sábado, 2 de março de 2013

MagLev Cobra desenvolvido por técnicos da UFRJ

O Maglev Cobra é o mais avançado trem de levitação magnética de uso urbano no mundo. Ele utiliza a levitação por supercondutores de Alta Temperatura Crítica, e graças a isso consome pouca energia para levitar. Através de um motor de indução linear, ele trafega por uma via magnética, composta de ímãs de terras raras.


Suas principais características são o baixo custo, a rapidez de implantação e o fato de ser não-poluente. A racionalização energética faz do Maglev Cobra o veículo do futuro para os grandes centros urbanos.
O gasto energético previsto para o Maglev Cobra é de 25 kJ/km (quantidade de energia gasta para transportar cada passageiro por quilômetro). Como comparação, um ônibus de linha regular de passageiros gasta 400 kJ e um avião, 1.200 kJ.

Os sistemas metroviários tradicionais limitam seu funcionamento a rampas de apenas 4% de inclinação, sendo que um trem tradicional utiliza rampas de apenas 0,5% a 2% de inclinação.

Esta exigência técnica se dá em função do atrito entre a roda e os trilhos e implica em construir trechos bastante longos quando há necessidade de subir qualquer elevação. Como o Maglev Cobra levita, ele está limitado unicamente ao conforto do passageiro. Isso permite o uso de rampas de até 15 %, o que reduz de modo dramático os custos de obras civis para sua aplicação. Seu inovador sistema modular de articulação flexível permite ao trem se inscrever em curvas mais acentuadas do que os veículos tradicionais. Isso também propicia aos arquitetos maior liberdade para seus projetos e menor impacto urbano durante a fase de implantação.

Outra vantagem do seu sistema modular é que graças a elas, o Maglev Cobra pode acompanhar perfeitamente as vias existentes, inserindo-se de maneira integrada no ambiente, causando menor interferência na paisagem.

O sistema modular faz com que a capacidade de cada trem seja escalável, com a adição de anéis, ajustando-se à demanda. O componente fundamental do veículo é a “base de levitação”, onde se fixam os módulos de passageiros e estão situados os criostatos.

A UFRJ desenvolveu um mecanismo que permite a instalação de vias de levitação magnética sobre uma via permanente convencional, permitindo o funcionamento alternado do Maglev-Cobra e do trem tradicional. É da fácil implantação que vem a economia. A infra-estrutura representa 70% do custo de implantação, por isso o Maglev é mais econômico do que os outros tipos de transporte. A instalação do trem de levitação pode custar o equivalente a um terço do valor de um metrô subterrâneo. Enquanto os metrôs custam R$ 100 milhões/km, o Maglev Cobra pode custar R$ 33 milhões/km. Fonte: http://www.maglevcobra.com.br/

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

MPE e Scomi inauguram fábrica de monotrilhos no Rio

O grupo MPE, em parceria com a malaia Scomi, inaugura nesta quinta-feira (28/02) sua primeira fábrica de monotrilhos, no Rio de Janeiro. A fábrica tem 50 mil metros quadrados e fica no Distrito Industrial de Palmares, em Paciência, às margens da Avenida Brasil, no Rio de Janeiro.



A unidade será responsável pela fabricação dos 24 trens de monotrilho para a Linha 17-Ouro do Metrô deSão Paulo, que vai ligar o aeroporto de Congonhas ao Morumbi. Foram investidos R$ 30 milhões para instalar a primeira linha de montagem e, segundo o grupo, esse investimento poderá chegar a R$ 50 milhões, se houver demanda.


A fábrica de monotrilhos fluminense será a segunda do país e terá capacidade para produzir seis monotrilhos por mês e espaço para estocar 15 carros. O primeiro carro de monotrilho virá da Malásia e todos os demais serão produzidos no Rio.

Cada trem de monotrilho é composto por três carros e cada carro tem capacidade para transportar cerca de 150 pessoas. Os primeiros carros fabricados no Brasil devem ficar prontos ainda em 2013.
Serão gerados mais de 500 empregos diretos entre administradores, engenheiros, técnicos, soldadores, eletricistas, mecânicos e inspetores de qualidade. Fonte: Revista Ferroviária

NT 2012

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Estrada de Ferro Carajás, possui o trem de carga mais longo do mundo

O canal pago Discovery Channel exibiu no mês de dezembro um episódio do programa Countdown to Colision sobre a Estrada de Ferro Carajás, que possui o trem de carga mais longo do mundo.

