotiva a diesel transporta a nave soviética Soyuz TMA-08M para a plataforma de lançamento do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. A nave russa vai levar mais três tripulantes para a Estação Espacial Internacional. As locomotivas são muito bem utilizadas e muito precisas em deslocamento de grandes cargas pesadas e delicadas ao longo do século. Fonte: Cazaquistão/Divulgação



terça-feira, 19 de julho de 2016

Guindastes Multi Tasker KRC 800N da montadora alemã Kirow Ardelt - VLI

A VLI empresa especializada em operações logísticas que integram ferrovias, portos e terminais, recebeu três novos equipamentos que fazem parte do Programa de Mecanização de Via Permanente. Esse projeto tem o objetivo de ampliar o uso de máquinas em serviços realizados na malha ferroviária administrada pela companhia. Consequentemente, a estratégia possibilita o reforço da segurança e da produtividade na execução desses trabalhos. As recentes aquisições devem entrar em operação em 2016.


A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) passará a contar com um caminhão de solda elétrica que está sendo montado no Brasil com equipamentos fabricados nos Estados Unidos. Essa será a primeira estrutura do tipo utilizada na malha administrada pela VLI. A aquisição possibilitará o aperfeiçoamento nos trabalhos de soldagens de trilhos ao longo da via.

A Ferrovia Norte Sul (FNS) receberá um caminhão de ultrassom, que está sendo montado no Brasil com itens importados da República Tcheca, e um guindaste ferroviário, fabricado na Alemanha. O primeiro equipamento possibilitará o aumento na produtividade e na confiabilidade das inspeções realizadas na via. Já o segundo trará mais agilidade no atendimento a demandas que envolvam o içamento de vagões, locomotivas ou materiais pesados.

Ao total, o Programa de Mecanização de Via Permanente desenvolvido pela VLI prevê a compra de mais de 60 equipamentos de médio e grande porte entre 2012 e 2018. Durante esse período, a empresa também capacitará empregados para operar e manter as máquinas que vem sendo adquiridas. Fonte: VLI


domingo, 17 de julho de 2016

Viagem inédita fará primeira volta ao mundo de trem

No lugar das famosas RTW, como são chamadas as passagens aéreas que permitem diversos embarques em companhias aéreas de alianças internacionais, serão 35 dias de viagem por 15 cidades de 3 continentes, a bordo de 7 trens. Sim, sete trens (e a gente achava que isso só era possível em brincadeiras de crianças com suas miniaturas ferroviárias!). Nesse roteiro inédito transcontinental, os viajantes passarão por Portugal, França, Rússia, Canadá e Estados Unidos.

Considerada a primeira volta ao mundo de trem, a viagem começa a bordo do Sud Expresso no dia 24 de agosto, na estação Oriente de Lisboa, capital de Portugal e percorrerá um dos mais antigos caminhos ferroviários europeus, datado de 1887.


O roteiro inclui também almoço na fronteira com a Espanha e embarque rumo a Paris, no TGV, reconhecido, internacionalmente, por sua alta velocidade, que pode chegar a mais de 320 km/h. Na capital da França, os passageiros desembarcam para refeição na Torre de Montparnasse, de onde se tem vista panorâmica da cidade.

Dali, a experiência vai assumindo novos ares e a viagem segue até Moscou, na Rússia, considerada uma das rotas transeuropeias mais longas do planeta, com 3.169 km de extensão. A travessia de dois dias passa por cinco países e os embarcados ficam acomodados em vagões dormitórios, equipados com restaurante.

A partir da capital da Rússia, a viagem segue por mais de 9 mil km de trilhos até Vladivostok, próximo a países asiáticos como a Coreia do Norte e o Japão. Neste trecho, haverá paradas em algumas das áreas de maior dificuldade de acesso do planeta, incluindo vilarejos que ficam às margens do místico Lago Baikal. Fonte: Viagem em Pauta Fotos Divulgação Foto: Publico.pt



