quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Trem de 2,5 km de extensão atravessa o deserto do Saara

Mauritânia também é o lar de um dos trens mais longos e pesados ​​do mundo.

A ferrovia da Mauritânia, apelidada de espinha dorsal do Saara, é uma ferrovia de uma via única que conecta a cidade mineira de Zouerat à cidade portuária de Nouadhibou, na costa atlântica.

Operando desde 1963, um serviço diário transporta cerca de 17.000 toneladas de minério de ferro pelo deserto do Saara. Composto por 200 vagões e três a quatro locomotivas a diesel, o trem de minério de ferro pode atingir até três quilômetros de extensão e percorrer uma distância total de 700 km em seu percurso.

O trem também transporta passageiros em um vagão designado de e para comunidades distantes nas profundezas do Saara, mas os moradores geralmente optam por abandonar o vagão de passageiros superlotado e, em vez disso, embarcar no trem de graça. Para muitos mauritanos que vivem no deserto, este é o único meio de viajar para a costa.

O trem também pode transportar veículos rodoviários, para os quais os passageiros precisam tomar providências e podem viajar dentro de seus próprios veículos a bordo do trem.

Os passageiros geralmente embarcam nos vagões de carga na cidade de Choum, a primeira parada do trem depois de partir da cidade mineira de Zouerat. Depois que o trem descarrega sua carga em Nouadhibou, muitos viajam de volta a Choum em vagões de metal vazios e abertos.

Fonte:  Magdiel Schimitz/Divulgação 

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Conheça as mais Incríveis Estações de Trens Pelo Mundo

Nos séculos passados, viajar de trem costumava ser a única opção e muito era investido nas estações para parecerem as maiores e mais imponentes possíveis, tornando-se símbolos do império e da riqueza de cada cidade e país. Hoje em dia, muitas estações de trem tornam-se não só um ponto de chegadas e partidas durante uma viagem, mas viram mesmo atrações turísticas por si só. Fonte: TransTrilhos/Divulgação


 Estação Central da Antuérpia, Bélgica


 Estação de Dunedin, Nova Zelândia


 Estação Central de Helsinque, Finlândia


 Estação de São Bento, Porto, Portugal


 Gare du Nord, Paris, França


 Grand Central Station, Nova York, EUA


 Union Station, Los Angeles, EUA


King’s Cross Station, Londres, Inglaterra


 Estação de Sirkeci, Istambul, Turquia


 Estação Ferroviária do Rossio, Lisboa, Portugal


 Estação de Atocha, Madrid, Espanha


 Estação Central de Amsterdam, Holanda


 Estação Chhatrapati Shivaji, Mumbai, Índia


 Denver Union Station, Colorado, EUA


 Halifax Railway Station, Inglaterra


 Tren del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina


 Estação de Kanazawa, Japão


 Estação Central de Maputo, Moçambique


 Estação de Haydarpasa, Istambul, Turquia


 Estação Central de Berlim (Hauptbahnhof), Alemanha


 Estação da Luz, São Paulo, Brasil


 Estação Ferroviária de Kuala Lumpur, Malásia


 Gare de Strasbourg, Estrasburgo, França


 Estação Central de Lviv, Ucrânia


 Estação Keleti, Budapeste, Hungria


 Estação Central de Groningen, Holanda


 Estação de Calatrava, Liège, Bélgica


Gare de Limoges-Bénédictins, Limoges, França


 Estação de Hua Hin, Tailândia


 Southern Cross Station, Melbourne, Austrália



sexta-feira, 10 de setembro de 2021

Marcopolo Rail Fornecerá People Movers Articulados


A Marcopolo Rail, divisão da Marcopolo focada no desenvolvimento de novos modais sobre trilhos, fornecerá people movers para o consórcio AeroGRU, formado pelas empresas Aerom, HTB, FBS e TSEA. O consórcio é responsável pelo projeto de transporte de passageiros da linha 13-Jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) aos terminais 1, 2 e 3 de passageiros do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. A proposta comercial de fornecimento dos veículos foi validada entre a companhia e o consórcio este mês.



