quinta-feira, 20 de maio de 2021

Um dos mais avançados do mundo

É fácil conhecer Dubai, uma cidade com avenidas excelentes apesar de engarrafamentos em alguns bairros nos horários mais movimentados. Antes de sair, informe-se quanto tempo levará até o seu destino final, assim, você terá tempo suficiente para conhecer Dubai pela primeira vez. A maioria dos visitantes opta por pegar um táxi, já que o preço é bastante razoável, ou por dirigir por conta própria, apesar das constantes mudanças nas avenidas e do tráfego congestionado.


O Metrô de Dubai é um dos transportes públicos mais avançados do mundo, completamente automatizado, possui estações com ar condicionado e vagões separados apenas para mulheres e crianças e ainda vagões chamados de Gold Class para passageiros que desejam viajar com mais conforto. 

Duas linhas de metrô de Dubai cobrem uma grande parte da cidade, a linha vermelha vai de Rashidiya e do Aeroporto de Dubai pelo centro da cidade e ao longo de Sheikh Zayed Road, a linha verde passa por alguns dos mais movimentados bairros de Dubai em Deira e Bur Dubai.

O Metrô de Dubai é uma maneira rápida, inteligente e com preços razoáveis para os visitantes se locomoverem pela cidade e terem uma boa visão da cidade através das faixas mais elevadas do metrô. Integrado com o novo sistema de ônibus, muitas áreas de Dubai são acessíveis através do metrô.




Fonte: Emirates

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Acoplamento na cauda em movimento

O trem que transporta o minério de ferro de Carajás, no Pará, que tem as maiores e melhores minas a céu aberto do mundo, até o porto da Ponta da Madeira, em São Luís do Maranhão, é maior trem de carga do mundo. Ele tem 330 vagões, puxados por quatro locomotivas, com quase 3.500 metros de extensão. Pode carregar 40 mil toneladas em cada viagem, num percurso de 892 quilômetros, demorando quatro minutos para passar por inteiro.


Dez anos depois que esse imenso trem começou a circular, a mineradora Vale está testando um novo trem, com quase o dobro do atual. São 660 vagões, 110 por cada trem, que podem transportar 68 mil toneladas por viagem. É a mesma capacidade de um navio padrão de carga de alguns anos atrás e ainda um bom tamanho, como nos que atracam no porto de Vila do Conde, em Barcarena.

Até 2008, os comboios que operavam na ferrovia de Carajás tinham, no máximo, 220 vagões. O acréscimo de 110 vagões naquele ano teve o objetivo de aumentar a exportação de minério de ferro para 130 milhões de toneladas até 2009 e para 230 milhões a partir de 2012. O início da produção da mina do S11D, no ano passado, exigiu nova expansão, tornando a ferrovia o maior escoadouro de minério do planeta, grande parte da carga com um destino longínquo: a China e o Japão.

Apesar do tamanho do trem, que equivale ao percurso do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém, as seis locomotivas são comandadas por um único maquinista. As mensagens de comando da locomotiva guia para as demais vão via satélite. Dado o comprimento total de 6,6 quilômetros, parte do trem pode estar subindo e parte descendo. Um programa de computador envia o comando correto, freando ou acelerando, para cada locomotiva. O treinamento de um maquinista envolve 380 horas em simulador. Deve ser semelhante ao de um piloto de avião.

O novo trem poderá entrar em funcionamento regular nos próximos dias, assegurando o fantástico fluxo de minério de ferro de Carajás para vários lugares do mundo – a Ásia em especial. Fonte: Vale/Colaboração - Marília Oliveira