Volta ao mundo de trem
De 25 de agosto a 24 de setembro

Confira roteiro:

de 25 a 26 de agosto: Lisboa – Hendaya (via SUD EXPRESSO)
26 de agosto: Hendaya – Paris (via TGV)
de 27 a 29 de agosto: Paris-Moscou (via EXPRESSO PARIS – MOSCOU)
de 31 de agosto a 12 de setembro: Moscou – Vladivostok (via TRANSIBERIANO)
de 16 a 17 de setembro: Vancouver – Lake Louise (via ROCKY MOUNTAINEER)
de 19 a 22 de setembro: Jasper – Toronto (VIA RAIL – THE CANADIAN)
24 de setembro: Toronto – Nova Iorque (via AMTRAK – MAPLE LEAF)


sexta-feira, 8 de julho de 2016

50º aniversário da Ponte Rodoferroviária 25 Abril - Lisboa

Em 6 de agosto de 2016 a Ponte 25 de Abril, fez 50 anos de inauguração um ícone da cidade de Lisboa que a Direção Geral do Patrimônio Cultural está em vias de classificar como monumento nacional. Para comemorar esta data a IP vai levar a cabo um conjunto de iniciativas culturais e lúdicas, inseridas num programa de comemorações que iremos divulgar brevemente e que pretendemos que possa aproximar os portugueses da Ponte 25 de Abril e da sua história.


No ranking das pontes rodoferroviárias relativamente ao maior vão suspenso, a Ponte 25 de Abril ocupa a 1.ª posição na Europa e a 3.ª no mundo. A Ponte possui duas torres de cerca de 190 m de altura e um comprimento total entre ancoragens de 2.300 m, dos quais 1.013 m de vão central. Cada cabo principal tem 58,6 cm de diâmetro e é composto por 11.248 fios de aço.
A Ponte obrigou à escavação de 6,6 milhões de metros cúbicos de rocha e solos, consumiu 300.000 metros cúbicos de betão e 82.000 toneladas de peças de aço. 


Cada torre de aço demorou mais de quatro meses a ser implementada. Os dois cabos principais pesam 8.000 toneladas e foram construídos in loco. A viga de rigidez foi construída por secções de 300 toneladas cada, transportadas por barcaça e içadas uma a uma.
Apesar da sua imponência, a Ponte 25 de Abril é uma estrutura dinâmica e leve, flexível e com elasticidade*: não quebra; verga e resiste. É resiliente ao atrito, ao vento e aos movimentos tectônicos. Fonte: Refer/Divulgação Foto Ponte: Silvério Borges

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Senadores querem acelerar construção da Ferrovia Transcontinental uma ponte para a China

Em audiência pública conjunta nesta quarta-feira (29), entre as Comissões de Serviços de Infraestrutura (CI), de Assuntos Econômicos (CAE) e de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), os senadores ressaltaram a importância de acelerar o processo de construção da Ferrovia Transcontinental, também chamada de Ferrovia Intercontinental (Fico). Segundo os senadores, a obra é uma das mais importantes para o país, porque vai permitir a ligação do Brasil com os portos do Oceano Pacífico.


A ferrovia, que terá cerca de 5 mil quilômetros, será construída por meio de uma parceria entre Brasil, Peru e China, firmada em maio de 2015, por ocasião da vinda do primeiro-ministro chinês ao Brasil e ao Peru. De acordo com os expositores, ainda há divergências sobre o traçado da ferrovia, que passa por regiões muito importantes como áreas de proteção ambiental, reservas indígenas e de outras tradições culturais. Além disso, as bitolas — que são as larguras entre as faces interiores das cabeças de dois trilhos — no Brasil e no Peru são de tipos diferentes, o que também precisa ser acertado para dar andamento ao projeto. Essa ferrovia nos coloca de frente para os portos do Pacífico. É um velho e histórico sonho nosso: chegar ao Pacífico sem passar pela volta ao canal do Panamá. Fonte: Senado 

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Veículo Leve Sobre Trilhos - VLT Lyon

Com uma população urbana na área metropolitana de Lyon de mais de 2,6 milhões, com  uma estimativa de 50.000 turistas em Lyon, de acordo com a Agência de Desenvolvimento Aderly Lyon Espaço Econômico. Ao lado de profissionais trabalhando em Lyon, a cidade recebe cerca de 16.000 alunos todos os anos dentro de uma população estudantil de cerca de 120.000. O VLT é mais uma entre várias opções de transporte na cidade francesa. Fonte: Graduate Lyon