O Termo Aditivo para construção do Trem de Acesso ao Aeroporto de Guarulhos – Airport People Mover – foi assinado pelo hoje (8/9) pela manhã, marcando o início das obras de construção do sistema.


Serão três composições de dois carros, conhecidos tecnicamente como Automated People Movers (ATM), fabricados e integrados pela Marcopolo Rail. O sistema terá funcionamento autônomo (driveless) e fará um trajeto de 2,6 quilômetros entre a estação ferroviária e o aeroporto. O percurso prevê quatro paradas (estação CPTM, terminal 1, terminal 2 e terminal 3) e, de acordo com o projeto, poderá ser percorrido em seis minutos. 


“Com essa iniciativa, ampliamos a nossa atuação no país e reforçamos nossa estratégia de parcerias. Acreditamos fortemente no potencial do metroferroviário brasileiro, que tem condições de avançar nos deslocamentos de alta capacidade com velocidade, eficiência e conforto, além apresentar diversas vantagens na relação custo versus benefício no médio prazo”, afirma Petras Amaral, business head da Marcopolo Rail, que participou da cerimônia.


A Marcopolo Rail iniciou o fornecimento de People Movers para a Aeromóvel, em novembro de 2017. Na oportunidade, a Aerom desenvolveu conjuntamente com a Marcopolo Rail a geração G6 dos veículos do Sistema Aeromovel, representando uma evolução tecnológica significativa em relação àqueles em operação no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre (RS). 


O veículo foi totalmente projetado, calculado e equipado seguindo os mais rigorosos padrões da indústria de APMs determinados pela norma ASCE 21-13 (Automated People Mover Standard), utilizando componentes de fornecedores consagrados do setor metroferroviário em subsistemas críticos como gangways, sensores, coletores de energia, portas de serviço, molas da suspensão secundária, rodeiros, freios e tantos outros.


“Este importante projeto reforça a parceria estratégica entre Marcopolo Rail e a tecnologia aeromóvel, além de demonstrar o potencial das soluções de mobilidade brasileiras para o mundo”, finaliza Petras.  No ano passado, a Marcopolo Rail iniciou um ciclo de ampliação de seu portfólio, com o lançamento do Prosper VLT, um produto de embarque em nível focado nos segmentos urbano, intercidades e turismo, tendo como primeiro cliente a Giordani Turismo, operadora gaúcha de Bento Gonçalves.


Sobre a Marcopolo


Fundada há 72 anos em Caxias do Sul (RS), a Marcopolo é líder na fabricação de carrocerias de ônibus no Brasil e desenvolvimento de soluções de mobilidade, posicionando-se entre as maiores fabricantes do mundo. A companhia investe de forma contínua em aprimoramento, tecnologia, design e expansão, produzindo soluções que contribuem para o desenvolvimento do transporte coletivo de passageiros. Com fábricas nos cinco continentes, os veículos produzidos pela empresa rodam nas estradas de mais de cem países. Como parte de sua estratégia de diversificação, fundou a Marcopolo Rail, divisão especializada na fabricação de veículos metroferroviários. A Marcopolo Rail conta com vários produtos em seu portfólio, além de People Movers, possui também VLTs lançados recentemente, com padrões construtivos e especificações que atendem às mais exigentes normas ferroviárias.


Crédito da imagem: Divulgação Marcopolo



Secco Consultoria de Comunicação

Tel. 11 5641-7407 - secco@secco.com.br

terça-feira, 27 de julho de 2021

Veículo Leve Sobre Trilhos ACR - Acumuladores de Carga Rápida

Trem Leve Sobre Trilhos ACR - Acumuladores de Carga Rápida - capaz de operar sem catenária, sem terceiro trilho, sem alimentação pelo solo e sem baterias convencionais. O veículo - que já opera em Sevilha e em Saragoça -possui um pantógrafo que só se eleva durante as paradas, para uma carga rápida de 20 segundos.


