domingo, 23 de agosto de 2020

Metrô da China começa a instalar displays transparentes da LG em seus trens

Aos poucos aproximamo-nos daquele futuro que foi desenhado por filmes de ficção cientifica nos anos 2000. Os ecrãs (ou televisões) transparentes, parece algo tirado o "Minority Report" e que agora começa a ser implementado no nosso mundo.

Aliás, ainda há pouco a Xiaomi revelou-nos uma televisão totalmente transparente. Inicialmente não vemos muitas vantagens neste tipo de gadget, contudo, basta pensar um pouco mais para percebermos a sua utilidade.
Ecrã transparente da LG chega aos trens na China


As primeiras cidades que se gabarão de ter ecrãs transparentes nos seus comboios será Pequim e Shenzhen. O objetivo é que estes ecrãs sejam dispostos nos locais das janelas e mostrem informações importantes sobre a viagem. Além de termos as paragens do comboio, os passageiros terão informações como tempo, notícias ou até informações de voos.

O painel de 55" polegadas será perfeito para este cenário informativo. Não só a televisão é grande como as informações serão mais visíveis que os típicos autocolantes que temos nos nossos comboios.
O futuro dos ecrãs transparentes

A LG acredita que estes ecrãs OLED transparentes serão parte do nosso futuro. Não só nos trens como em carros autónomos, aviões, em casas inteligentes ou até em escritórios inteligentes.

Verdade seja dita, não me importava de ter uma paisagem interativa. Algo que pudesse ver televisão e quando a desligasse fosse uma autêntica janela para a rua.

As possibilidades são inúmeras e este é o início de algo novo. Mais uma vez, a China é vanguardista tecnológica. Ainda que a LG seja sul-coreana, os chineses são aqueles que mais querem viver no futuro. Exemplo disso é o formato de pagamento a dinheiro que está praticamente esquecido num país de mil milhões de habitantes. Fonte: Filipe Alves 4gnews



sábado, 22 de agosto de 2020

Conheça as mais Incríveis Estações de Trens Pelo Mundo

Nos séculos passados, viajar de trem costumava ser a única opção e muito era investido nas estações para parecerem as maiores e mais imponentes possíveis, tornando-se símbolos do império e da riqueza de cada cidade e país. Hoje em dia, muitas estações de trem tornam-se não só um ponto de chegadas e partidas durante uma viagem, mas viram mesmo atrações turísticas por si só. Fonte: TransTrilhos/Divulgação


 Estação Central da Antuérpia, Bélgica


 Estação de Dunedin, Nova Zelândia


 Estação Central de Helsinque, Finlândia


 Estação de São Bento, Porto, Portugal


 Gare du Nord, Paris, França


 Grand Central Station, Nova York, EUA


 Union Station, Los Angeles, EUA


King’s Cross Station, Londres, Inglaterra


 Estação de Sirkeci, Istambul, Turquia


 Estação Ferroviária do Rossio, Lisboa, Portugal


 Estação de Atocha, Madrid, Espanha


 Estação Central de Amsterdam, Holanda


 Estação Chhatrapati Shivaji, Mumbai, Índia


 Denver Union Station, Colorado, EUA


 Halifax Railway Station, Inglaterra


 Tren del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina


 Estação de Kanazawa, Japão


 Estação Central de Maputo, Moçambique


 Estação de Haydarpasa, Istambul, Turquia


 Estação Central de Berlim (Hauptbahnhof), Alemanha


 Estação da Luz, São Paulo, Brasil


 Estação Ferroviária de Kuala Lumpur, Malásia


 Gare de Strasbourg, Estrasburgo, França


 Estação Central de Lviv, Ucrânia


 Estação Keleti, Budapeste, Hungria


 Estação Central de Groningen, Holanda


 Estação de Calatrava, Liège, Bélgica


Gare de Limoges-Bénédictins, Limoges, França


 Estação de Hua Hin, Tailândia


 Southern Cross Station, Melbourne, Austrália



terça-feira, 18 de agosto de 2020

Metrô de São Paulo alta tecnologia transportando milhões diariamente

A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968. As obras da Linha Norte-Sul foram iniciadas oito meses depois. Em 1972, a primeira viagem de trem foi realizada entre as estações Jabaquara e Saúde. Em 1974, o trecho Jabaquara - Vila Mariana começou a operar comercialmente.


O Metrô de São Paulo possui cinco linhas em operação. Ao todo são 68,5 quilômetros de rede, 61 estações e 154 trens. Em 2015 foram transportados 1,117 bilhão de passageiros no sistema.

Em 2010, foi inaugurado o primeiro trecho da Linha 4-Amarela, a primeira a ser operada em regime de concessão pelo Consórcio Via Quatro. Em 2011, outras quatro estações foram entregues e a Linha 4-Amarela passou a funcionar entre Luz e Butantã. Em 2014, foi entregue a Estação Fradique Coutinho. Atualmente, a linha possui 7 estações, 8,9 quilômetros de extensão, 14 trens e transportou, em 2014, 194 milhões de passageiros.

Em 2014 foi entregue a estação Adolfo Pinheiro da Linha 5-Lilás, ampliando a malha metroviária em 0,9 quilômetros.

Em agosto de 2015 teve início a operação comercial do Monotrilho da Linha 15 – Prata, um sistema de transporte inédito no Brasil. A linha opera diariamente das 4h40 às 00h00, no trecho entre as estações Oratório e Vila Prudente, onde faz integração com a Linha 2 – Verde do Metrô, e possui 2,3 km de extensão. Com isso, a Malha Metroviária da cidade, incluindo a Linha 4 – Amarela, chega a 77,4 quilômetros de extensão e 68 estações.

As Linhas 1-Azul (Jabaquara - Tucuruvi), 2-Verde (Vila Prudente - Vila Madalena), 3-Vermelha (Corinthians-Itaquera - Palmeiras-Barra Funda) e 4-Amarela (Butantã-Luz) funcionam de domingo a sexta das 4h40 à meia-noite e aos sábados das 4h40 à 1h de domingo (consulte os horários de fechamento de cada estação). A Linha 5-Lilás (Capão Redondo – Adolfo Pinheiro) funciona todos os dias (segunda a domingo) entre 4h40 e 00h10. Fonte: Metrô de São Paulo