O trem sai da mina de Carajás, no Norte do Brasil, e atravessa mais de 900 quilômetros de floresta remota e pastagens até o porto de São Luís (MA), transportando minério de ferro destinado à China.

Fonte: Discovery Channel
O programa seguiu a equipe de trabalhadores ferroviários enquanto correm contra o relógio para conseguir o fazer com que o enorme de três quilômetros chegue ao porto na hora certa.

Em um silo gigante, os trabalhadores usam um engenhoso sistema de pesagem para carregar o minério nos 330 vagões, ainda em movimento.

O maquinista utiliza sinais de rádio para coordenar as quatro locomotivas espalhadas ao longo do trem, para subir a colina da ferrovia. Para descarregar as suas 30.000 toneladas de minério, um virador rotativo vira os vagões de cabeça pra baixo, descarregando o minério que será exportado.

A Coreia do Sul começou a testar trens alimentados por eletricidade sem fios

O Fórum Econômico Mundial anunciou sua lista das 10 principais tendências tecnológicas que prometem decolar e levar junto a quase paralisada economia mundial. Segundo a entidade, essas tecnologias poderão ajudar a alcançar um crescimento econômico sustentável nas próximas décadas, conforme continuam a crescer a população global e, por decorrência, as demandas materiais sobre o meio ambiente. A seleção das tecnologias levou em conta a possibilidade de avanços no desenvolvimento industrial e econômico, e a possibilidade de implantação industrial a curto e médio prazo.


A Coreia do Sul começou a testar trens alimentados por eletricidade sem fios. As Tecnologias de eletricidade sem fio já conseguem fornecer eletricidade para veículos em movimento.
Na próxima geração de carros elétricos, conjuntos de bobinas de captação sob o assoalho do veículo vão receber a energia remotamente através de um campo eletromagnético de transmissão gerado por cabos instalados sob a estrada.

A corrente elétrica sem fios também recarrega uma bateria utilizada para alimentar o veículo quando ele está fora das redes de suprimento ou circulando por vias que ainda não contam com a infraestrutura.

Como a eletricidade é fornecida externamente, esses veículos precisam de uma bateria com apenas um quinto da capacidade da bateria de um carro elétrico atual.

Os sistemas de eletricidade sem fios já podem alcançar uma eficiência de transmissão de mais de 80%. Veículos online elétricos já estão em testes de estrada em Seul, na Coreia do Sul. Fonte Inovações Tecnológicas. Fonte: Coreia Online Imagem: Kaist

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Obras do VLT de Fortaleza


A linha passará por 22 bairros da capital cearense. Estimativa é de que as obras sejam concluídas em dezembro de 2013, já foram concluídos 25% das obras.
As obras do VLT Parangaba-Mucuripe - que ligará o bairro de Parangaba à orla da cidade de Fortaleza, passando por 22 bairros - estão 25% concluídas. As informações são do Governo do Estado do Ceará. A obra é uma das principais intervenções na capital cearense para a Copa do Mundo da FIFA 2014.
O novo modal de transporte vai operar em via dupla e fará conexão ferroviária de 12,7 km entre a Estação Parangaba e o bairro Mucuripe, sendo 11,3 km em superfície e 1,5 km em elevado. A estimativa é de que cerca de 100 mil pessoas sejam beneficiadas por dia.

O projeto prevê a construção de três tipos de estação: uma elevada em Parangaba, que fará integração com a Linha Sul do Metrô de Fortaleza e o terminal de ônibus do Sistema Integrado de Fortaleza;  a Estação elevada do Papicu, que fará a integração com a Linha Leste do Metrô e o terminal de ônibus; e outro tipo de padronização para as outras oito estações (Montese, Vila União, Rodoviária, São João do Tauape, Pontes Vieira, Antônio Sales, Mucuripe e Iate Clube).
A previsão de entrega do VLT é para dezembro de 2013. Até o final de fevereiro, mais 220 pessoas devem ser contratadas para as obras de construção do ramal.