sábado, 5 de novembro de 2016

VLT Alstom de Dubai

O diretor geral da Autoridade de Estradas e Transportes de Dubai (RTA, na sigla em ingês), Mattar Al Tayer, disse que um estudo mostrou que a densidade populacional na região onde o VLT foi implementado será, em alguns anos, bem maior que a média na cidade. Para evitar congestionamentos no futuro, foi preciso, segundo ele, construir uma rede de transportes integrada, o VLT de Dubai tem conexões com o metrô e o monotrilho.


Durante o primeiro ano de operação, o chamado Dubai Tram alcançou índices extremamente elevados de desempenho. O indicador de pontualidade dos trens chegou a 96,4%. Já a satisfação dos passageiros ficou em 98%. O Dubai Tram foi implementado para melhorar a mobilidade dentro da cidade, cobrindo áreas turísticas e de grande importância econômica.

Também contribuiu para a formação de um sistema de transporte de massa integrado e para a redução das emissões de carbono, proporcionando mais qualidade de vida”, escreveu Al Tayer. A segurança também tem sido prioridade em Dubai. Ainda na fase de testes e um mês após a inauguração, houve acidentes, com carros se chocando contra os trens. Alguns cruzamentos chegaram a ser fechados. Um regulamento estabeleceu ainda multas específicas para quem cometer infrações ou acidentes. O motorista que avançar o sinal e provocar acidentes com feridos, por exemplo, poderá ser cobrada uma multa de R$ 4.800 a R$ 14.400, além da perda de carteira de no mínimo 30 dias e, no máximo, seis meses. Jogar lixo nos trilhos rende uma multa de R$ 480. Já quem cruzar os trilhos em áreas proibidas, terá que desembolsar R$ 960. De acordo com Al Tayer, cerca de 230 policiais fazem o policiamento pelo VLT e 800 câmeras dentro e fora dos trens ajudam no monitoramento. Fonte: Globo.com



quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Alstom apresenta trem movido a hidrogênio que deve começar a operar em 2017

A Alstom apresentou nessa semana o Coralia iLint, um trem de passageiros movido a células de hidrogênio. Com esse combustível, o trem consegue se locomover sem emitir gás carbônico e com baixos níveis de ruído, o que o torna ideal para o uso em áreas metropolitanas e entre cidades.



De acordo com a empresa, o trem será capaz de viagar de 600 a 800 quilômetros por tanque a uma velocidade de 140 quilômetros por hora, usando apenas hidrogênio como combustível. O seu processo de queima de energia gera apenas água líquida e vapor, o que faz dele uma tecnologia extremamete limpa. O vídeo abaixo, em inglês, fala mais sobre o trem.

O trem utiliza como combustível gás hidrogênio (H2), que fica armazenado em reservatórios no seu teto. Quando esse hidrogêio se combina com o gás oxigênio (O2) presente no ar, ocorre uma reação exotérmica (que libera energia) e que gera água líquida, que também é armazenada no teto do trem.


Células de hidrogênio não são a única fonte de energia, porém: o trem também possui baterias de íon-lítio que conseguem armazenar energia. A energia das células é usada durante a aceleração, e as baterias são carregadas com a energia que sobra das células e quando o trem freia. As baterias usam sua energia em momentos de aceleração mais leve, o que ajuda a economizar combustível.

Inicialmente, o trem tem capacidade para levar 300 passageiros, e possui 150 assentos. A expectativa da empresa é implementar o trem em uma linha na Alemanha e tê-lo funcionando até dezembro de 2017. A Alemanha possui mais de 4000 trens movidos a diesel, e a Alstom pretende substituir boa parte dessa frota. Além dos trens, a empresa também providenciará a infraestrutura de abastecimento e manutenção dos veículos.

Segundo o site Tracks, o primeiro trem movido a hidrogênio entrou em funcionamento na China em 2015. Apesar da tecnologia já estar disponivel, o Engadget estima que o custo de implementação desses trens pode ser um pouco maior que o esperado, já que eles exigem também a atualização das garagens e estações de abastecimento para poder trabalhar com gás hidrogênio. Fonte: Olhar Digital/Gustuvo Sumares



domingo, 30 de outubro de 2016

Metrô de Madrid 12 linhas com um total de 238 estações - Mapa das Estações

O metrô de Madrid abriu a sua primeira linha ferroviária metropolitana no dia 17 outubro de 1919, sob o reinado de Alfonso XIII. Ele tinha uma única linha de apenas 3,48 km de comprimento e 8 estações que ligam a Puerta del Sol à Cuatro Caminos em um tempo de 10 minutos. Hoje, de acordo com a Wikipedia, o Metrô de Madrid é o segundo maior metrô da Europa e o sétimo maior do mundo.


Embora no início do século XX Madrid tivesse uma população de cerca de 600.000 habitantes, o congestionamento já era um problema na capital espanhola e foi necessário substituir a rede de bondes para algum transporte subterrâneo. O metrô de Madrid foi o primeiro a entrar em funcionamento na Espanha. Em 1986, a Comunidade de Madrid e a Câmara Municipal de Madrid assumiram o Metrô. 

