domingo, 24 de fevereiro de 2019

Trem movido a energia solar ligará norte da Argentina ao Peru

Já imaginou admirar algumas das mais impressionantes paisagens da Argentina e do Peru a bordo de um trem turístico movido a energia solar? A boa notícia é que logo mais essa viagem dos sonhos será uma realidade.


A província de Jujuy, no noroeste da Argentina, receberá um trem movido a energia solar ligando a região até Cusco, no Peru. De acordo com uma nota publicada no portal de notícias da CANATUR (Câmara Nacional de Turismo do Peru), as obras da primeira parte do projeto, chamado de “Tren de la Quebrada“, começaram em fevereiro do ano passado e devem ser entregues ainda este ano.

A primeira parte do projeto ligará a cidades de Volcán com Purmamarca e Maimará, em um trajeto de aproximadamente três horas pelo norte argentino. No futuro, a ideia é conectar o trajeto com a malha ferroviária boliviana e chegar a Cusco, no Peru, e também até a cidade perdida dos Incas, Machu Picchu. No entanto, não há previsão para a conclusão da segunda etapa do projeto.

O primeiro trem solar da América Latina terá apenas um vagão com capacidade aproximada para abrigar 240 passageiros. Por se tratar de um transporte turístico, manterá uma velocidade de 30 quilômetros por hora, perfeito para curtir uma viagem bucólica com belas paisagens.

Para o funcionamento do trem foram instalados painéis fotovoltaicos nos telhados – dispositivos utilizados para converter a energia da luz do sol em energia elétrica. O projeto envolveu técnicos e especialistas internacionais responsáveis pelo trem solar de Byron Bay, na Austrália (as imagens que ilustram esse texto são do incrível trem australiano).


A expectativa é que primeira parte do projeto seja concluída até agosto deste ano com um investimento de 9 milhões de dólares. O resultado final, com a conclusão da obra, pode chegar bem próximo ao que temos hoje na Europa, onde linhas férreas se interligam entre diversos países. Já dá vontade de preparar as malas e se jogar nesta aventura. Fonte: Trem Turístico


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Bondes de Toronto - Canadá

O país é muito preparado para encarar baixas temperaturas. Enquanto o vento sopra gelado pelas ruas, uma multidão caminha de mangas curtas pelas passagens subterrâneas da cidade, sem nem lembrar do frio. Toronto tem uma cidade paralela esparramada por 28 quilômetros de Path. Essas passagens - quase que secretas para os desavisados - são formadas por um tremendo emaranhado de shoppings, restaurantes, bancos e cafés. 


Para achar os acessos basta procurar pelas placas de sinalização que dizem "Path" nas ruas do centro. Essas entradas podem ser por dentro de um hotel, por uma simples escadaria que vem da rua ou por dentro de um banco. E quando estiver lá embaixo é preciso consultar um mapa para não se perder, pois tudo parece igual entre as mais de 1200 lojas que se escondem nos recônditos de Toronto. É difícil conseguir se localizar sem ter a visão da torre. Fonte: Viajar pelo Mundo

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Trem de Luxo Glacial Express - Suiça

O Glacial Express é uma lendária ferrovia entre as cidades de St. Morits e Zermatt na Suiça. Desde 1930, trens a vapor são conduzidos pelo percurso panorâmico sobre montanhas e vales dos Alpes Suíços. Desde 1993, carros luxuosos de primeira classe fazem a travessia alpina no Glacial Express uma experiência espetacular. Durante o percurso de 07:30 horas você passará por nada menos que 291 pontes, 91 túneis e o Oberalp Pass com 2.033 m de altitude.



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Bondes e Leves Sobre Trilhos

Um bonde (português brasileiro) ou elétrico (português europeu), tram, tramway, trâmuei ou tranvia (ou, ainda, trólebus quando se move sobre rodas com pneus) é um meio de transporte público tradicional em grandes cidades da Europa como Varsóvia, Basileia, Zurique, Lisboa e Porto, ou das Américas, como São Francisco, Rio de Janeiro e Toronto. Movimenta-se sobre carris (trilhos) que, em geral, encontram-se instalados nas partes mais antigas das cidades, uma vez que a sua implantação data, também em geral, da segunda metade do século XIX. Faz, geralmente, um percurso turístico, embora isto não seja obrigatório.


Destinado sobretudo ao transporte de passageiros, atualmente constitui-se em um meio de transporte rápido, já que, geralmente, tem prioridade sobre os demais meios de transporte. Em Portugal, obedece às regras de trânsito como qualquer outro veículo motorizado.

Hoje em dia, por razões de economia de energia e de preservação do meio ambiente, vem sendo sucedido pelo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), cuja utilização se encontra em expansão em várias cidades do mundo. Os elétricos ou bondes têm grandes vantagens em relação aos ônibus, entre as quais a menor poluição, tanto sonora quanto atmosférica. Complementarmente, a subsistência dos antigos elétricos representa um enriquecimento cultural das próprias cidades, já que cada uma introduziu modificações características em suas respectivas redes. Muitas das grandes cidades da Suíça ainda usam os elétricos, bem como grandes cidades da Alemanha, Polónia e algumas da França, como por exemplo Estrasburgo. Fonte: Divulgação Foto: Silvério Borges



terça-feira, 22 de janeiro de 2019

VLT de Marseille - Cara de Navio

Em Marseille alguns trens VLT`s da Bombardier foram construídos com cara de navio, para relembrar a importância da cidade com o porto da cidade. Na França, no início do século 20 corresponde à época de ouro dos VLTs. As linhas se proliferaram até o período entre-guerras. Vários fatores explicam o declínio dos mesmos: o desenvolvimento do automóvel, os avanços técnicos do ônibus, ou ainda, as políticas de transportes, que priorizavam a rede rodoviária.


Porque tantas cidades francesas vêm sendo atraídas por esse meio de transporte sobre trilhos urbano e interurbano? Embora o investimento inicial seja mais alto, os custos de exploração são mais baixos do que para uma linha de ônibus. Transmite, por fim, uma imagem positiva da cidade, moderna e respeitosa do meio ambiente. A maioria das obras de VLT realizadas na França foi acompanhada por medidas de melhoria, restauração das vias, criação de zonas para pedestres, reorganização dos bairros e dos espaços públicos. Por ser um meio de transporte limpo, seguro e confortável, o VLT continua seduzindo um número cada vez maior de cidades. Fonte: VLT Marseille