segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Expansão Ferroviária - Inovação 2019

Uma frota de cerca de 75 ônibus que executam centenas de serviços por dia será necessária para substituir a ferrovia Epping a Chatswood por mais de meio ano, quando estiver fechada para obras para prepará-la para a ligação ferroviária ao noroeste.

O governo do estado confirmou que planeja fechar a linha Epping para Chatswood, que abriu em 2009, por sete meses, do final de 2018 até o início de 2019.


Estima-se que 14.000 pessoas por dia precisarão usar ônibus de substituição em estradas já lotadas durante esse período, antes que a linha de trem seja reaberta com trens mais freqüentes, porém menores, operando na ligação ferroviária noroeste.

A Fairfax Media havia relatado anteriormente especulações da indústria de que a linha poderia ser fechada até seis meses para que as obras fossem realizadas. Fonte: The SMH Austrália


domingo, 23 de dezembro de 2018

Chinesa BYD assumirá fabricação do monotrilho

Conhecida principalmente por ser a maior fabricante de baterias de íon de lítio do mundo, a empresa chinesa BYD (da sigla Build Your Dreams, construa seus sonhos) assumirá a fabricação do monotrilho da Linha 17-Ouro do Metrô de São Paulo. A informação foi revelada nesta sexta-feira pela colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de São Paulo, e confirmada ao site pela Secretaria dos Transportes Metropolitanos.


Hoje o trabalho de construir os trens e também instalar sistemas de sinalização e de operação das portas de plataforma está a cargo da fabricante Scomi, da Malásia, mas a empresa desistiu de participar do projeto, que está anos atrasados e cujos sócios no consórcio Monotrilho Integração, as construtoras Andrade Gutierrez e CR Almeida, brigam na Justiça para deixar a obra.

A nota da colunista, no entanto, traz uma informação errada ao atribuir à CPTM a decisão de “assinar um contrato” com a nova empresa quando na verdade se trata de um projeto do Metrô e cuja operação será repassada à Via Mobilidade, que hoje está à frente da Linha 5-Lilás. O site consultou a BYD no Brasil e na China mas até agora não teve respostas. Já a STM afirmou por telefone que mais detalhes do negócio serão revelados em breve.

Gigante das baterias de íon de lítio

A BYD é uma gigante chinesa que atua mais fortemente no transporte coletivo sempre focada na propulsão elétrica. Inclusive, a empresa entregou ônibus elétricos para a prefeitura de São Paulo recentemente e tem aos poucos ampliado sua presença no Brasil e no mundo. Seu proprietário Wang Chuanfu já foi o homem mais rico do mundo e tem como um dos sócios o americano Warren Buffet, megainvestidor conhecido por participar de várias grandes empresas.

A entrada no ramo dos monotrilhos, no entanto, é recente. A BYD lançou seu projeto de monotrilho em 2016 e o batizou de Skyrail. Trata-se de um trem de linhas modernas e aerodinâmicas e que está funcionando numa linha “protótipo” em Shenzen, na China. A empresa já oferece o monotrilho em várias cidades do mundo incluindo os Estados Unidos, onde teria demonstrado interesses de cidades como Nova York.

No Brasil, a BYD fechou contrato com o governo da Bahia para construir um monotrilho que terá um trecho sobre o mar num antigo trecho de trem de subúrbio. Serão 20 km e 22 estações ao todo. Fonte: CPTM


terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Centro Integrado de Operação e Manutenção - VLT Rio

Centro Integrado de Operação e Manutenção - CIOM, é o local onde acontecem as manutenções e lavagens das composições para estarem cem por cento prontas para atender os usuários. No CIOM, o VLT capta energia através das catenárias para se deslocar. Já nas ruas, a captação acontece pelo sistema APS, alimentação pelo solo.


O VLT Carioca passou a integrar o dia a dia de quem circula no Centro. Inspirado nos bondes que deixaram as ruas nos anos 1960, o sistema faz a conexão entre os diversos pontos de chegada à região central de forma mais ágil e sustentável. O Centro de volta aos trilhos como parte de uma reconstrução. Da reocupação do espaço urbano, da melhoria da mobilidade, do carioca conhecendo e reconhecendo áreas de cultura e lazer. Como parte da operação Porto Maravilha, os bairros da Saúde, Gamboa e Santo Cristo ganham novos serviços sem perder sua história e se reintegram à dinâmica da cidade.

O VLT é parte fundamental dessa trajetória. Pelos trilhos do bonde contemporâneo, hoje é possível não só percorrer os principais pontos do Centro e Região Portuária, mas também estar próximo a trens, metrô, barcas, porto, ônibus e aeroporto Santos Dumont, além de teatros, museus e todo o polo de negócios e entretenimento local.

E isso é feito longe do trânsito, sem barulho, sem combustíveis fósseis e com mais qualidade de vida. Com o VLT, as definições de confiança foram atualizadas. Um modelo de pagamento inédito, que aposta na prestação de um bom serviço aliado à fiscalização baseada na orientação, e que se provou sucesso tanto entre cariocas quanto visitantes.

Essa história começou em 2012, ainda com as primeiras intervenções que prepararam a Região Portuária para receber o sistema. E segue sendo escrita diariamente, em cada viagem e com cada passageiro que segue seu caminho com o VLT. Fonte: VLT Carioca


domingo, 9 de dezembro de 2018

Locomotivas Vossloh

A locomotiva da família Vossloh Locomotives, composta por três e quatro eixos industriais, manobra e locomotivas principais - é aprovada e utilizada com sucesso em muitos países europeus. Os clientes podem escolher entre uma ampla gama, dependendo da sua preferência no que se refere a tração, ao peso e à movimentação diesel-hidráulica ou diesel-elétrica. Esta estratégia modular caracteriza-se por uma componente comum de alta qualidade, que garante que os veículos sejam fáceis de servir e possam ser adaptados aos desenvolvimentos tecnológicos.


Um aspecto fundamental é a oferta de financiamento, bem como todos os serviços necessários relacionados à tração do diesel no transporte ferroviário. Os clientes podem escolher entre uma oferta abrangente de serviços no local, manutenção pesada, bem como contratos de serviços completos ou contratos de fornecimento de peças sobressalentes. A Vossloh Locomotives tem sua própria rede de serviços europeia, que é apoiada por oficinas de parceiros. Fonte: Vossloh

domingo, 2 de dezembro de 2018

Estação World Trade Center

A Estação PATH do World Trade Center foi originalmente inaugurada em 19 de julho 1909 como Terminal Hudson. Quando o Terminal Hudson foi demolido para abrir caminho para o World Trade Center, uma nova estação foi construída, inaugurada em 1971. Esta estação serviu de terminal para as linhas Newark-World Trade Center e Hoboken-World Trade Center até que foi destruída durante os ataques de 11 de setembro de 2001. 


A estação foi reconstruída em uma estrutura temporária que foi inaugurada em 23 de novembro de 2003. A estação projetada por Santiago Calatrava, ganhou novo nome World Trade Hub Transportation Center, uma estação metroferroviária. Fonte: Capitalnewyork