quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Governo do Rio aposta em metrô leve para o Aeroporto do Galeão

A aposta do governo do Rio de Janeiro para aumentar o número de passageiros do Aeroporto Internacional do Galeão (Tom Jobim) é implantar um sistema leve sobre trilhos com 17 km de extensão até o centro.


O projeto é ambicioso, e custa R$ 2 bilhões e depende de um acordo com a União para a utilização de recurso federal oriundo da outorga paga pela concessionária RioGaleão, que administra o Aeroporto Tom Jobim.

A proposta da concessionária é uma linha com sete estações que ligaria o Terminal 2 do Aeroporto Tom Jobim à estação de Metrô do Estácio, a viagem levará cerca de 15 minutos ao longo dos 17 quilômetros de extensão.
As imagens divulgadas pela concessionária mostram um sistema parecido com o VLT que opera no centro da capital fluminense, no entanto, no artigo oficial da RioGaleão não está especificado qual será o tipo de modal.


O projeto têm o apoio do secretário de Transporte Delmo Pinho, que entende que a medida sugere os padrões dos principais aeroporto do mundo: “Um aeroporto internacional é um motor econômico, mas ele precisa ser alimentado. Esse projeto vai aumentar a demanda de passageiros e facilitar o acesso ao aeroporto. Esse modelo reproduz o que acontece nos aeroportos mundo afora. Se a União permitir, esse recurso será empregado para melhorar a operação de um equipamento que pertence a ela mesma, o aeroporto”, afirma.

O percurso será feito às margens da Linha Vermelha, próximo a áreas conflagradas. De acordo com o secretário, o serviço envolverá um forte esquema de segurança, para que os passageiros se sintam totalmente protegidos.

Para que o processo saia do papel, a concessionária RioGaleão terá que passar pelo mesmo trâmite da GRU Airport, que administra o Aeroporto de Guarulhos e vai implantar um people mover para chegar até a estação da Linha 13-Jade da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, obter um aditivo no contrato de concessão que seja aprovado pelo TCU (Tribunal de Contas da União). Fonte Divulgação