domingo, 15 de janeiro de 2012

Turistas conhecem jacarés e experimentam cardápio de café colonial. Empresários lucram com os negócios.


Trem de turismo promete na Zona da Mata Mineira, o Expresso Pai da Aviação está em fase final e logo iniciará os testes, o Prefeito de Santos Dumont já autorizou as reformas necessárias na estação para atender os turistas.
Veja o vídeo da Litorina das montanhas no Espírito Santo.


O setor de turismo se destaca como um dos bons negócios para 2012. Viajar de trem sempre seduziu o brasileiro. Agora, trechos da malha férrea brasileira voltam a funcionar. No Espírito Santo, por exemplo, quem anda de trem aproveita as paradas para fazer compras, comer bem e até conhecer jacarés.


É o trem que move a economia nas montanhas do Espírito Santo. Na viagem de 46 quilômetros, a litorina passa pela Mata Atlântica, cruza pontes. Avança entre túneis.


O trem voltou a funcionar há pouco tempo, menos de dois anos, e 5 mil turistas já fizeram a viagem. O ponto de partida é a Estação Ferroviária de Viana, a 20 quilômetros de Vitória. Quem vai até o local, além do passeio, conhece também o trabalho de artesãs capacitadas pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).


O projeto “Trem é turismo” instalou artesãs nas estações em que o trem para durante a viagem. “Isso aí também diminuiu um pouco o êxodo rural. Eles podem estar aqui e estar agregando valor, podem trazer renda para as comunidades em que vivem”, diz Rodrigo Belcavello Barbosa, do Sebrae de Domingos Martins, no ES.


O Sebrae levou consultores que mudaram o design. Agora, os produtos são inspirados nos ícones históricos, religiosos e geográficos da região. Antes do embarque, os turistas conhecem as peças. Depois das compras, a viagem começa. A primeira parada é na ponte de ferro sobre o Rio Jucu. Ela tem 65 metros de extensão. A litorina de 40 toneladas segue a todo vapor.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Empresa privada italiana lança 1º trem de alta velocidade, chamado Italo

:X:  Italo, o primeiro trem de alta velocidade de uma empresa privada da Itália, foi apresentado nesta terça-feira em Nola, próximo a Nápoles, pela empresa ferroviária NTV, que pretende competir a partir de 2012 com a estatal Trenitalia.

"Inauguramos uma era marcada pela competição, os passageiros poderão escolher", afirmou Luca di Montezemolo, presidente da NTV ao inaugurar o trem, de cor vermelha e fabricado pela francesa Alstom.



Italo, o primeiro trem de alta velocidade de uma empresa privada da Itália, foi apresentado nesta terça-feira em Nola, próximo a Nápoles, pela empresa ferroviária NTV, que pretende competir a partir de 2012 com a estatal Trenitalia.
"Inauguramos uma era marcada pela competição, os passageiros poderão escolher", afirmou Luca di Montezemolo, presidente da NTV ao inaugurar o trem, de cor vermelha e fabricado pela francesa Alstom.
Apresentado por Montezemolo como o "trem mais moderno da Europa", é a última geração do renomado TGV francês e custou 90 milhões de euros, provenientes de investidores privados.
A companhia nacional francesa SNCF possui 20% da NTV, grupo fundado por empresários italianos liderados por Montezemolo, ex-presidente do grupo Fiat e atual chefe da Ferrari, e Diego della Valle, dono da marca de luxo Tod's.
O novo trem realizará 51 conexões por dia e um total de 12,3 milhões de quilômetros ao ano.
O Italo deverá entrar em funcionamento a partir de março de 2012 e terá três níveis de comodidades: smart, primeira classe e club.
Todos os vagões terão wi-fi e os passageiros poderão aproveitar uma sala de cinema. (Fonte: Folha Online)
Apresentado por Montezemolo como o "trem mais moderno da Europa", é a última geração do renomado TGV francês e custou 90 milhões de euros, provenientes de investidores privados.

A companhia nacional francesa SNCF possui 20% da NTV, grupo fundado por empresários italianos liderados por Montezemolo, ex-presidente do grupo Fiat e atual chefe da Ferrari, e Diego della Valle, dono da marca de luxo Tod's.

O novo trem realizará 51 conexões por dia e um total de 12,3 milhões de quilômetros ao ano.
O Italo deverá entrar em funcionamento a partir de março de 2012 e terá três níveis de comodidades: smart, primeira classe e club.

Todos os vagões terão wi-fi e os passageiros poderão aproveitar uma sala de cinema. (Folha)


Alstom

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Porto Maravilha revitalização e VLT

A Prefeitura do Rio de Janeiro está revitalizando o Porto do Rio de Janeiro, será feito uma obra que beneficiará toda população.


Será construído um Veículo Leve Sobre Trilhos o VLT, com integração em diversos modais na zona Portuária e Centro do Rio.

Esta iniciativa trará mais fluxos dos Transatlânticos, turistas e mais mobilidade em uma área até então esquecida e com importância secular.



segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

China testa ferrovia que pode alcançar velocidades superiores a 500 km/h

O trem será um dos mais rápidos do mundo
EFE |

A construtora de ferrovias chinesa CSR começou os primeiras testes de um trem que poderá alcançar velocidades superiores a 500 km/h, o que o transformará em um dos mais rápidos do mundo, informou a agência oficial "Xinhua".
O trem experimental, com seis vagões e o mais novo da série de trens bala chineses CHR, tem uma potência de 22.800 quilowatts, mais do dobro dos que atualmente cobrem a linha de alta velocidade entre Pequim e Xangai, destacaram os engenheiros.