O metrô de Madrid tem 12 linhas com um total de 238 estações. Em 21 delas há correspondência com a rede de trens Renfe. Além disso, este sistema é complementado pela ligação que une Opera e Principe Pio e mais 3 linhas ferroviárias adicionais que somam 27,78 kms e outras 38 estações. No total, a rede tem mais de 324 km de viagem. O metrô de Madrid transporta mais de dois milhões de passageiros diariamente. 

Além da área metropolitana, a rede de metrô de Madrid abrange outros municípios, tais como: Alcobendas, San Sebastián de los Reyes, Coslada, San Fernando de Henares, Rivas-Vaciamadrid, Arganda del Rey, Alcorcón, Leganés, Getafe , Móstoles, Fuenlabrada, Pozuelo de Alarcón e Boadilla del Monte (os dois últimos estão ligados por linhas ferroviárias). O Metrô de Madrid tem tantas estações nos doze municípios em que atua que 80% dos moradores de Madrid tem uma estação a menos de 600 metros de suas casas ou destinos. A velocidade máxima de trens no metrô de Madrid é de 110 km / h. Além disso, estes têm um alto grau de automatização e sistemas de sinalização ferroviária modernos e de segurança. Fonte: Mapa Metro de Madrid






quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Via Rail quer eletrificar suas principais linhas - Canadá

A Via Rail quer triplicar o número de trens de passageiros e eletrificar sua frota, especialmente em uma linha dedicada no corredor entre Quebec City, Montreal, Ottawa e Toronto. A empresa Crown depende de "mobilidade sustentável" e não quer ser um pato manco, disse seu CEO, Yves Desjardins-Siciliano, que tomou as rédeas há dois anos.


O custo do projeto é de US $ 5,2 bilhões. E, como o acionista Via Rail é o Governo do Canadá é Ottawa sua capital. Com base no serviço ao cliente Yves Desjardins-Siciliano não tomou a direção da Via Rail em 2014, "para entregar as chaves para a empresa", então em sério declínio.

"Não foi em qualquer lugar", disse ele em frente à Câmara de Comércio de Metropolitan Montreal. "O serviço não era prático, e cada vez menos úteis e relevantes. Ele estava gerando perdas. " Fonte: Martine Turenne/Le Journal Montreal Foto: Silvério Borges


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Alstom entrega o primeiro Citadis transfronteiriço entre Estrasburgo e Kehl

Alstom entregou o primeiro dos novos VLTs Citadis para Estrasburgo, menos de dois anos após a assinatura com a empresa de transporte Strasbourg CTS (Compagnie des Transports Strasbourgeois) para o fornecimento de 50 bondes. A primeira parte deste acordo diz respeito a um pedido de 12 bondes, um total no valor de 41 milhões de euros. O primeiro bonde vai agora começar o ensaio dinâmico na via, e, seguida 11 Citadis deverão ser entregues até maio de 2017.


Os bondes serão adicionados à frota existente de CTS como parte das extensões de linhas A e D. Na linha D eles vão correr todo o caminho para Kehl, na Alemanha. Entrada em serviço comercial está prevista para o próximo mês de Abril. Este será o primeiro bonde saindo da França para atravessar a fronteira.

" A Alstom tem orgulho de ajudar a articular-se Kehl a Estrasburgo, a criação de um único vínculo de amizade entre as duas cidades. Os bondes da gama Citadis, que foram adotados por 54 cidades em todo o mundo, combinar o uso de tecnologia comprovada e modularidade em termos de disposição de combinar a confiabilidade, conforto e personalização ", disse Jean-Baptiste Eymeoud, Presidente da Alstom na França.

Os VLTs Citadis em Estrasburgo serão os primeiros bondes aprovados pelos regulamentos BOStrab federais alemãs que cobrem a construção e operação de bondes na Alemanha. Os bondes tem 45 metros de comprimento e tem capacidade para 288 passageiros. Eles são equipados com iluminação LED e portas de vidro cheios para aumentar a sensação de conforto e segurança dos passageiros. Em linha com PRM (Pessoas com Mobilidade Reduzida) regulamentos, os trens são equipados com maçanetas de fácil acesso, estão mais amplos as áreas especialmente reservadas para cadeiras de rodas e passageiros com carrinhos de criança.

Os bondes são em grande parte fabricados na França: La Rochelle (para a concepção e montagem dos bondes), Ornans (para a concepção e fabrico de motores), Le Creusot (bogies para os módulos intermédios), Tarbes (cadeias de tracção), Villeurbanne (equipamentos eletrônicos) e Saint-Ouen (o design). O site Salzgitter, na Alemanha fornecerá os bogies localizados abaixo das cabines de motorista.

Até à data, mais de 2300 Citadis foram encomendados por 54 cidades em todo o mundo, a primeira das quais estão em funcionamento desde 2000. Fonte : Alstom