A carga é feita em uma seção de catenária com o mesmo comprimento do VLT. Uma vez carregados, os acumuladores dão ao veículo autonomia de 1.400 metros, mais que suficiente para chegar à próxima estação e carregar de novo. Um sistema de recuperação de energia na frenagem complementa a alimentação dos motores de tração. O ACR foi desenvolvido pela Trainelec, empresa do grupo CAF. Fonte: CAF Vídeo/Foto: Silvério Borges




domingo, 11 de julho de 2021

Metrô de São Paulo completa 48 anos da primeira viagem teste do sistema

METRÔ DE SÃO PAULO FOI O PRIMEIRO A OPERAR EM A.T.O.

O engenheiro explica que São Paulo foi a primeira cidade do mundo a operar um sistema metroviário no que os ingleses chamam de ATO (Operação Automática dos Trens). Isto aconteceu porque em razão de um acidente nos testes nos Estados Unidos, o Senado Americano restringiu por três anos o uso deste sistema de forma automatizada. O Metrô paulista iniciou a operação neste espaço de tempo, se tornando o pioneiro.

“Somos o primeiro metrô do mundo a começar sua operação comercial em ATO. Nós até copiamos a tecnologia americana, mas lá aconteceu um acidente e o senado americano atrasou em três anos o começo do uso do ATO”, explicou Peter.


Peter Alouche, um dos primeiros mil funcionários da empresa, contou ao Diário do Transporte que esta tarefa era vital para tornar viável a operação do metrô

WILLIAN MOREIRA

O Metrô de São Paulo completou nesta semana em 6 de julho de 2021, 48 anos da realização do primeiro teste de viagem de trens da empresa entre as estações Jabaquara e Liberdade, ocorrida em 1973.

Este teste foi de vital importância para o futuro das operações e aconteceu com seis carros conectados percorrendo os 11 km de via cheios de sacos de areia, que tinham a missão de simular o peso de pessoas no interior do trem.


Foto do dia 06 de julho de 1973

Além do teste no sistema de ATO (Automatic Train Operation), a situação da via permanente (trilhos) e dos sistemas elétricos foram todos avaliados para, em caso de falhas, resolver e tornar o metrô ainda mais seguro.

O engenheiro eletricista Peter Ludwig Alouche (foto abaixo), de matrícula na companhia de número 987, foi um dos mil primeiros trabalhadores da empresa Peter ingressou em 1972 e ficou responsável por comandar uma equipe de 50 outros engenheiros trabalhando diuturnamente em até 16h por dia de trabalho para concluir os prazos de instalação do sistema.

Alouche concedeu entrevista ao Diário do Transporte durante um passeio em que percorreu o mesmo trecho da viagem pioneira, contando essa história sob seu olhar. Peter relembrou outro episódio, quando o então presidente Ernesto Geisel veio conhecer o metrô paulista.

Peter resumiu de forma bem direta como eram feitos estes testes e o porque do trem dar o chamado tranco na época em que iniciou a operação.

“O teste era para verificar a via, se o trem não emperrava na via e parte elétrica, se conseguia chegar. Estes são marcos, marco importantíssimo na medida em que já se antevia a operação com o usuário.

O trem pode andar completamente vazio, pode andar com média capacidade, o máximo que nós permitíamos pelo projeto seria seis pessoas por metro quadrado, mas o que tem acontecido na hora do pico do pico, são oito pessoas por metro quadrado. Então o trem tem de andar com oito passageiros por metro quadrado com velocidade máxima e com estabilidade sem dar esses ‘trancos’. Não pode ter tranco.

Por isso que dava tranco no início, porque o ATP que dependia do relê encrencava, sujeira, alguma coisa aí parava. Hoje não acontece mais isto porque todo o sistema de ATP e ATO são informatizados. Hoje o ATO funciona na base do sistema de telecomunicação”, explica Peter Alouche. Fonte: William Moreira/Diário do Transporte