Ding Sansan, engenheiro chefe da companhia, detalhou que o modelo do novo trem é inspirado em uma espada antiga chinesa, e que a carroceria plástica do veículo será reforçada com fibra de carbono.
A China é um dos países que mais está desenvolvendo a alta velocidade ferroviária, até o ponto de já ter a maior rede mundial (9.600 quilômetros) em apenas quatro anos desde a abertura da primeira linha deste tipo. Foto: Reuters

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Rio vai colocar Centro e Zona Portuária nos trilhos


Ônibus, metrô e barcas podem até continuar lotados, mas uma coisa é certa: o transporte numa das áreas mais importantes do Rio vai entrar nos trilhos. A prefeitura acaba de concluir o estudo sobre o sistema de bondes modernos que deve ser implantado em boa parte do Centro e na Zona Portuária. O projeto do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) prevê seis linhas, algumas com trechos sobrepostos, e passará por ruas de grande movimento, como a Avenida Rio Branco e a Rua Sete de Setembro. O prefeito Eduardo Paes não fala ainda em datas nem custos para o VLT entrar em funcionamento, mas a ideia é que ele esteja operando a pleno vapor em 2016.


Com a missão de melhorar a mobilidade urbana e reduzir o número de veículos em circulação — a ideia é aposentar gradativamente os ônibus nas áreas onde o VLT circulará — o sistema terá 28km de trilhos e 42 estações. Cada um dos 32 bondes modernos terá capacidade para cerca de 450 passageiros, a maioria em pé. A prefeitura ainda não calculou o valor da tarifa que será aplicada, mas já está certo que o VLT fará parte do Bilhete Único Carioca (BUC) e que o valor da passagem não será muito diferente da dos ônibus que ele pretende substituir.

— Um dos pontos importantes é que os VLTs vão estar integrados às estações das barcas, à Central do Brasil e à Rodoviária. Além disso, eles vão praticamente extinguir os ônibus no Centro, além de diminuir a poluição sonora e do ar — diz o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio, Jorge Arraes, acrescentando mais uma vantagem. — Além de ser legal e charmoso, o VLT vai ajudar os turistas. Ele passará pelo Museu do Amanhã, no Porto, e pelo Teatro Municipal, entre outras atrações da cidade.

A Linha 1, que será a maior, ligará a Avenida Presidente Antônio Carlos à Rodoviária Novo Rio, passando pela Praça Mauá. Com 35 paradas e 12 VLTs em operação, ela cruzará toda a extensão da Avenida Rio Branco. A expectativa é que o intervalo entre os bondes não ultrapasse cinco minutos.
Já a Linha 2, com 19 paradas, ligará a Praça Mauá à Central do Brasil, via Túnel da Saúde. Primeira obra da segunda fase do projeto Porto Maravilha, o túnel que será aberto tem 70 metros de extensão e cruzará o Morro da Saúde. Ele terá três pistas em cada sentido e, no meio, espaço para o VLT.

A terceira linha do novo transporte fará a ligação entre o Aeroporto Santos Dumont e a Central do Brasil, via Praça da República, com parada na estação das barcas. A ideia inicial era que outra linha, a 1, seguisse da Presidente Antônio Carlos até o aeroporto, mas o estudo mostrou que seria inviável a construção de um túnel por baixo da Avenida Beira-Mar. Optou-se, então, por estender a linha que passava pelas barcas até o aeroporto. A Linha 3 passará ainda pela Rua Sete de Setembro, única via que deverá sofrer uma mudança mais drástica: para a implantação dos veículos leves, os carros de passeio e táxis poderão ser banidos.

— Ainda estamos estudando o fechamento da Sete de Setembro aos carros. No resto da área onde teremos o projeto, os veículos vão conviver com o VLT. Carros de passeio e táxis andarão sobre os trilhos. Se o VLT parar, eles também precisarão frear — diz Luiz Carlos de Souza Lobo, diretor de Operações da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio.
A Linha 4 ligará a Central à Avenida Presidente Antônio Carlos via Avenida Marechal Floriano e, a partir da parada Candelária, se sobreporá à Linha 1.

— Com essas sobreposições, vamos conseguir diminuir o intervalo entre os veículos. Se, com uma linha, a espera seria de cinco minutos, com a sobreposição, ela pode cair a três minutos — diz Lobo, acrescentando que as estações devem ficar a cerca de 400 metros de distância umas das outras.

A ligação entre a Central e a Rodoviária será feita pela Linha 5, enquanto a sexta linha do VLT cobrirá o trecho Praça Mauá-Rodoviária, via Túnel da Providência. Quem for, por exemplo, visitar a Cidade do Samba terá duas estações de parada à disposição, uma em cada lado da construção.
De acordo com o projeto, os VLTs vão ter paradas próximas a outros meios de transporte. As estações do metrô Cinelândia, Carioca e Central ficarão perto dos pontos do sistema, que também se ligará à estação do trem-bala, se ele sair do papel, e ao teleférico que deve ser implantado no Morro da Providência.
18/12/2011 - O Globo